2019-06-07T18:54:55-03:00
Estadão Conteúdo
Traçando metas

Equipe econômica quer reduzir renúncia fiscal em um terço até o fim do governo

Intenção é cortar o equivalente a 1,5% do PIB até o fim de 2022, ou cerca de R$ 102 bilhões em valores de hoje

3 de maio de 2019
14:00 - atualizado às 18:54
O ministro da Economia, Paulo Guedes
Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

A equipe econômica trabalha em um plano de corte de renúncias fiscais na tentativa de reduzir os subsídios em mais de um terço do montante atual no mandato do presidente Jair Bolsonaro.

A intenção é cortar o equivalente a 1,5% do PIB até o fim de 2022, ou cerca de R$ 102 bilhões em valores de hoje.

Essa é a primeira indicação de meta concreta de corte nos benefícios feita pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, embora a redução fosse uma bandeira desde a corrida eleitoral. Em 2018, o governo abriu mão de R$ 292,8 bilhões em receitas, ou 4,3% do PIB.

Fontes da área econômica evitam dar pistas sobre quais renúncias entrariam primeiro na mira do governo para não antecipar resistências que devem ser enfrentadas no Congresso Nacional, endereço sensível ao lobby de setores interessados nos benefícios.

A redução dos subsídios - que hoje representam 20,9% da arrecadação administrada da Receita Federal - não será tarefa fácil.

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, a um custo extra de pelo menos R$ 16 bilhões ao ano, estender benefícios a empresas que compram insumos da Zona Franca de Manaus.

A pressão de setores também ficou evidente quando o presidente desautorizou o secretário da Receita, Marcos Cintra, depois de ele ter afirmado que o dízimo pago nas igrejas, hoje isento, seria tributado na proposta de reforma do governo.

Corte anual

Para alcançar seu objetivo, o governo incluiu no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2020 um dispositivo que exige um plano de redução das renúncias em 0,5% do PIB ao ano até 2022.

O Ministério da Economia confirmou ao Broadcast/Estadão que a intenção é detalhar o corte em estudo com o projeto de Orçamento, que precisa ser enviado ao Congresso no fim de agosto.

O foco inicial seriam as reduções planejadas para 2020. A medida abre caminho para um ajuste nos chamados "gastos tributários" e vai na mesma direção da tesourada feita nos subsídios financeiros e creditícios bancados pelo governo em empréstimos concedidos pelo BNDES, créditos agrícolas e no Fies.

O Comitê de Monitoramento e Avaliação dos Subsídios da União (CMAS), formado no ano passado por Ministério da Economia, Casa Civil e CGU, é o órgão responsável por coordenar a avaliação das políticas públicas e ajudará a identificar onde as renúncias não geraram o retorno esperado.

Hoje a maior renúncia é com o Simples Nacional, regime simplificado para empresas com faturamento bruto até R$ 4,8 milhões anuais recolherem tributos.

Pensado para micro e pequenas empresas, o Simples acaba abarcando a maior parte das companhias brasileiras, à exceção das grandes, causando uma renúncia de R$ 74,8 bilhões.

Integrantes da equipe econômica já defenderam publicamente que a modalidade seja mais restrita.

*Com o jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ibovespa futuro sobe após IPCA-15 levemente acima do esperado; dólar abre com estabilidade a R$ 5,22

RESUMO DO DIA: O último pregão da semana é marcado pelo apetite de risco dos investidores, que passaram por dias de alta volatilidade nas bolsas. Sem maiores destaques para o dia no exterior, os índices sobem, digerindo as falas de representantes dos Bancos Centrais. Por aqui, o destaque do Ibovespa vai para a divulgação do […]

SEU DINHEIRO EXPLICA

Petrobras (PETR4) é culpada ou inocente? Qual o papel da estatal na disparada dos preços da gasolina e do diesel

Aumentou a chance da alta dos preços dos combustíveis cair na conta da Petrobras. Mas será que a estatal é mesmo culpada ou está sendo vítima de uma injustiça?

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro de mais de 7% em swing trade com a Via (VIIA3); confira a recomendação

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Via (VIIA3). Veja os detalhes da análise

O melhor do Seu Dinheiro

Pecado Capital e as decisões de empresas; confira a história do dia e outras notícias que mexem diretamente com os seus investimentos hoje

Dinheiro na mão é vendaval, dinheiro na mão é solução — e solidão. Entenda como as escolhas das companhias podem impactar seu bolso.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais avançam na busca por barganhas; Ibovespa aguarda IPCA-15 e debates sobre combustíveis hoje

O índice local ainda reage ao teto de 17% do ICMS sobre combustíveis, aprovado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, na noite de ontem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies