Menu
2019-10-11T13:33:42+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
fala bc

Presidente do Banco Central explica a alta do dólar 

Em evento, Roberto Campos Neto destaca que depreciação cambial aconteceu com queda de risco e de juros longos

11 de outubro de 2019
13:32 - atualizado às 13:33
20/08/2019 Cerimônia de Lançamento do IPCA para Crédito Imobi
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. - Imagem: Alan Santos/PR

A desvalorização do real não gerou inflação e não preocupou o Banco Central (BC). O que temos de diferente?

A pergunta foi feita pelo gestor do fundo Alaska, Henrique Bredda, ao presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, saindo um pouco do tema do painel de discussão sobre democratização do sistema financeiro no Fórum de Investimentos Brasil, organizado pela Apex.

Depois de reafirmar que o câmbio é flutuante e que o BC atua para suprir falta de liquidez no mercado, Campos Neto disse que o BC sempre entendeu, “desde o começo”, que teríamos uma fase na qual a curva longa de juros cairia bastante.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Campos Neto lembrou que o movimento de juros que tivemos no governo Michel Temer ficou muito concentrado nas curvas curtas, com o juro longo se sustentando acima de 11%.

Mais recentemente, explicou, estamos vendo essa queda do juro longo, que capta aumento da credibilidade, um governo que leva a situação fiscal a sério e um movimento mundial de redução de juros.

“Juro baixo com curva longa baixa gerou um fenômeno que não tinha no Brasil. As empresas passaram a olhar o custo e passou a valer a pena pré-pagar dívida externa e emitir no mercado local”, explicou.

Para fazer essa operação, a empresa compra dólares no mercado à vista, faz o pagamento da dívida que tinha no mercado externo e depois capta em reais. A Petrobras "fez um pedaço grande", disse Campos Neto, mas outras empresas e setores também.

Esse movimento, explicou Campos Neto, gerou demanda grande no mercado à vista. O que explica a desvalorização persistente do real. No entanto, movimentos de valorização do dólar sempre vieram acompanhados de piora no sentimento de risco, levando a um aumento na demanda por hedge (proteção) cambial.

Desta vez, lembra o presidente do BC, aconteceu o contrário. O câmbio depreciou com as medidas de risco, como os CDS, caindo, e com o juro de longo prazo também caindo.

Esse cenário levou o BC a fazer operações diferentes no mercado de câmbio. Sabendo que a demanda estava no mercado à vista e não no futuro (swap), passou a atuar onde estava a demanda, vendendo dólar à vista e reduzindo o estoque de swaps.

Antes de encerrar a explicação, Campos Neto ressaltou que não existe meta para a taxa de câmbio.

Motor privado

Ao longo de sua fala, Campos Neto também destacou o lema do BC: queremos nos reinventar com dinheiro privado.

“É uma metamorfose. Os surtos de crescimento que tivemos foram sempre com dinheiro público. Queremos crescer com dinheiro privado. Papel do BC é fomentar o mercado e gerar alocação mais eficiente de recursos”, disse.

Quando o tema era investimento em infraestrutura, Campos Neto pediu a palavra para falar que temos de entender que estamos saindo de um ciclo vicioso.

O crescimento da economia era impulsionado com dinheiro público (caro e pouco eficiente). Mais gasto, maior o custo da dívida e mais caro o juro longo. Diante disso, a avaliação era de que era impossível financiar infraestrutura no Brasil. Então tudo teria de ser feito sempre com dinheiro público.

Assim, explicou, tínhamos o juro subsidiado alimento o juro alto de forma generalizada. Agora, isso começou a ser desmontado com o trabalho da política fiscal.

“A nossa reinvenção é com dinheiro privado. Não dá para tirar todos subsídios e incentivos de uma vez, mas as coisas vão se equilibrando. É um processo que está em curso”, disse.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Débito e crédito

Luiz Frias: o empresário da mídia que virou bilionário com as maquininhas

Conheça o herdeiro da Folha de S.Paulo e entusiasta da internet que revolucionou mercado de meios de pagamentos no Brasil com a PagSeguro

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Um novo modelo para o concurso público

Durante um bom tempo, se você digitasse “Banco do Brasil” no Google, a primeira palavra sugerida para a busca seria “concurso”. Ainda hoje o termo aparece bem à frente nas pesquisas do site do que “investimentos”, por exemplo. A estabilidade de uma carreira no serviço público continua sendo a aspiração de muita gente, ainda mais […]

Governança corporativa

Após vender Via Varejo, GPA dá novo passo para migrar ações ao Novo Mercado da B3

Pão de Açúcar publicou o primeiro aviso da oferta pública de aquisição (OPA) da Almacenes Éxito, que possui ações listadas na Colômbia, dentro da reestruturação das operações do grupo francês Casino na América Latina

Maquininhas de cartão

Luz verde! UBS inicia cobertura de ações da Stone com recomendação de compra

O preço-alvo para as ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, foi definido em US$ 42, o que representa um potencial de alta da ordem de 23%

Briga política

Bolsonaro quer processar deputado que o chamou de ‘vagabundo’

Em áudio vazado de uma reunião interna da legenda, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, também disse que vai “implodir” o presidente Jair Bolsonaro

Smartphone

Com iPhone 11 mais barato, Apple volta a atrair fila de lançamento

Preços do iPhone 11 ainda são salgados e variam entre R$ 5 mil e R$ 9,6 mil, mas estão um pouco abaixo de 2018, quando a Apple lançou o modelo XR por pelo menos R$ 5,2 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements