Menu
2019-05-27T19:03:13-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
voz das ruas

Após manifestações, Bolsonaro pede pacto pelo Brasil

Mensagem foi transmitida pelo porta-voz da Presidência da República, que também afirmou que presidente está otimista com o avanço da agenda de reformas

27 de maio de 2019
18:55 - atualizado às 19:03
Jair Bolsonaro
Imagem: Marcos Corrêa/PR

O porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro classifica as manifestações ocorridas domingo como um movimento espontâneo e um sinal de que a sociedade não perdeu as esperanças de que seus anseios serão escutados pelos dirigentes do país.

“Essa voz das ruas não pode ser ignorada, é hora de retribuirmos esse sentimento. O que devemos fazer, agora, é um pacto pelo Brasil. Estamos todos no mesmo barco e juntos podemos mudar esse país”, disse Bolsonaro, em mensagem lida pelo porta-voz.

Essa ideia de pedir um pacto, envolvendo os demais Poderes e a sociedade, tinha surgido em entrevista que o presidente concedeu, na noite de ontem, à rede “Record”. Na entrevista, o presidente também disse que não está em litígio com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e que vai buscar conversar mais com os deputados.

Segundo Barros, a ideia é ter um pacto para conformar todos os Poderes e a sociedade para ultrapassar os obstáculos do ambiente político e alcançar a “bandeira final”, que é o bem-estar da sociedade.

Mais cedo, em seu “Twitter”, o presidente já tinha falado que as manifestações foram históricas e que não poderiam ser ignoradas.

MP 870

O porta-voz também falou que o presidente mantém a orientação dada na semana passada para que a MP 870, que faz a reforma administrativa do governo, mas tirou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do ministro da Justiça, Sergio Moro, seja aprovada pelo Senado da forma como veio da Câmara.

Ele foi questionado sobre a postura do líder do PSL no Senado, major Olímpio, que reafirmou, hoje, a disposição de tentar mudar o texto para que o órgão de prevenção à lavagem de dinheiro fique com Moro.

A matéria será apreciada amanhã, no Senado, e se o texto for alterado terá de voltar a ser analisado na Câmara, correndo o risco de perder a validade. Se isso ocorrer, a estrutura de governo voltaria a ter 29 ministérios.

Sobre esse assunto, o porta-voz disse que Bolsonaro confia plenamente na condução do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, para que “os eventos possam ser o mais prontamente possível afirmados”.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies