Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-05T10:40:42-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Direto do Fórum Econômico Mundial

Executivo-chefe do JPMorgan avalia que China tem desaceleração “sob controle” e espera aperto monetário do Fed em 2019

Jacob Frenkel concedeu uma entrevista exclusiva à Bloomberg TV e traçou um panorama geral dos principais pilares macroeconômicos do mundo

22 de janeiro de 2019
16:06 - atualizado às 10:40
jacob-frenkel
Mesmo diante de incertezas, Frenkel disse não ver risco de uma recessão global - Imagem: Reprodução/Bloomberg TV

Tudo sob controle! É o que disse Jacob Frenkel, executivo-chefe do JPMorgan, ao ser questionado sobre a recente desaceleração econômica que a China vem enfrentando. Em entrevista à Bloomberg TV em Davos, Frenkel afirmou que a potência asiática tem capacidade de estimular sua economia, sobretudo no lado fiscal. Ele avaliou também que as empresas locais possuem também certa flexibilidade para estimular o quadro econômico.

Apesar do otimismo, Frenkel afirmou que é preciso monitorar o quadro na China. Segundo ele, uma questão crucial neste momento são as divergências comerciais entre o país e os Estados Unidos. Para além do próprio comércio, as diferenças entre as duas maiores economias têm também um papel simbólico.

Trumpismo

Entre outros riscos citados pelo executivo-chefe do JPMorgan estão o que ele chamou de "trumpismo". Sem dar maiores explicações, Frenkel apontou para o comportamento do próprio presidente americano, Donald Trump, para os protestos recentes na França e para a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) como sinais desse fenômeno. Sobre o Brexit, ele disse que há um "crescente consenso" de que será ruim para o Reino Unido, mas o mundo deve ser menos afetado.

Fed subindo juros

Mesmo com todo o cenário de incertezas nos mercados internacionais, Frenkel disse não ver risco de uma recessão global. Para ele, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) deve ainda elevar os juros "uma ou duas vezes" neste ano, mas pode dar uma pausa, diante dos "ruídos de fora do mercado financeiro", como o quadro político e sobretudo o comercial, em meio às divergências entre China e EUA. Ainda assim, o executivo disse esperar um aperto monetário do Fed em 2019.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Virou o jogo

Arezzo (ARZZ3) pode subir 30% com compra da Reserva e novas aquisições

Os analistas do banco de investimentos estão mais confiantes no potencial de lucro da empresa e elevaram também o preço-alvo dos papéis

unicórnio latino

Plataforma de venda de carros usados Kavak se torna a segunda startup mais valiosa da América Latina

Empresa foi avaliada em US$ 8,7 bilhões, após nova rodada de aportes liderada pelo fundo de venture capital General Catalyst

Oportunidades

Ditadura, crise de 2008 e tragédia do governo Dilma: nada venceu a Bolsa no longo prazo; conheça 7 ações promissoras diante da queda do Ibovespa

É tolice cair no desespero de vender ações na baixa do Ibov, afinal, histórico da Bolsa mostra que nenhuma crise venceu a bolsa no longo prazo; dito isso, o Seu Dinheiro apresenta para você oportunidades que você deve ficar de olho

Estável, mas...

O que mexe com o preço do bitcoin (BTC) hoje: criptomoedas sentem cautela, mas China pode ajudar mercado após caso Evergrande; entenda

A decisão sobre retirada de estímulos da economia pode afetar as criptomoedas, mas o dinheiro pode vir da China, com o caso Evergrande

Destaques da bolsa

Siderúrgicas e mineradoras puxam alta da bolsa e sobem forte após disparada de 16% no minério de ferro; confira

Depois de cair 8% no início da semana, o minério de ferro disparou no porto de Qingdao, na China e mexeu com as ações do setor na bolsa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies