Menu
2019-04-05T09:53:34-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Inflação abre o ano surpreendendo para baixo

IPCA-15 é o menor para meses de janeiro desde 1995. E o que a Selic tem com isso?

23 de janeiro de 2019
10:38 - atualizado às 9:53
Ilan-Goldfajn-metas-inflação
Imagem: Vanessa Eyer

Visto como prévia da inflação oficial, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) marcou 0,3% em janeiro, ficando pouco da mediana de 0,33% da “Projeções Broadcast”, com estimativas que variavam entre 0,27% a 0,51%. Em 12 meses, a inflação é de 3,77%.

Desde o fim do ano passado, a surpresa positiva com a inflação vem fomentado um debate sobre o espaço para o Banco Central (BC) deixar a política monetária ainda mais estimulativa. Em português claro, nas contas de alguns especialistas, a Selic poderia testar patamares abaixo de 6,5% ao ano, que vem sendo respeitado desde março do ano passado.

A discussão toda passa pela taxa neutra ou estrutural de juros. Essa é taxa que permite crescimento com inflação nas metas. É uma variável não observável e estaria variando entre 4% a 4,5% segundo pesquisa feita pelo BC em 2017.

No entanto, algumas estimativas alternativas já sugerem que essa taxa poderia estar na casa dos 3% ou menos, reflexo de mudanças no mercado de crédito e outros fatores. Atualmente nossa taxa real (juro nominal descontado da inflação projetada em 12 meses) está ao redor de 2,4% ao ano.

Essa conversa toda nos interessa, pois quanto menor a Selic, melhor o cenário para os ativos de risco como bolsa de valores. Boa notícia, também, para o setor imobiliário e fundos imobiliários. Na renda fixa, os prêmios já caíram bastante nos papéis do Tesouro Direto, mas ainda é possível garimpar oportunidades. Mas há outros bons negócios em outros ativos de renda fixa.

Reafirmando a mensagem

Na terça-feira, uma entrevista do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, à agência de notícias “Reuters” gerou algum ruído no mercado conforme uma frase do presidente foi lida como um sinal de que o BC estaria disposto a avaliar quão estimulativa está a política monetária, ou seja, quanto o juro real atual está abaixo da chamada taxa neutra ou estrutural.

No fim dia, após um firme ajuste de baixa nos contratos de juros futuros, o BC divulgou uma nota de esclarecimento, dizendo que: “a mensagem de política monetária não se alterou desde a última reunião do Copom e a autoridade monetária continua priorizando a cautela, a perseverança e a serenidade”.

Essa mensagem vem sendo reafirmada desde o fim do ano passado, quando Ilan disse que o Comitê de Política Monetária (Copom) se pauta por mudanças de tendências e não embarca em momentos nos quais os cenários para as variáveis econômicas são mais voláteis para a definição da taxa Selic.

De fato, inflação passada não têm influência sobre as decisões futuras de juro, pois a ingrata tarefa do BC é mirar a inflação de 12 meses a 18 meses para frente. O compromisso do BC é com um IPCA de 4,25% neste ano e de 4% em 2020.

Por ora, a avaliação do Copom é de que Selic em 6,5% é compatível com o atingimento desse objetivo. Estamos em um processo de convergência da inflação às metas “por baixo” desde o IPCA de 2,95% de 2017.

IPCA, metas e expectativas. - Imagem: Banco Central do Brasil

O BC também presta especial atenção aos núcleos de preços, que são uma forma de tentar captar a tendência da inflação. Apesar de continuarem em patamares considerados consistentes com as metas, algumas medidas se aceleraram na passagem de dezembro para janeiro.

O próximo encontro do Copom acontece no dia 6 de fevereiro, quando o Copom volta a analisar o conjunto de dados macroeconômicos e também julga como diferentes fatores podem vir a influir no comportamento da inflação e das expectativas ao longo do tempo.

Outro fator que pode vir a influir na inflação de 2019 é o regime de chuvas, que tem se mostrado aquém do esperado. Algo que pode impacto sobre as bandeiras tarifarias de energia e sobre o preço dos alimentos.

A ver, mas tudo indica que o BC vai seguir com cautela, perseverança e serenidade ao menos até março, quando Ilan deve passar o comando a Roberto Campos Neto, que ainda precisa ser sabatinado pelo Senado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

O golpe do século

Crime e castigo: Bernie Madoff, responsável pela maior pirâmide financeira da história, morre na cadeia

Condenado a 150 anos de prisão, financista que fraudou US$ 20 bilhões e enganou milhares de investidores morreu em desgraça aos 82 anos. Conheça sua história e relembre seus crimes.

Atividade em queda

Indicador da FGV mostra contração da economia em março com agravamento da pandemia

A queda nas expectativas dos consumidores foi um dos destaques negativos entre os componentes do indicador

Benefício com garantia

Paulo Guedes reeditará BEm somente após a aprovação do Orçamento ou da PEC “fura-teto”

“O ministro disse ‘ou um, ou outro, o que sair primeiro a gente faz o BEm'”, afirmou Paulo Solmucci, presidente da Abrasel

PPI

Decreto de Bolsonaro inclui Correios no Programa Nacional de Desestatização

A privatização dos Correios ainda depende da aprovação de um projeto de lei de autoria do Executivo que permite à iniciativa privada prestar serviços

Exile on Wall Street

Bitcoins, IPOs, reestruturações e M&As: coisas para comprar ainda nesta semana

De onde você menos espera é que não vem nada mesmo. É notável a regularidade da incompetência. Ela não surpreende. Está sempre por aí.  Lembro com frequência da famosa frase, já meio clichê, você tem razão, do Kennedy: não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies