🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
VAI TER DISNEY?

Dólar acumula desvalorização de 12,59% frente ao real no ano — veja o que mexe com o mercado de câmbio

A moeda norte-americana teve o pior desempenho semanal em quase dois meses, quando levou um tombo de mais de 5%

Carolina Gama
21 de maio de 2022
10:05 - atualizado às 10:19
Dólar em foco
Imagem: Shutterstock

A pandemia de covid-19 não é mais um empecilho para as viagens para a Disney — pelo menos até agora. Mas o dólar, que andou acima de R$ 5,00, colocou um ponto de interrogação nos planos de muita gente que pretende visitar o Mickey.

Uma forcinha vinda da China nesta semana, no entanto, pode ajudar na retomada daquela planilha de gastos no exterior. 

Na semana, o dólar teve uma desvalorização de 3,63% — o pior desempenho para o período desde o tombo de mais de 5% visto na semana de 25 de março.

Na ocasião, o recuo foi provocado por declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reforçando a previsão do fim do ciclo de alta da taxa de juros, a Selic, em maio.

No ano, a moeda norte-americana acumula queda de 12,59%. Mas no mês, a alta é de 5,49%. 

Como foi a semana para o dólar

O dólar começou a semana com um recuo de 0,12% na última segunda-feira (16), dessa vez impactado pelas falas do diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra.

Ele não descartou novas altas de juros após a reunião de junho, incentivando apostas em um fim de ciclo mais elevado para a Selic, o que atrairia investimentos para o Brasil.

Em 4 de maio, última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a taxa de juros subiu pela décima vez consecutiva, a 12,75%.

Na terça-feira (17), os dados econômicos mais fracos da China foram os principais responsáveis pela baixa de 2,15% do dólar — a maior queda percentual diária desde 24 de julho de 2021.

No dia seguinte, a moeda norte-americana iniciou os negócios no menor patamar intradiário desde 4 de maio, a R$ 4,920. Mas acabou ganhando fôlego e acelerou a R$ 5,001, uma valorização de 1,18%.

Já na quinta-feira (19), o dólar voltou a recuar, acompanhando um movimento internacional. 

Após chegar a R$ 4,88 na mínima do dia, a moeda norte-americana à vista encerrou em queda de 1,24%, a R$ 4,919 — o menor patamar para um fechamento desde o dia 4 deste mês. 

Na sexta-feira (21), o dólar voltou a terminar o dia em queda, de 0,87%, cotado a R$ 4,871, embalado pelo corte na taxa de juros de referência para hipotecas maior que o previsto na China — um esforço para estimular a economia do país.

A China, um caso à parte

Além da batalha que o banco central brasileiro vem travando para colocar a inflação nos eixos via aumento da Selic, outro elemento é central para o comportamento do dólar neste momento: a China. 

Os investidores iniciaram a semana pessimistas sobre a maior economia do mundo depois que dados fracos da economia chinesa reforçaram temores de uma recessão econômica global. 

A atividade varejista e industrial da China caiu bruscamente em abril — muito por conta das medidas severas de bloqueio contra a covid-19, que confinaram trabalhadores e consumidores em casa e afetou as cadeias de abastecimento.

Se os investidores começaram a semana com a testa franzida para a China, eles encerraram a sexta-feira (20) mais aliviados. O gigante asiático cortou a taxa de referência para hipotecas por uma margem inesperadamente ampla. 

Em uma fixação mensal, a China reduziu a taxa primária de empréstimo (LPR) de cinco anos em 15 pontos base, para 4,45% — a maior redução desde que a país renovou o mecanismo de taxas de juros em 2019 e mais do que os cinco ou 10 pontos apontados pela maioria em uma pesquisa da Reuters.

Compartilhe

BRIGA PELO TRONO GRELHADO

Acionistas da Zamp (BKBR3) recusam-se a ceder a coroa do Burger King ao Mubadala; veja quem rejeitou a nova oferta

21 de setembro de 2022 - 8:01

Detentores de 22,5% do capital da Zamp (BKBR3) já rechaçaram a nova investida do Mubadala, fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana segue sendo o elefante na sala e Ibovespa cai abaixo dos 110 mil pontos; dólar vai a R$ 5,23

15 de setembro de 2022 - 19:12

O Ibovespa acompanhou o mau humor das bolsas internacionais e segue no aguardo dos próximos passos do Fed

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Cautela prevalece e bolsas internacionais acompanham bateria de dados dos EUA hoje; Ibovespa aguarda prévia do PIB

15 de setembro de 2022 - 7:42

As bolsas no exterior tentam emplacar alta, mas os ganhos são limitados pela cautela internacional

FECHAMENTO DO DIA

Wall Street se recupera, mas Ibovespa cai com varejo fraco; dólar vai a R$ 5,17

14 de setembro de 2022 - 18:34

O Ibovespa não conseguiu acompanhar a recuperação das bolsas americanas. Isso porque dados do varejo e um desempenho negativo do setor de mineração e siderurgia pesaram sobre o índice.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Depois de dia ‘sangrento’, bolsas internacionais ampliam quedas e NY busca reverter prejuízo; Ibovespa acompanha dados do varejo

14 de setembro de 2022 - 7:44

Os futuros de Nova York são os únicos que tentam emplacar o tom positivo após registrarem quedas de até 5% no pregão de ontem

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana derruba Wall Street e Ibovespa cai mais de 2%; dólar vai a R$ 5,18 com pressão sobre o Fed

13 de setembro de 2022 - 19:01

Com o Nasdaq em queda de 5% e demais índices em Wall Street repercutindo negativamente dados de inflação, o Ibovespa não conseguiu sustentar o apetite por risco

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais sobem em dia de inflação dos EUA; Ibovespa deve acompanhar cenário internacional e eleições

13 de setembro de 2022 - 7:37

Com o CPI dos EUA como o grande driver do dia, a direção das bolsas após a divulgação dos dados deve se manter até o encerramento do pregão

DANÇA DAS CADEIRAS

CCR (CCRO3) já tem novos conselheiros e Roberto Setubal está entre eles — conheça a nova configuração da empresa

12 de setembro de 2022 - 19:45

Além do novo conselho de administração, a Andrade Gutierrez informou a conclusão da venda da fatia de 14,86% do capital da CCR para a Itaúsa e a Votorantim

FECHAMENTO DO DIA

Expectativa por inflação mais branda nos Estados Unidos leva Ibovespa aos 113.406 pontos; dólar cai a R$ 5,09

12 de setembro de 2022 - 18:04

O Ibovespa acompanhou a tendência internacional, mas depois de sustentar alta de mais de 1% ao longo de toda a sessão, o índice encerrou a sessão em alta

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar