Menu
2019-04-24T17:56:24-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Cartões

Cielo terá pagamento instantâneo e vai devolver valor pago pelos lojistas em maquininhas

Reação ao movimento dos concorrentes foi anunciada pelo presidente da Cielo, Paulo Caffarelli, em uma entrevista coletiva na manhã de hoje para comentar o balanço do primeiro trimestre

24 de abril de 2019
10:22 - atualizado às 17:56
Paulo Caffarelli
Paulo Caffarelli, presidente da Cielo - Imagem: Sérgio Neves/Estadão Conteúdo

Como era amplamente esperado, a Cielo decidiu marcar posição na nova fase da guerra das maquininhas de cartão. A líder no mercado reagiu aos anúncios recentes da concorrência com duas medidas.

A empresa vai oferecer pagamentos instantâneos das vendas realizadas realizadas no débito e no crédito e vai devolver o valor pago na compra das maquininhas aos lojistas que venderem pelo menos R$ 1,6 mil no crédito ou R$ 4 mil no débito por três meses.

"Nós somos a primeira companhia que está dando a maquininha, sem asteriscos", afirmou o presidente da Cielo, Paulo Caffarelli.

O pagamento instantâneo das vendas terá início na segunda quinzena de maio para os lojistas que têm conta digital da Cielo. Mas também poderá ser creditado na conta dos bancos que aderirem ao sistema da empresa, que é controlada pelo Banco do Brasil e Bradesco.

O anúncio segue o movimento da PagSeguro, que também creditará imediatamente na conta dos lojistas as vendas realizadas pela maquininha da empresa. As taxas da Cielo, inclusive, serão as mesmas do concorrente: 1,99% no débito e 4,99% no crédito.

Sobre o novo capítulo da guerra de preços deflagrada com a decisão da Rede, do Itaú Unibanco, de zerar as taxas na antecipação de recebíveis das vendas no cartão de crédito, Caffarelli disse que não comentaria movimentos da concorrência. Mas enfatizou que a empresa não mira uma linha específica de cobrança, e sim o custo total para o cliente.

Eu perguntei, então, se o custo total da Cielo hoje é menor que o da concorrência. Ao que Caffarelli respondeu: "Estamos extremamente competitivos como nunca estivemos."

Queda no lucro

O presidente da Cielo anunciou a reação ao movimento dos concorrentes em uma entrevista coletiva na manhã de hoje para comentar o balanço do primeiro trimestre. O resultado da empresa caiu 40% e ficou abaixo das estimativas do mercado.

Se mantiver o mesmo ritmo nos trimestres seguintes, a empresa não conseguirá cumprir a meta de lucro líquido para este ano, que varia entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões.

Questionado sobre o assunto, Caffarelli disse que é cedo para dizer se a projeção de lucro será ou não cumprida, mas afirmou que o cumprimento da meta vai depender do comportamento do mercado.

"A Cielo não abrirá mão da sua liderança", afirmou aos jornalistas.

Caffarelli afirmou que a estratégia já está mostrando resultados e destacou que a empresa registrou o primeiro aumento na base de clientes desde 2016.

Sobre a concorrência, ele reiteirou que quem vai vencer o jogo são as empresas que estiverem preparadas para o médio e longo prazo. Mas deixou claro: "A Cielo de R$ 4 bilhões [de lucro] não existe mais."

A reação inicial do mercado aos resultados e ao anúncio de hoje até que foi positiva. Mas as ações da empresa viraram ainda pela manhã e fecharam em queda expressiva de 4,43%. Confira a nossa cobertura completa de mercados.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies