Menu
2019-09-05T10:12:52-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Guedes ganhou mais uma?

Bolsonaro defende teto de gastos e redução de despesas

Mensagem do presidente pode ser vista como uma vitória do núcleo econômico do governo, após manifestações dos grupos político e militar

5 de setembro de 2019
10:12
Bolsonaro e Paulo Guedes; imposto
Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por ora, o time da economia parece ter vencido mais uma queda de braço contra a turma da política. Em disputa, o incompreendido teto de gastos, medida que limita o crescimento das despesas públicas à inflação, e tem se mostrado fundamental para o controle da inflação e queda da Selic para mínimas históricas

Logo cedo, nesta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro foi ao seu “Twitter” para dizer o seguinte:

Com a afirmação, esvazia-se uma escalada que aconteceu ontem, depois que Jair Bolsonaro disse que apoiaria alterações na regra para não faltar luz nos quartéis. O presidente era questionado sobre notícia do “Estadão” falando que as alas políticas e militares defendiam mudanças. O próprio presidente já tinha tido que isso poderia atrapalhar seus planos de reeleição.

Ainda ontem, em uma nova rodada, o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, reafirmou que Bolsonaro defendia sim alterações no teto. Movimento pouco compreendido, pois a fala do porta-voz aconteceu pouco depois de Bolsonaro deixar o Ministério da Economia, onde esteve reunido com Paulo Guedes.

Essa última fala do porta-voz é que elevou a temperatura do debate e, não por acaso, o tema foi destaques nos jornais de hoje.

Ontem, discutimos os riscos que uma alteração do teto poderia causar e usamos o exemplo da Argentina para mostrar a capacidade destrutiva das reversões de expectativas. O ponto não é rever regras que não estejam funcionando bem, mas sim a sinalização que se passa. Um aceno de afrouxamento no controle das despesas visando eleições poderia colocar por terra os ganhos no combate à inflação e queda de juros.

Embates naturais

Tendemos a ver o governo como um monolito, uma coisa só, mas não é bem assim. São diferentes alas disputando poder e influência. No governo Bolsonaro podemos identificar alguns núcleos e temos o presidente como arbitrador, ou técnico do time, como ele mesmo diz.

O núcleo econômico, liderado por Paulo Guedes, a ala política, com Onyx Lorenzoni, os militares, os responsáveis pela agenda de costumes e o ministro da Justiça, Sergio Moro.

Embates acontecem, mas o presidente tem mostrado alguma habilidade em alinhar interesses díspares. No campo econômico, Guedes tem levado vantagem, basta lembrar que possível controle de preço de combustíveis não voltou mais para a pauta e o presidente já não descarta eventual privatização da Petrobras.

A dúvida que fica é o que Guedes teria tido a Bolsonaro para convencê-lo da importância to teto de gastos. Será que ele usou o argumento da Argentina? Vale lembrar que o próprio Guedes já disse que a eleição do Bolsonaro impediu que o Brasil virasse uma Venezuela, mas não garantiu o país não vire a Argentina.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Confiança em alta

Casa Branca não vê fator gerador de inflação que Fed não possa controlar

A presidente do Conselho de Consultores Econômicos do governo ressaltou que é importante focar nas tendências para os índices ao invés de oscilações semanais ou mensais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies