Menu
2019-04-05T10:40:42-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Direto do Fórum Econômico Mundial

Executivo-chefe do JPMorgan avalia que China tem desaceleração “sob controle” e espera aperto monetário do Fed em 2019

Jacob Frenkel concedeu uma entrevista exclusiva à Bloomberg TV e traçou um panorama geral dos principais pilares macroeconômicos do mundo

22 de janeiro de 2019
16:06 - atualizado às 10:40
jacob-frenkel
Mesmo diante de incertezas, Frenkel disse não ver risco de uma recessão global - Imagem: Reprodução/Bloomberg TV

Tudo sob controle! É o que disse Jacob Frenkel, executivo-chefe do JPMorgan, ao ser questionado sobre a recente desaceleração econômica que a China vem enfrentando. Em entrevista à Bloomberg TV em Davos, Frenkel afirmou que a potência asiática tem capacidade de estimular sua economia, sobretudo no lado fiscal. Ele avaliou também que as empresas locais possuem também certa flexibilidade para estimular o quadro econômico.

Apesar do otimismo, Frenkel afirmou que é preciso monitorar o quadro na China. Segundo ele, uma questão crucial neste momento são as divergências comerciais entre o país e os Estados Unidos. Para além do próprio comércio, as diferenças entre as duas maiores economias têm também um papel simbólico.

Trumpismo

Entre outros riscos citados pelo executivo-chefe do JPMorgan estão o que ele chamou de "trumpismo". Sem dar maiores explicações, Frenkel apontou para o comportamento do próprio presidente americano, Donald Trump, para os protestos recentes na França e para a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) como sinais desse fenômeno. Sobre o Brexit, ele disse que há um "crescente consenso" de que será ruim para o Reino Unido, mas o mundo deve ser menos afetado.

Fed subindo juros

Mesmo com todo o cenário de incertezas nos mercados internacionais, Frenkel disse não ver risco de uma recessão global. Para ele, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) deve ainda elevar os juros "uma ou duas vezes" neste ano, mas pode dar uma pausa, diante dos "ruídos de fora do mercado financeiro", como o quadro político e sobretudo o comercial, em meio às divergências entre China e EUA. Ainda assim, o executivo disse esperar um aperto monetário do Fed em 2019.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

pandemia

Covid-19: número de mortes sobe para 361,8 mil no Brasil

Nas últimas 24 horas, foram registradas mais 3.459 mortes no país

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies