Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-02T15:50:27-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
MERCADOS NO FERIADO

Bolsas americanas sobem e Wall Street renova recordes, mas ativos brasileiros em NY recuam

Os mercados de Nova York dão continuidade ao movimento de ontem e continuam avançando, aproveitando a agenda econômica esvaziada antes da decisão do Fed; o EWZ e os ADRs de empresas brasileiras vão na contramão

2 de novembro de 2021
8:36 - atualizado às 15:50
ibovespa grafico bolsa dólar hoje
Imagem: Shutterstock

Os mercados brasileiros ficarão fechados nesta terça-feira (2) por causa do feriado de Finados. Lá fora, no entanto, temos um dia normal — e de novos recordes em Wall Street. As bolsas americanas operam em alta e dão continuidade ao movimento positivo visto ontem, atingindo novas máximas; esse otimismo, no entanto, não se estende aos ativos brasileiros negociados por lá.

Por volta de 15h45 (horário de Brasília), o Dow Jones subia 0,45%, aos 36.076 pontos — ontem foi a primeira vez na história que o índice superou o nível dos 36 mil pontos. O S&P 500, com ganhos de 0,38%, e o Nasdaq, em alta de 0,16%, também têm um dia tranquilo e se sustentam no azul desde a manhã.

Em linhas gerais, os dois primeiros dias da semana foram marcados por uma ausência de dados econômicos de maior peso no mundo; em paralelo, há a expectativa de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) inicie a retirada de estímulos da economia americana na reunião de amanhã. É um cenário que, se concretizado, tende a atrair recursos internacionais para o país, dada a perspectiva de aumento de juros no médio prazo.

Sendo assim, os investidores aproveitam o clima ameno para aumentar as posições em bolsa; mas, a partir de amanhã, com a decisão do Fed e a coletiva de imprensa de Jerome Powell, presidente do BC americano, é esperado um aumento na volatilidade na bolsa. O payroll de outubro, a ser divulgado na sexta (5), é outro evento que pode trazer instabilidade às negociações.

Dito isso, nem tudo em Wall Street está no campo positivo: os ativos brasileiros negociados em Nova York operam em queda firme, o que tende a provocar ajustes de baixa na B3 na próxima quarta-feira, quando o pregão volta a abrir por aqui — ontem, o Ibovespa fechou em alta de 2%.

Nesse cenário, o EWZ, principal fundo de índice (ETF) de ações brasileiras negociado em Wall Street, recuava 2,18% em Nova York, a US$ 29,14; as tensões antes da votação da PEC dos Precatórios e as constantes sinalizações por parte do governo quanto a uma possível intervenção na política da Petrobras são fatores de risco que rondam os ativos domésticos.

Veja também como estão se comportando alguns dos recibos de ações (ADRs) de empresas nacionais em Wall Street nesta terça-feira:

  • Petrobras (PBR): -1,86%
  • Vale (VALE): -5,08%
  • Itaú Unibanco (ITUB): -1,54%
  • Bradesco (BBD): -2,07%
  • Ambev (ABEV): -2,00%
  • Gerdau (GGB): -1,82%
  • CSN (SID): -3,41%
  • Embraer (ERJ): -1,45%
  • Eletrobras (EBR): -2,16%

Europa e Ásia

Na Europa, as bolsas assumiram um tom misto nesta terça: os mercados da Alemanha e da França, os principais do continente, fecharam em alta; já os índices do Reino Unido, Espanha e Itália terminaram no vermelho. Como resultado, o Stoxx 600, índice pan-europeu de ações, encerrou em leve alta de 0,11% — veja como ficaram as principais praças:

  • Alemanha (DAX): +0,94%
  • Reino Unido (FTSE 1000): -0,19%
  • França (CAC 40): +0,49%
  • Espanha (IBEX): -0,84%
  • Itália (FTSE MIB): -0,06%

A sessão foi ligeiramente negativa na Ásia, com muitas das praças devolvendo parte dos ganhos vistos na segunda feira — caso do Japão, cuja bolsa fechou em queda de 0,43%, e de Hong Kong, com baixa de 0,22%. Na China, a bolsa de Xangai cravou o segundo dia de perdas e recuou 1,13%; por lá, dados de atividade econômica mais fracos que o esperado têm minado a confiança dos investidores.

Commodities e câmbio

Os contratos de petróleo operam em baixa nesta terça-feira: o barril do Brent para janeiro recua 0,27%, a US$ 84,48, enquanto o WTI para dezembro cai 0,56%, a US$ 83,58. Os contratos do minério de ferro com vencimento em dezembro na Nymex tiveram queda de 2,59% e acumulam baixa de mais de 5% na semana — o que ajuda a explicar o mau desempenho dos ADRs da Vale e das siderúrgicas.

No câmbio, o DXY — índice que mede o desempenho do dólar em relação a uma cesta com outras divisas fortes — avança 0,21% e indica um leve fortalecimento da moeda americana antes da reunião do Fed; é esperado que o BC americano dê início ao processo gradual de retirada de estímulos da economia.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fechamento Hoje

Tensão entre Rússia e Ucrânia e expectativa com reunião do Fed derrubam bolsas pelo mundo, e Ibovespa cai quase 1%, mas NY vira para o azul na reta final

Wall Street consegue uma virada impressionante e fechar em alta, depois de índices terem chegado a cair mais de 3%; Ibovespa reduziu perdas, mas ainda fechou com queda significativa, enquanto dólar subiu

NOVOS NEGÓCIOS

Google está de olho nas criptomoedas e vai criar unidade de negócio dedicada ao blockchain; entenda o que está por trás da decisão

Antes de se aventurar, gigante de tecnologia assistiu com cautela as movimentações das concorrentes para entrar no mercado de criptomoedas

MELHORA ARTIFICIAL

Pedidos de recuperação judicial caem em 2021 ao menor nível desde 2014

Para os especialistas os números do ano passado não representam uma recuperação econômica, mas uma melhora artificial no ambiente de negócios promovida por políticas públicas pontuais

APOSTA NA SIDERURGIA

A vez da Usiminas: BTG estima alta de mais de 55% para USIM5 nos próximos meses; saiba o que pode impulsionar as ações

Segundo os analistas, a empresa negocia nos múltiplos mais baixos da década e deve surfar na recuperação dos preços do aço

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies