Menu
2019-04-25T17:55:33-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Tem que mudar isso aí

Suspensão da alta do diesel é mal vista pela equipe econômica de Bolsonaro

Cenário se complicou ainda quando o porta-voz da Presidência indicou que o preço do combustível pode ficar congelado por mais tempo

13 de abril de 2019
14:04 - atualizado às 17:55
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Shutterstock

A determinação do presidente Jair Bolsonaro para que a Petrobras suspendesse o aumento no preço do diesel foi vista como catastrófica na área econômica do governo, segundo apurou o Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O cenário se complicou ainda mais no início da noite de ontem, quando o porta-voz da Presidência da República indicou que o preço do combustível pode ficar congelado por mais tempo caso o governo precise de "mais informações" para decidir sobre o tema.

O presidente convocou a diretoria da Petrobras para uma reunião na próxima terça-feira, 16, quando pedirá os números que embasaram a decisão da companhia de reajustar o preço do diesel em 5,7%. Mas se as explicações não forem suficientes, a decisão pode ser postergada, disse o porta-voz. O anúncio foi visto na área econômica como um sinal ruim de que a intervenção pode durar um período ainda maior.

A avaliação é de que Bolsonaro e o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, precisarão agir rápido para dar explicações e conter o estrago da medida, que pode causar danos severos à empresa e ao governo, que tem uma equipe econômica de viés liberal - ou seja, contra a intervenção em preços. O episódio deixou uma fratura exposta diante da admissão pública do presidente de que interferiu numa decisão que cabe à companhia.

Para fontes da área econômica, a atitude do presidente da República lembrou a gestão do PT "em seu pior momento" e não surpreende que o próprio líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), tenha saído em defesa dela, apesar de estar posicionado num espectro ideológico completamente oposto ao de Bolsonaro.

"Acho que a Petrobras é uma empresa nacional que deve seguir uma orientação política. Ela deve estar de acordo com a política de preços definida para o setor", disse o petista.

A ex-presidente Dilma Rousseff foi duramente criticada pela política de controle de preços dos combustíveis, que causou prejuízos bilionários à empresa pela venda de combustível abaixo do preço de importação. A medida foi adotada para "ajudar" o governo no controle da inflação.

O Ministério da Economia não quis se pronunciar oficialmente, e o ministro Paulo Guedes, que está em Washington, só falou ao fim do dia, sugerindo que não foi procurado por Bolsonaro para falar do assunto.

A falta de comunicação do Palácio do Planalto com os próprios técnicos do governo para tirar dúvidas sobre o reajuste da Petrobras também foi criticada nos bastidores, segundo apurou o Estadão/Broadcast.

Auxiliares mais próximos de Guedes, no entanto, buscam distanciar a pasta da crise ao classificar a decisão de Bolsonaro como um "ponto isolado". Para essas fontes, não se trata de uma intervenção no Ministério.

Quando lançou o programa de subvenção ao preço do diesel para aplacar a greve dos caminhoneiros, em maio do ano passado, a equipe do ex-presidente Michel Temer também ficou na berlinda devido à intervenção na política de preços da companhia.

O episódio acabou resultando na saída do então presidente da companhia, Pedro Parente, que preferiu pedir demissão a ter de aceitar alternativas alinhadas à necessidade de sobrevivência do governo.

O custo da medida acabou ficando na conta do Tesouro Nacional, justamente para atenuar a imagem de dano à Petrobras.

Mesmo assim, a ferida permaneceu, e o temor agora é de que a investida de Bolsonaro também possa deixar cicatrizes ainda mais graves para a empresa.

Nos bastidores, técnicos ainda têm dificuldade em mensurar qual será a verdadeira extensão da crise que se instalou, já que tudo depende de como ela será conduzida.

O maior risco no momento é que o tema continue gerando ruído, o que deixaria o o governo e a Petrobras sangrando por mais tempo.

Uma primeira conclusão é de que o Palácio do Planalto precisará melhorar sua comunicação, tanto dentro do governo quanto com a sociedade, já que a notícia caiu como uma bomba sobre as ações da Petrobras.

Também retorna ao debate a necessidade de abrir o mercado de refinarias no Brasil, hoje um monopólio da estatal.

Fontes da área econômica observam que, com concorrentes privados no setor, a empresa ficaria menos sujeita a esse tipo de ingerência política. Do ponto de vista estratégico, a melhor decisão é dar continuidade ao movimento de privatização de refinarias já iniciado pela companhia.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies