Menu
2019-08-01T09:10:04-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Com Selic menor, quem pode subir é o dólar

Com Banco Central acenando mais cortes e Fed reticente em reduzir taxas por lá, operações de arbitragem perderão ainda mais atratividade

31 de julho de 2019
20:01 - atualizado às 9:10
dólar cotação
Imagem: Shutterstock

O Comitê de Política Monetária (Copom) cortou a Selic em meio ponto percentual, de 6,5% para 6% ao ano, e disse que tem espaço para mais. O movimento e o discurso serão comemorados na bolsa e no mercado de juros. Mas e o dólar? Tudo indica que a chance é de alta.

Falo “tudo indica”, pois prever mercado de câmbio é quase certeza de humilhação. Mas temos falado que estamos em um momento de mudança estrutural no mercado cambial brasileiro, reflexo da própria queda do diferencial entre o juro doméstico e externo.

E esse diferencial se estreitou mais, depois que o Federal Reserve (Fed), banco central americano, fez um corte de 0,25 ponto no seu juro, para 2% a 2,25%. Mais importante que isso, o presidente Jerome Powell, falou que não deve embarcar em um ciclo prolongado de ajuste. Em resumo, o juro brasileiro tende a cair mais e mais rápido que o americano.

Quanto menor o diferencial de juros, menor o apelo das operações de carry trade, na qual o investidor capta dinheiro “barato” lá fora, entra com ele no Brasil e ganha o diferencial de juros. Isso já foi “moda” nos períodos em que tínhamos juros acima de 14%, enquanto o custo do dinheiro no mundo rondava zero.

Essa queda de diferencial ocorre num momento que outros vetores também elevam a demanda de dólar por aqui, como a troca de dívidas externas por locais.

Os números de fluxo cambial mostram essa demanda por moeda americana. No ano até 26 de julho, a saída é de US$ 4,756 bilhões, contra ingresso de US$ 26,976 bilhões em igual período do ano passado.

O que vai ditar se teremos dificuldades nessa área do mercado é o cupom cambial (juro em dólar no mercado local). Quando o cupom sobre ou “abre” é sinal de maior demanda por dólares à vista.

Quando o diferencial de juros era elevado, os bancos traziam dólares de fora, atendiam à demanda e ganhavam com arbitragem. Agora, essas operações rarearam e o próprio BC tem atuado mais no mercado à vista com operações de linha. (Discutimos mais detidamente essa falta de arbitradores e todo funcionamento do mercado neste texto aqui).

O que pode equilibrar os impactos dessa queda no diferencial de juro é o efeito expectativa. Algo como o mercado antecipando eventual retomada mais firme do crescimento via juros menores ou mesmo o início de um esperado fluxo de investimentos no país.

Os próximos pregões e uma eventual atuação do BC nos darão a resposta. Aliás, no limite, se a demanda por dólar à vista continuar elevada, o BC pode mesmo vender reservas internacionais em movimento de troca de instrumentos de intervenção levando em conta custos e benefícios.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

retomada

Financiamentos imobiliários somam recorde histórico de R$ 12,9 bilhões

Volume financiado é recorde, em termos nominais, na série histórica iniciada em julho de 1994, segundo a Abecip

cardápio de balanços

Cielo, Localiza e Smiles: os balanços que mexem com o mercado nesta quarta

Empresas estão entre as que mais recentemente divulgaram os números do terceiro trimestre, período com resultados ainda marcados pela pandemia

seu dinheiro na sua noite

A peleja da bolsa com a crise fiscal

Com tanto dinheiro girando no mundo, quem tem pede muito quem não tem pede mais. Os versos de Zé Ramalho não poderiam resumir melhor a encruzilhada na qual vive o mundo econômico em meio à crise do coronavírus. Quem tem pede muito. Nos Estados Unidos, a falta de um acordo para a aprovação de um […]

Guidance

Trisul projeta entre R$ 2,8 bilhões e R$ 3,2 bilhões em lançamentos em 2020 e 2021

Incorporadora divulgou guidance para biênio de 2020-2021; segundo prévias, meta de lançamentos para este ano já foi batida

sessão tensa

Ibovespa afunda com bancos, exterior e fim de trégua política e perde 100 mil; dólar dispara

Declaração do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de que base do governo é que obstrui andamento de reformas pesa no sentimento do investidor. Juros sobem na véspera do Copom

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies