🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2022-09-06T12:47:12-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
LONDON LONDON

A libra é o ‘novo euro’? Banco alerta para crise da moeda britânica no governo de Liz Truss

Hoje, o euro ficou mais barato que o dólar norte-americano novamente, sendo negociado na faixa de US$ 0,98

5 de setembro de 2022
16:57 - atualizado às 12:47
reino unido libra
Imagem: Shutterstock

Quem pensa em viajar para o Reino Unido, atenção: o Deutsche Bank passou a prever uma “crise da libra” com o novo governo de Liz Truss, com potencial para golpear a forte moeda da rainha. 

Truss venceu nesta segunda-feira (05) a corrida para suceder Boris Johnson como líder do Partido Conservador — que já está no poder —, tornando-se a primeira-ministra britânica. 

Em uma reação imediata, a libra subiu em relação ao dólar, sendo negociada pouco abaixo de US$ 1,15. Mas o estrategista de câmbio do Deutsche Bank, Shreyas Gopal, alertou que os riscos de uma "crise da libra" não devem ser subestimados.

Segundo o banco alemão, os anúncios de políticas de governo nas próximas semanas serão cruciais para que o Reino Unido evite eventos macroeconômicos extremos, particularmente uma crise no balanço de pagamentos. Confira os planos de Truss para tirar o Reino Unido da crise.

Depois do euro, a inflação pode ser vilã da libra 

Em agosto, o euro ficou mais barato que o dólar pela primeira vez em mais de duas décadas, chegando a ser negociado na faixa de US$ 0,99. Hoje, essa mínima foi renovada a US$ 0,98.

Uma série de fatores pesaram contra o euro para que isso acontecesse. Além da guerra entre Rússia e Ucrânia, há também a inflação que avança pela Europa e alimenta os temores de recessão econômica. 

E, como se não bastasse, o Velho Continente está no meio de uma crise energética.

Como coincidência pouca é bobagem, esse é exatamente o cenário no qual o Reino Unido está mergulhado nesse momento. Além de ter que lidar com o conflito no leste europeu, os britânicos também travam uma batalha contra a disparada de preços, especialmente da energia. 

“Com o déficit em conta corrente já em níveis recordes, a libra exige grandes entradas de capital apoiadas na melhora da confiança dos investidores e na queda das expectativas de inflação. No entanto, o oposto está acontecendo”, disse o Deutsche Bank, em relatório. 

O banco alemão lembra que o Reino Unido enfrenta uma perspectiva de crescimento enfraquecida e sofre com a taxa de inflação mais alta do Grupo dos 10 (G-10) — que apesar do nome é formado por 13 países: Alemanha, Bélgica, Canadá, EUA, França, Itália, Japão, Holanda, Reino Unido, Suécia, Suíça, Espanha e Austrália.

Quem é o culpado de tudo isso?

Truss colocou o Banco da Inglaterra (BoE) e seu presidente, Andrew Bailey, na mira de sua campanha ao governo, culpando o banco central britânico por permitir que a inflação disparasse rumo às máximas em 40 anos. Ela está considerando uma revisão do mandato do BoE.

“Uma expansão fiscal grande, não financiada e não direcionada, acompanhada de possíveis mudanças no mandato do Banco da Inglaterra, poderia levar a um aumento ainda maior nas expectativas de inflação e — no extremo — ao surgimento do domínio fiscal”, diz o Deutsche Bank. 

Dá pra saber o quanto a libra vai cair?

O Deutsche Bank estima que a libra ponderada — uma medida do valor da libra em relação às moedas selecionadas mais importantes para o comércio internacional — teria que cair mais 15% para retornar o déficit do Reino Unido à sua média de dez anos.

Uma crise de financiamento do balanço de pagamentos pode parecer extrema agora, mas não é sem precedentes: uma combinação de gastos fiscais agressivos, choque energético e uma queda na libra resultou no Reino Unido sendo forçado a recorrer a um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI) em meados da década de 1970.

“Hoje, o Reino Unido mantém algumas linhas-chave de defesa, mas nos preocupamos que os riscos estejam aumentando”, diz o Deutsche Bank. 

*Com informações da CNBC

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

CAÇADOR DE TEDÊNCIAS

Day trade na B3: Oportunidade de lucro de mais de 7% com ações da Yduqs (YDUQ3); confira a recomendação

27 de setembro de 2022 - 8:16

Identifiquei uma oportunidade de swing trade baseada na análise quant – compra dos papéis da Yduqs (YDUQ3). Saiba os detalhes

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O saldão da B3: Os planos da Dimensa, pechinchas na bolsa, mercado de lítio e outras notícias que mexem com os seus investimentos hoje

27 de setembro de 2022 - 8:14

Ainda nas comemorações pelos 4 anos do Seu Dinheiro, a Ana Carolina Neira entrevistou o CEO da Dimensa, enquanto o colunista Matheus Spiess trouxe uma de suas principais teses de investimento para os próximos quatro anos.

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Joaquim Barbosa, relator do mensalão, grava vídeo em apoio a Lula

27 de setembro de 2022 - 7:35

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

DE OLHO NA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais tentam emplacar alta com busca por pechinchas; Ibovespa acompanha ata do Copom hoje

27 de setembro de 2022 - 7:34

A prévia da inflação brasileira será divulgada na terça-feira e o IPCA-15 deve registrar deflação mais uma vez

União que deu resultados

Com fome de aquisições e dois sócios grandes por trás, Dimensa acirra a disputa pelo mercado de software financeiro e mira IPO

27 de setembro de 2022 - 7:00

A Dimensa é fruto de uma joint venture entre a Totvs (TOTS3), maior companhia de sistemas de gestão do país, com a B3 (B3SA3), a dona da bolsa de valores brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies