Menu
2019-12-24T11:50:54-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Qual a relação entre queda de juros e fundos imobiliários?

Juros em baixa beneficiam os fundos que investem no mercado imobiliário. Entenda por quê.

24 de dezembro de 2019
5:40 - atualizado às 11:50

Existe uma forte relação queda de juros e fundos imobiliários. Você talvez já tenha ouvido falar que esses fundos estão justamente entre os investimentos mais beneficiados em cenários de juros baixos ou cadentes. Mas você já parou para pensar por quê? No vídeo a seguir eu falo mais sobre essa relação:

Cortes na taxa Selic tendem a reduzir a rentabilidade das aplicações conservadoras de renda fixa e beneficiar os chamados ativos de risco, aqueles investimentos mais ligados à economia real. Por um lado, o retorno da caderneta de poupança e dos títulos pós-fixados diminui; por outro, fundos imobiliários, ações e imóveis tendem a se valorizar.

Isso acontece, primeiramente, porque uma redução da taxa básica de juros representa uma queda no custo de oportunidade. Em outras palavras, fica mais fácil para os ativos de risco pagarem remunerações bem mais interessantes do que os investimentos conservadores. Num cenário de juro alto, o ganho extra que você consegue num ativo mais arriscado pode não compensar o risco que você corre. Melhor ficar conservador e ir tomar água de coco na praia. Mas num cenário de juro baixo, correr risco passa a valer a pena.

E é bom lembrar que os fundos imobiliários são ativos de risco: imóveis podem se valorizar ou desvalorizar, assim como as cotas dos fundos. Além disso, o retorno pode estar ligado tanto à venda de imóveis com lucro quanto a aluguéis que muitas vezes dependem do bom desempenho comercial dos inquilinos. Fora que imóveis vagos, sem inquilinos, geram despesas e nenhuma receita.

Existe ainda um tipo específico de fundo imobiliário que só investe em títulos de renda fixa ligados ao mercado imobiliário, como é o caso dos CRI. Esses papéis não são assim tão conservadores, e costumam pagar um juro prefixado mais a variação da inflação. Isso faz com que eles se valorizem quando a expectativa é de queda nos juros.

O juro mais baixo também barateia o crédito, facilitando o financiamento a empresas e ao mercado imobiliário. No caso dos imóveis, esse fator é muito importante, já que esse mercado é intensivo em crédito. Dá para dizer que, sem crédito, não existe mercado imobiliário desenvolvido.

A oferta de crédito mais barato estimula as empresas a contraírem financiamentos e emitirem dívida para expandir suas atividades, o que pode levar a um aumento de demanda por espaços voltados para o público corporativo. Também estimula as pessoas físicas a comprarem a casa própria. A maior demanda por imóveis corporativos e residenciais, por sua vez, incentiva a construção e as vendas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Uma maior concorrência por bons imóveis pode também levar os fundos imobiliários a ajustarem para cima os preços dos seus aluguéis. Ou seja, não só o preço das cotas dos fundos pode aumentar, como também os rendimentos distribuídos aos cotistas. Em um cenário de juros em alta, por outro lado, toda essa situação se inverte.

Gostou do vídeo? Então não deixe de se inscrever no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho para receber as notificações. E pode deixar aqui embaixo nos comentários dúvidas e ideias pra outros vídeos.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bolsa contaminada pelo coronavírus

Caro leitor, A semana começou mal para as bolsas do mundo todo. O avanço do coronavírus na China durante o fim de semana colocou os mercados de molho nesta segunda. Já foram confirmados quase 3 mil casos em mais de dez países, sendo a maioria deles na China. Até agora, foram computadas 82 mortes. Os […]

Cautela elevada

Em dia de queda de 3% do Ibovespa com alerta sobre coronavírus, ações de drogaria sobem

A disseminação do coronavírus elevou a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Apenas cinco ações do índice subiram, incluindo Raia Drogasil

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

‘Índice do medo’ atinge patamar visto no auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para o BTG, ação da corretora já está bem precificada

BTG Pactual inicia cobertura das ações da corretora com recomendação neutra para os papéis.

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements