🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
O JOGO VIROU

A corrida pelo tijolo: por que 9 dos 10 fundos imobiliários mais rentáveis do mês são do segmento de escritórios, shoppings e logística

Um movimento de realocação de carteiras levou a classe a registrar, pela segunda vez consecutiva neste ano, uma performance superior aos FIIs de papel

Larissa Vitória
Larissa Vitória
31 de agosto de 2022
6:10 - atualizado às 11:06
Vista aérea de uma aglomeração de edifícios de escritórios e casas | Fundos imobiliários
Imagem: Unsplash

Depois de apanharem muito durante a pandemia de covid-19 e serem ignorados por boa parte dos investidores, os fundos imobiliários de tijolo registaram, pela segunda vez consecutiva neste ano, uma performance superior aos FIIs de papel.

A corrida pelos portfólios compostos por ativos reais levou a classe a conquistar a maioria absoluta entre os 10 fundos mais rentáveis de agosto, com nove representantes.

A lista dos campeões do mês inclui FIIs que são donos de escritórios (lajes corporativas), shopping centers e galpões logísticos.

O único entre os 10 mais rentáveis de agosto que não se enquadra na categoria de fundo de tijolo é o Kinea Fundo de Fundos (KFOF11). Ainda assim, mais da metade da carteira do KFOF11 é composta por FIIs que investem em escritórios e shoppings.

Veja a seguir a lista dos fundos imobiliários que mais subiram em agosto entre aqueles que fazem parte da carteira do Ifix, o principal índice do setor da B3:

CÓDIGONOMESegmentoVARIAÇÃO DA COTA EM AGOSTO
BRCR11BTG Pactual Corporate Office FundLajes corporativas23,18%
RBRP11RBR Properties FIIHíbrido21,14%
XPIN11XP IndustrialLogística19,54%
HSML11HSI MallsShoppings16,06%
GTWR11Green TowersLajes corporativas14,93%
HGRE11CSHG Real EstateLajes corporativas15,33%
KFOF11Kinea Fundo de FundosFundo de Fundos14,85%
JSRE11JS Real Estate MultigestãoLajes corporativas14,79%
HGBS11Hedge Brasil ShoppingShoppings13,38%
VILG11Vinci LogísticaLogística13,25%
*Até o fechamento de 30/08/2022 | Fonte: ClubeFII

Mas o que levou a essa verdadeira “corrida pelo tijolo” neste mês? Trata-se principalmente de um movimento de realocação de carteiras.

As perspectivas de fim do ciclo de alta da taxa Selic e a deflação registrada em julho diminuíram a rentabilidade dos FIIs de papel que investem, em grande parte, em títulos de dívida imobiliária atrelados a índices de preços, como IPCA e IGP-M, e ao CDI.

Com a atratividade do papel em queda, as cotas dos fundos de tijolo — cujo patrimônio está concentrado em imóveis como galpões logísticos, escritórios e shoppings — voltaram a chamar a atenção dos investidores e a avançar na B3.

E uma grande parte da boa performance de agosto é atribuída a um segmento da classe. Os fundos de lajes corporativas, que estão entre os mais afetados pelo quadro econômico anterior, ocupam quatro posições da lista de 10 maiores altas do mês.

Diante da virada do cenário macroeconômico, o movimento no mercado de FIIs já era esperado pela maioria do mercado, especialmente pelos gestores profissionais, de acordo com Rodrigo França, sócio e gestor da Devant Asset.

A volta por cima 

No geral, os fundos imobiliários de tijolo foram pressionados pela pandemia de covid-19 e pelo aperto nos juros brasileiros promovido para conter a inflação. Mas, dentro da classe, alguns segmentos sofreram mais que os outros.

Enquanto os FIIs de logística foram impulsionados pelo crescimento do e-commerce, os de lajes corporativas e os shoppings centers sofreram com as medidas de restrição social.

O último setor também foi diretamente afetado pela escalada da inflação, que diminuiu o poder de compra dos consumidores e prejudicou os lojistas. A categoria, porém, já esboçava uma reação que deve ser potencializada pelo freio na alta dos preços e dos juros.

“Os shoppings voltaram a performar bem, com número de vendas favoráveis aos lojistas e inadimplência controlada”, destaca Caio Araújo, analista da Empiricus, em sua coluna no site do Seu Dinheiro.

O ambiente das lajes corporativas também melhorou desde o início do ano, na visão de Araújo. “Com a volta dos funcionários aos escritórios físicos, a ocupação do segmento registrou melhora nos últimos três trimestres em São Paulo, principal centro corporativo do país”, afirma.

Os reis do desconto

Além da melhora nas perspectivas para vacância, outro fator que atrai os investidores e pode ajudar a explicar por que os escritórios são maioria entre as maiores altas de agosto está no valor das cotas.

O analista da Empiricus diz que ainda há FIIs “bem descontados” no setor, com cotações até 20% abaixo do valor patrimonial.

Caio Araújo acrescenta ainda que, além do desconto, o setor oferece a oportunidade de acessar um dividend yield — indicador que mede o retorno de um ativo com proventos — real próximo de 8%.

“Portanto, com a inflação arrefecendo e o mercado de escritórios registrando absorção líquida positiva, a janela segue favorável para a montagem de posição em lajes corporativas”, declara o analista.

Para Rodrigo França, gestor da Devant Asset, os fundos imobiliários de tijolos não apresentam problemas nos ativos que justifiquem um desconto tão grande. “A maior parte dos fundos de escritório da carteira do IFIX não apresenta dificuldades graves com vacância, risco dos inquilinos ou alavancagem.”

A corrida dos fundos imobiliários de tijolo veio para ficar?

Se o desconto é o principal atrativo dos fundos imobiliários de lajes corporativas, o que ocorrerá com essa classe de ativos quando a alta contínua fechar o vão entre a cotação dos FIIs e o valor patrimonial?

Para o gestor da Devant, o movimento irá continuar à medida que as expectativas de fim do ciclo de aperto e possível início de corte nos juros se consolidem. Mas a liderança dos ganhos deve mudar de segmento.

“Os fundos de laje tendem a continuar capitaneando esse movimento de alta no curtíssimo prazo porque o desconto continua relevante. Mas, os fundos de fundos — que ainda têm uma ‘gordurinha’ maior para queimar —, talvez passem a frente em relação ao desempenho das cotas”, afirma o gestor.

André Freitas, CEO e CIO da Hedge Investments, também acredita que os FOFs devem ser destaque nos próximos meses.

Assim como ocorre com os escritórios, ele acredita que, como o portfólio é formado por cotas de outros fundos que estão se valorizando, não há justificativa para descontos tão elevados: “se vendermos toda a carteira de um FOF, o fundo vale mais do que sua cotação no mercado secundário”.

Compartilhe

DESTAQUES DO SETOR IMOBILIÁRIO

Ações da Plano & Plano (PLPL3) e Helbor (HBOR3) sobem forte após prévias, mas apenas uma delas tem recomendação de compra; veja qual

16 de julho de 2024 - 11:22

O Itaú BBA já esperava a reação positiva do mercado. Em relatório publicado mais cedo, o banco de investimentos avaliou as duas prévias como positivas

EM PARCERIA COM A B3

Nu Asset lançará dois ETFs de ações, um com foco em baixa volatilidade e outro voltado para papéis sensíveis à variação do Ibovespa

15 de julho de 2024 - 19:03

Gestora do Nubank estreará na próxima terça-feira (16) o Low Volatility (LVOL11) e o High Beta (HIGH11); veja como os novos fundos de índice devem funcionar

A UNIÃO FAZ A FORÇA

‘Abandonada’ pela Shein, Coteminas (CTNM4) vê ações derreterem 74% na bolsa e propõe grupamento

15 de julho de 2024 - 18:16

A ideia dos conselheiros é que grupos de cinco papéis CTMN4 sejam unidos para formar uma nova ação — e o preço também será multiplicado pelo mesmo fator

DESTAQUES DA BOLSA

Ações da Americanas (AMER3) despencam 10% hoje, mas ainda disparam 24% nos últimos dias e a cotação deve subir mais em breve

15 de julho de 2024 - 17:01

Vale relembrar que a Americanas anunciou um grupamento de ações para aumentar a cotação dos papéis

MOMENTUM DE PREÇOS

Fim do calvário do Ibovespa? Bolsa brasileira sobe 7,5% em um mês — e essas são as 7 apostas do Itaú BBA em ações

15 de julho de 2024 - 13:24

Além dos sete nomes, a recente dinâmica de preços de curto prazo de um trio de ações também atraiu o olhar dos analistas; confira

DESTAQUES DA BOLSA

Ações da EZTec (EZTC3) estão entre as maiores altas do Ibovespa após crescimento nas vendas do segundo trimestre; é hora de comprar?

15 de julho de 2024 - 11:59

O BTG Pactual destaca que a companhia conseguiu reduzir os níveis de estoque no período e o valution dos papéis é atrativo

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OPERACIONAIS

Cyrela (CYRE3), MRV (MRVE3) e outras cinco grandes construtoras da B3 já divulgaram as prévias do 2T23; quem foi melhor e quais ações comprar, segundo analistas

15 de julho de 2024 - 9:13

Cyrela, Cury, Direcional, Even, MRV, Moura Dubeux e Tenda publicaram dados de lançamentos, vendas e geração de caixa do segundo trimestre na semana passada

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Balanços ganham tração nos EUA em meio a decisão de juros do BCE e prévia do PIB no Brasil

15 de julho de 2024 - 7:04

Por aqui, a temporada de resultados só deve acontecer na semana seguinte, mas as publicações semanais das empresas lá fora podem dar um tom do que esperar

DESTAQUES DA BOLSA

Ibovespa segue invicto em julho; confira as maiores altas e quedas da última semana na bolsa

13 de julho de 2024 - 9:30

As ações da Embraer, da B3 e da Petz lideraram as altas da semana no Ibovespa; principal índice da bolsa brasileira subiu nos 10 últimos pregões

FECHAMENTO DOS MERCADOS

Xô abraço de urso: depois do S&P 500, Dow Jones supera máximas e passa dos 40 mil pontos

12 de julho de 2024 - 17:06

A escalada começou no dia anterior, quando o Dow avançou na contramão dos outros índices, que enfrentaram uma liquidação. Nesta sexta-feira (12), o índice de 30 ações continuou subindo, apoiado nas apostas de investidores em nomes industriais.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar