Menu
2019-11-18T22:17:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Não vai ter Disney

Dólar a R$ 4,20 surpreende, mas nem tanto. Olho no BC

Mercado aguarda algum aceno do Banco Central (BC), que pode vir pela mesa de operações ou na fala de Roberto Campos Neto, que participa de audiência no Senado

19 de novembro de 2019
5:07 - atualizado às 22:17
dólar caro forte alto
Imagem: Shutterstock

Discutimos ao longo de toda a semana passada o fato de o cenário estar assimétrico no mercado de câmbio, com os vetores mais favoráveis aos comprados, que ganham com alta do dólar, que aos vendidos. Mas nada como o impacto psicológico e midiático de anunciar que o dólar fechou acima de R$ 4,20 pela primeira vez na história, mesmo que a máxima seja nominal.

Não temos grandes novidades no cenário, mas o rompimento dessa linha deve ampliar a ansiedade do mercado com relação à postura do Banco Central (BC). Algum aceno pode vir na manhã desta terça-feira, seja via mesa de operações ou pela fala do presidente Roberto Campos Neto, que comparece à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

Será que teremos atuação no câmbio além das ordinárias, como vimos em agosto? Aliás, foi pouco depois de discuso na mesma CAE que o BC vendeu dólares das reservas pela primeira vez desde 2009, com cotação a R$ 4,19 na máxima do dia 27 de agosto.

Antes de seguir adiante, repito aqui o conselho prático já dado por aqui outras vezes: "Seja qual for o comportamento futuro do câmbio, é prudente você sempre manter uma exposição em dólar na sua carteira. Nós inclusive já escrevemos uma reportagem para ajudar você nessa tarefa."

Falta moeda

Como já dissemos, a liquidez em dólar no mercado local está escassa e não é de hoje. Entre os vetores que reduzem a oferta de moeda por aqui temos, mais recentemente, a frustração com os leilões do pré-sal e as tensões políticas no Chile e na Bolívia.

Além disso, temos a sazonalidade de fim de ano, com empresas e fundos fechando balanços e ampliando a demanda por remessas. Algo que pode ampliar ainda mais o buraco no fluxo cambial, que caminha para ser o maior da história, com mais de US$ 20 bilhões deixando o país.

No lado mais estrutural, temos discutido o fim dos fluxos de curto prazo, notadamente, para operações de arbitragem de taxa de juros (carry-trade), reflexo da queda de diferencial da Selic com os juros globais.

Também já conversamos sobre a atuação das empresas no mercado de dívida, com claro movimento de troca de endividamento externo por doméstico, algo que elevou a demanda por moeda americana ao longo de todo o ano.

Dólar x Selic

Dólar acima de R$ 4,20 também deve fomentar as discussões sobre impacto na inflação e, consequentemente, no espaço para o Comitê de Política Monetária (Copom) seguir cortando a Selic.

O BC já acenou que haveria espaço para novo corte de meio ponto em dezembro, levando o juro básico a 4,5% ao ano, mas que ir além disso exigiria cautela.

Na última pesquisa com gestores de América Latina do Bank of America, a maioria dos consultados avalia que dólar acima de R$ 4,2 poderia impedir uma Selic abaixo de 4,5% ao ano.

Na última vez que falou sobre o assunto, Campos Neto, destacou que a alta do dólar acontece em um ambiente de inflação controlada, expectativas nas metas e juros em queda. Algo praticamente inédito na história do país. Segundo o presidente, o que importa para o BC é o impacto que o câmbio pode vir a ter sobre a inflação e as expectativas.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

retomada

Exportações na zona do euro sobem 7,9% em maio; importações avançam 3,2%

Avanços vieram após tanto as exportações quanto as importações do bloco sofrerem quedas históricas em abril ante março, com o impacto da pandemia

resposta aos investidores

Decreto proíbe queima controlada na Amazônia e no Pantanal por 120 dias

Trata-se da chamada “moratória do fogo”, que já havia sido anunciada pelo vice-presidente e pelo ministro do Meio Ambiente como uma das respostas à pressão de empresas e investidores por providências para frear o avanço do desmatamento

retomada

Após tombo histórico, PIB da China cresce 3,2% no 2º trimestre

Resultado veio melhor do que a mediana das projeções coletadas pelo jornal The Wall Street Journal junto a economistas, de alta de 2,6%

dispositivo barrado

Bolsonaro abre crise ao vetar trecho do saneamento

Trecho garantia a renovação dos contratos das empresas estaduais do setor por mais 30 anos e foi crucial para vencer resistências no Congresso

dinheiro no caixa

JHSF levanta R$ 433 milhões em nova oferta de ações

Dinheiro deve ser usado para reforço da estrutura de capital, expansão da estratégia digital e expansão dos segmentos de incorporação e de renda recorrente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements