Menu
2019-04-24T12:17:05-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Festa no Planalto

18 medidas de Bolsonaro para celebrar 100 dias na Presidência

Depois da assinatura de 18 projetos de lei e decretos, o presidente Jair Bolsonaro falou por cerca de 5 minutos e reforçou as diretrizes do governo de valorizar a família, os valores cristãos e a educação de qualidade sem viés ideológico

11 de abril de 2019
9:35 - atualizado às 12:17
O presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Palácio do Planalto/Flickr

Um sorridente Jair Bolsonaro desceu a rampa que dá acesso ao Salão Nobre do Palácio do Planalto para comemorar os feitos de seus 100 primeiros dias. Mas não foi o primeiro a falar. Quem abriu a solenidade foi porta-voz, general Rêgo Barros, que apresentou um balanço, falando que foi cumprida a missão composta por 35 medidas prioritárias.

Segundo o porta-voz, o sucesso das ações dos 100 primeiros dias ratifica o compromisso de transformar o Brasil e governar para todos, sem distinção.

Barros também apresentou o ideal de conduta do governo, composto por responsabilidade e austeridade fiscal, desenvolvimento sustentado, abertura de novos mercados, segurança jurídica e a diplomacia sem amarras ideológicas. “Que nosso lema, mais Brasil menos Brasília venha a configurar um Estado mais enxuto e menos centralizador”, afirmou.

Depois da assinatura de 18 projetos de lei e decretos, como a cessão onerosa da Petrobras e a autonomia do Banco Central, Bolsonaro tomou o púlpito para dizer que se o mar está revolto, como disse Rêgo Barros em referência os desafios adiante, o céu é de brigadeiro, representando pela esperança no futuro do país.

O presidente falou por cerca de 5 minutos, reforçando as diretrizes do governo de valorizar a família, os valores cristãos e a educação de qualidade sem viés ideológico.

No campo econômico, fez breve menção à reforma da Previdência, relacionado o tema ao equilíbrio das contas públicas e à retomada dos investimentos. Falou, também, em alavancar a economia via emprego e renda, ampliar a desburocratização e aperfeiçoar o pacto federativo.

Bolsonaro disse perguntar a Deus o que fez para estar no lugar que ocupa hoje, e que pede coragem e determinação para “cumprir essa missão”.

Veja Abaixo as medidas assinadas pelo presidente.

  1. Decreto – “Revogaço”
  2. Decreto – Revogação dos colegiados
  3. Decreto - Extingue cargos efetivos vagos e que vierem a vagar dos quadros de pessoal da administração pública federal
  4. Decreto - Institui o Comitê Interministerial de Combate à Corrupção
  5. Termo de compromisso com a integridade pública
  6. Decreto – Forma de tratamento e de endereçamento nas comunicações com agentes públicos da administração pública federal
  7. Decreto –  Conversão de Multas ambientais
  8. Decreto – Política Nacional de Turismo
  9. Decreto – Política Nacional de Alfabetização
  10. Decreto – Regulamentação da Lei Brasileira de Inclusão
  11. Decreto – Política Nacional de Drogas
  12. Decreto – Doação de Bens
  13. Decreto –  Institui o portal único “gov.br” e dispõe sobre as regras de unificação dos canais digitais do Governo federal
  14. Resolução – Conselho Nacional de Política Energética:  “ Cessão onerosa”
  15. Projeto de Lei Complementar -  Autonomia do Banco Central do Brasil
  16. Projeto de Lei complementar  - Indicação de Dirigentes de Instituições Financeiras
  17. Projeto de lei – Ensino domiciliar
  18. Projeto de Lei ordinária – Bolsa Atleta
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Entrevista exclusiva

O presidente da Mastercard diz como você vai pagar suas compras após a pandemia

Além do aumento do uso de meios eletrônicos nas compras, João Pedro Paro Neto aposta na consolidação dos pagamentos por aproximação e menor uso do dinheiro de papel

Exclusivo SD Premium

“Ground Stop”: É hora de se aventurar nas ações do setor aéreo?

Imagine, caro amigo leitor, o quanto não está custando a atual paralisação provocada pelo surto da Covid-19 para os setores aeronáutico e aeroportuário em todo o mundo. Cem bilhões? Duzentos bilhões? Trezentos bilhões? Um trilhão?

Reflexos da pandemia

Com coronavírus, lucro do Iguatemi cai 77,5% no 1º tri, para R$ 12,5 milhões

Operadora de shopping centers viu queda nas vendas, na receita líquida e no Ebitda com fechamento da maioria das lojas no fim de março por conta da pandemia

Atualização do Ministério da Saúde

Brasil tem 391.222 casos confirmados e 24.512 mortes pelo coronavírus

Segundo Ministério da Saúde, 158.593 pacientes foram recuperados

Projeto de ajuda a Estados

Bolsonaro diz não poder mais socorrer Estados e insiste na reabertura da economia

“Nós não podemos continuar socorrendo Estados e municípios que devem no meu entender de forma racional começar a abrir o mercado”, afirmou

seu dinheiro na sua noite

Magalu à prova de coronavírus

No último dia 18 de março, o Ibovespa amargou uma queda de 10,35%, depois de passar pela sexta vez no mês por um circuit breaker – a paralisação que acontece toda vez que o principal índice da bolsa cai mais de 10% durante um pregão. Nesse mesmo dia, as ações do Magazine Luiza registraram uma […]

Condição para socorro financeiro

MP que concede reajuste salarial a policiais e bombeiros no DF é publicada

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro disse que deve sancionar o projeto de socorro a Estados e municípios até amanhã; edição de medida provisória era uma das condições para a sanção

Energia elétrica

Aneel retira de pauta reajuste da Cemig e prorroga vigência de tarifas atuais

Com isso, as tarifas atuais serão prorrogadas até 30 de junho

Pessimismo aumenta

IIF passa a prever que PIB do Brasil terá contração de 6,9% em 2020

Em relatório divulgado nesta terça-feira, 26, a instituição explica que a crise terá efeitos duradouros para o País

Mais alívio no câmbio

R$ 5,35: com uma ajuda do exterior, o dólar zerou os ganhos no mês e virou para queda

O clima tranquilo visto nos mercados globais abriu espaço para mais uma queda no dólar à vista — a sexta nas últimas sete sessões. Com isso, a moeda americana voltou aos níveis do fim de abril, afastando-se cada vez mais do patamar dos R$ 6,00

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements