Menu
2019-04-22T15:05:20+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Maquininhas de cartão

Ações da Cielo e Stone desabam com decisão da Rede de zerar taxa para antecipar recebíveis

Com queda de hoje, papéis da Cielo anulam ganho que tinham no ano na B3, enquanto a Stone perde 20% do valor de mercado na Nasdaq. Quem também sente o baque é a PagSeguro, que tem ações listadas na Nyse

18 de abril de 2019
11:20 - atualizado às 15:05
Maquininhas de cartão em guerra
Maquininhas de cartão de Stone, Rede, Cielo e PagSeguro - Imagem: Montagem Andrei Morais/Seu Dinheiro

O mais novo round da batalha das maquininhas de cartão acertou em cheio a Cielo e a Stone. As ações de ambas as companhias despencam hoje com a notícia de que a Rede, do Itaú Unibanco, zerou as taxas aos lojistas que anteciparem os recebíveis das vendas realizadas nas compras com cartão de crédito à vista. Os papéis da PagSeguro também sentem o baque.

Depois de um tombo de quase 60% no valor de mercado no ano passado, a empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco ensaiava uma recuperação com a visão de que a nova gestão da companhia, liderada pelo ex-presidente do BB Paulo Caffarelli, conseguiria estancar a sangria da perda de mercado para as novas concorrentes.

A Stone é uma das novatas que abocanharam parte do mercado da Cielo e da Rede, que dominavam o setor antes da abertura determinada pelo Banco Central. A empresa abriu o capital no ano passado em uma oferta badalada na Nasdaq que atraiu figurões do mercado como o bilionário Warren Buffett.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A estratégia das empresas para ganhar mercado que ainda é liderado pela Cielo tem sido derrubar as várias taxas cobradas dos lojistas. Além de uma taxa cobrada a cada venda realizada nos cartões de crédito ou débito, as maquininhas ganham ao antecipar o dinheiro que os lojistas só recebem em um prazo de 30 dias após a venda.

O negócio de antecipação é (ou era) uma mina de ouro para as maquininhas. Em uma operação com risco praticamente zero, já que o devedor da operação é o banco emissor do cartão, as taxas de juros cobradas dos lojistas nos tempos "áureos" chegavam a 5% ao mês.

A expectativa é que o movimento da Rede afete mais uma fonte de receita e, por consequência, os resultados de Cielo, Stone e PagSeguro.

As ações da Cielo fecharam em forte queda de 7,3% e anularam o ganho que ainda acumulavam em 2019. Na Nasdaq, os papéis da Stone desabaram mais de 20%. Os papéis da PagSeguro, que são listados na Nyse, recuaram 10%. Confira a cobertura completa dos mercados hoje.

A redução das taxas pela Rede enfureceu os concorrentes e vai ser investigada pelo Cade. A grande questão é saber se o Itaú está se valendo do seu poder de fogo para prejudicar os competidores.

Os bancos têm uma vantagem natural contra as empresas que operam apenas com as maquininhas, como Stone e PagSeguro, porque operam em toda a cadeia de cartões. Ou seja, o Itaú, em tese, poderia "perder" dinheiro na operação de maquininhas, onde há maior competição, e compensar em outras áreas.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements