Menu
2019-09-13T11:18:47-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Atividade

Atividade tropeça em julho, após dois meses de alta, segundo indicador do BC

Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br, teve retração de 0,16% em julho, reforçando expectativa de corte na Selic

13 de setembro de 2019
9:21 - atualizado às 11:18
Setas-abaixo-acima
Imagem: Shutterstock

As surpresas positivas no varejo e nos serviços no mês de julho não foram suficientes para garantir variação positiva ao Índice de Atividade Econômica do Banco Central, o IBC-Br, que teve queda de 0,16%, contra expectativas de contração de 0,08%. Já o resultado de junho teve breve revisão de alta de 0,3%, para avanço de 0,34%, após aumento de 1,16% em maio.

Em função dessas constantes revisões, a leitura em 12 meses é mais estável e mostra crescimento de 1,07%. No ano até julho, o IBC-Br tem variação positiva de 0,78%. Sobre julho do ano passado, há expansão de 1,31%.

Mesmo que o resultado surpreendesse positivamente em nada mudaria a expectativa com relação aos próximos passos do Comitê de Política Monetária (Copom) com relação à taxa Selic. O colegiado tem reunião na quarta-feira e o consenso é de novo corte de meio ponto, trazendo a taxa de 6% para nova mínima histórica de 5,5% ao ano.

No lado dos nossos investimentos, como já escrevemos, acabou a mamata do juro, o tal 1% ao mês vai exigir tomada de risco e sofisticação dos investimentos. Fica a aqui a dica de leitura da matéria da Julia Wiltgen sobre o que fazer com a Selic voltando a cair. Também deixo como sugestão o nosso e-book gratuito sobre perspectivas de investimento no segundo semestre. No fim da matéria estão dois links com dicas de investimentos para investidores conservadores e arrojados.

E a retomada?

Depois de uma vertiginosa queda nas expectativas de crescimento para 2019, que começaram o ano ao redor de 2,5% e estão beirando os 0,8%, o mercado começa a avaliar a possibilidade de trabalhar com um número um pouco melhor, mas nada surpreendente.

A possível revisão para cima decorre de alguns indicadores melhores que o esperado para varejo e serviços e há expectativa de alguma injeção de ânimo com a liberação dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que começou nesta sexta-feira para os correntistas da Caixa e vai se alongar até março de 2020.

Em apresentação nesta semana, a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia atualizou sua projeção de 0,81% para 0,85% e o secretário da SPE, Adolfo Sachsida, afirmou que o mês de setembro marca o começo de um novo período.

“Agosto encerra um ciclo extremamente difícil da economia, mas a partir de setembro poderemos observar uma retomada com mais consistência, passo a passo, da economia brasileira”, disse.

Já o presidente do BC, Roberto Campos Neto, reforçou, nas suas últimas apresentações, que a atividade deve começar a ganhar tração ao longo do segundo semestre, mais provavelmente no último quarto do ano.

O ponto é que a avaliação consensual é de que há espaço para crescimento da atividade sem ameaça inflacionária, o que permite ao BC seguir cortando juros, além de manter a taxa em patamares baixos por longo período.

Uma melhor avaliação sobre extensão dos cortes, bem como por quanto tempo o juro pode ficar sem subir, deve vir na próxima semana, com o Copom abrindo suas projeções de inflação considerando um dólar que segue orbitando a linha dos R$ 4.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

mp 925

Câmara conclui votação de MP da Aviação e texto segue para Senado

A proposta traz ações emergenciais ao setor de aviação civil para mitigar os efeitos da crise gerada pela pandemia

mundo aéreo

Azul vende participação de 6% na TAP para governo português, por R$ 65 milhões

A companhia aérea Azul informou nesta quarta-feira, 8, que vendeu a participação indireta de 6% que detinha na aérea portuguesa TAP, para o governo de Portugal. O valor fechado foi de R$ 65 milhões

Um milhão em três meses

Em meio à pandemia, Banco Inter alcança 6 milhões de clientes da conta digital

No mês de abril, o banco havia informado que tinha alcançado 5 milhões de clientes. Na ocasião, também disse que só no primeiro trimestre o número de novas contas bateu recorde

seu dinheiro na sua noite

Quanto vale um triz? Hoje, 231 pontos

No seu livro de crônicas “Comédias para se ler na escola”, Luis Fernando Verissimo discorre sobre os possíveis significados e origens das expressões “tintim” e “triz” – seriam unidades de medida que caíram em desuso? Subdivisões do espaço e do tempo? – e sai com a ótima tirada de que ambos pertenceriam ao obscuro mundo […]

coronavírus no país

Covid-19: Brasil tem 67,9 mil mortes e 1 milhão de curados

País acumula 1,7 milhão de casos confirmados do novo coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements