Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-03-26T08:44:23-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Novela política perde audiência do mercado

Mercado financeiro quer se desviar dos ruídos políticos em Brasília e concentrar as atenções na questão econômica

26 de março de 2019
5:32 - atualizado às 8:44
Mercado
Destaque do dia fica com a presença do ministro Paulo Guedes na CCJ para falar da reforma da PrevidênciaImagem: Shutterstock

O mercado financeiro brasileiro quer se desviar dos ruídos políticos em Brasília e concentrar as atenções na questão econômica para seguir em lua de mel com o governo. Daí, então, a expectativa para que soe como melodia a fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, hoje, durante sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Os investidores sabem que Guedes é apenas uma parte do governo - e a boa. Então, apesar do desastre na coordenação política, a expectativa é de que as palavras do ministro mostrem o bom senso que parece faltar no Executivo, povoado por uma discussão ideológica sobre “nova política versus velha política”.

Afinal, o que existe é a política - e é isso que o governo precisa fazer. Embora a sociedade esteja cansada de tanta corrupção e esquemas de desvio de dinheiro público, em uma democracia é preciso negociar. O presidente Jair Bolsonaro precisa entender que lidar com partidos políticos faz parte do sistema e o entendimento entre os poderes é fundamental.

Isso acontece em todo o mundo. Tanto que a primeira-ministra britânica, Theresa May, precisa negociar apoio do próprio partido para evitar uma saída desordenada do Reino Unido da União Europeia (UE) nesta semana, ao passo que o norte-americano Donald Trump teve de tolerar republicanos contrários à construção do muro na fronteira sul.

No caso brasileiro, o diálogo tem que partir em direção ao Congresso, de modo a aprovar as propostas do Executivo. E a obstrução nessa comunicação só gera instabilidade política, com efeitos no mercado financeiro. Aos olhos dos investidores, o foco deve estar centrado na Previdência para manter credibilidade e capital político do governo para outras reformas.

Palavras ao vento

Por mais que o presidente tenha prometido que o foco agora estará na aprovação das novas regras para aposentadoria, o núcleo político e a equipe econômica sabem que não é muito difícil o chefe de Estado (e seus filhos) desviar o radar para outros pontos. Por isso, o mercado financeiro vai cobrar mais do que meras palavras.

A torcida é por uma pacificação do ambiente político, com o governo orquestrando uma trégua com os parlamentares e formando uma base aliada sólida, com mais de dois terços da Câmara e do Senado. O problema é que esse desafio pode esbarrar na inabilidade do presidente em lidar com o Congresso e na falta de traquejo político do ministro economista.

Sem não houver diálogo entre o Executivo e o Legislativo, corre-se o risco de não avançar na agenda de reformas, emperrando a tramitação da Nova Previdência e ressuscitando até o projeto do ex-presidente Michel Temer, agora solto. O que o mercado quer ver é os dois poderes caminhando lado a lado em uma mesmo direção - e isso ainda não aconteceu.

Com isso, a política vai continuar sendo o foco dos ativos locais. Se não baixar a temperatura, o tom negativo tende a prevalecer. Mas se o clima melhorar, pode haver uma melhora no humor dos investidores, retomando a confiança na aprovação da reforma da Previdência. Mas como não tem nada ainda alinhavado, o prazo final até junho parece justo.

Guedes rouba a cena

A participação do ministro Paulo Guedes na CCJ, a partir das 14h, rouba a cena da agenda de indicadores e eventos econômicos desta terça-feira. O ministro foi convidado a participar da sessão da CCJ para esclarecer a proposta do governo de reforma da Previdência dos civis e dos militares.

Ainda assim, a participação de Guedes na CCJ é atípica e reflete a desarticulação política do governo com o Congresso. Afinal, não é objetivo da comissão analisar o mérito da proposta, apenas se ela fere alguma cláusula pétrea da Constituição. Porém, tal convite ao ministro tornou-se imprescindível para a definição do relator da matéria na CCJ.

Ainda assim, merece atenção a ata da reunião deste mês do Comitê de Política Monetária (Copom), a primeira sob o comando do novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. O mercado espera encontrar, no documento, pistas sobre os próximos passos na condução da taxa básica de juros.

No encontro de março, o Copom melhorou a avaliação sobre a inflação, considerando o balanço de riscos simétrico - ou seja, com fatores mais equilibrados tanto de alta quanto de recuo nos preços. Apesar da menção, não houve qualquer sinalização quanto a uma possível redução na Selic nos próximos meses.

O documento será divulgado logo cedo, às 8h. Os investidores ainda estarão lendo com lupa a ata do Copom, à procura das digitais de Campos Neto no texto, quando receberão a prévia deste mês da inflação oficial ao consumidor (IPCA-15), às 9h. A previsão é de uma leitura novamente salgada, de 0,5%, com a taxa acumulada em 12 meses subindo a 4,1%.

Os números podem esfriar as apostas de queda na Selic ainda neste ano - ao menos até que surjam sinais mais firmes de aprovação da reforma da Previdência em breve, com a atividade econômica seguindo fraca e os preços, controlados. Já no exterior, o calendário do dia traz dados do setor imobiliário norte-americano e sobre a confiança do consumidor.

Exterior preocupado

A preocupação com o crescimento da economia global continua no radar dos mercados internacionais e é mais evidenciada nos negócios com bônus, que passaram a prever que o próximo movimento do Federal Reserve será de corte na taxa de juros. As apostas são de que a queda ocorra ainda neste ano, sob risco de recessão nos EUA em 2020.

Porém, os investidores avaliam que ainda é prematuro discutir sobre a inversão da curva de juros norte-americana e os reflexos na economia real. Afinal, há chances de que o movimento no mercado de bônus tenha sido muito rápido - e exagerado. Tanto que o juro projetado pelo título dos EUA de 10 anos (T-note) recuperou a faixa de 2,4% hoje.

Com isso, os ativos de risco tentam recompor o fôlego e ensaiam uma recuperação. As principais bolsas da Ásia fecharam sem uma direção definida. Tóquio subiu (+2,15%), após as fortes perdas ontem, enquanto Hong Kong ficou de lado e Xangai caiu 1,5%. Já as praças europeias ensaiam alta na abertura, embaladas pelo sinal positivo em Nova York.

Nos demais mercados, o barril do petróleo tipo WTI volta a ser negociado acima de US$ 59, em meio às tensões crescentes na Venezuela, após aviões militares russos pousarem no país. Entre as moedas, destaque para a queda da libra, que é pressionada pelas chances crescentes de um Brexit sem acordo nesta sexta-feira.

Ao que tudo indica, May perdeu o controle em torno da votação no Parlamento britânico e pode ter de apresentar um plano B radical, que incluiria um novo referendo, cancelando a saída do Reino Unido da UE. A nova votação-chave acontece amanhã, quando será decidido quais passos a ilha deve tomar em relação ao bloco comum europeu.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

FECHAMENTO DA SEMANA

Ameaça ao teto de gastos e derretimento do minério de ferro afundam o Ibovespa em mais de 3%; dólar vai a R$ 5,20

Com a pressão das ameaças político-fiscais e a queda brusca do minério de erro, a bolsa brasileira amargou uma queda de mais de 3%. Já o dólar voltou a ser negociado na casa dos R$ 5,20

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies