Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T09:06:05-03:00
Estadão Conteúdo
Mais críticas

Integrante da CCJ diz que tratar de carreira militar foi “equívoco”

Rubens Bueno (PPS-PR) avalia que “a questão da carreira poderia vir em outro momento, em uma discussão separada e não junto com a reforma da Previdência”

21 de março de 2019
13:12 - atualizado às 9:06
Rubens Bueno
Rubens Bueno - Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil)

O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) criticou nesta quinta-feira, 21, a inclusão da reformulação das carreiras dos militares junto com a proposta de reforma da Previdência para a categoria. O deputado, que é integrante da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, primeiro colegiado de tramitação da reforma da previdência, classificou a iniciativa como um "equívoco" que deve dificultar a tramitação do tema no Congresso.

Em nota divulgada nesta quarta, o parlamentar avalia que "a questão da carreira poderia vir em outro momento, em uma discussão separada e não junto com a reforma da Previdência".

Segundo o deputado, a abertura de tratamento diferenciado dentro da reforma da Previdência vai aumentar a pressão de categorias sobre os parlamentares e pode desfigurar o texto apresentado pelo governo.

"O lobby de determinadas categorias, como o Judiciário, já toma conta dos corredores do Congresso Nacional e tende a crescer", diz o parlamentar na nota.

Bueno reclamou ainda da falta de um diálogo mais estreito do governo com o Congresso, o que gera, segundo ele, dificuldades para a tramitação da reforma da previdência. "Ou a reforma é para todo mundo ou não é para ninguém. Se ficarmos estabelecendo uma série de regimes especiais, não chegaremos ao resultado pretendido. No caso dos militares, por exemplo, a mudança proposta, com a criação e ampliação de gratificações incorporadas aos soldos, representará uma economia pequena, de cerca de R$ 10 bilhões em 10 anos. Entendemos que é uma categoria especial, mas a questão de reformulação da carreira deveria ser tratada de forma separada e não junto com a reforma da Previdência", reforçou.

Na avaliação do deputado, o fato de o presidente Jair Bolsonaro ser militar e ter em postos chaves de seu o governo um número grande de integrantes das Forças Armadas acaba sendo um complicado. Bueno disse que fica a impressão de que o presidente está dando tratamento especial na reforma da Previdência justamente para sua categoria.

O deputado se diz um defensor da reforma da Previdência, mas, destaca que "uma reforma que tenha como principal foco o combate aos privilégios e que não acabe criando outros por meio do estabelecimento de categorias especiais".

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

De onde vem o dinheiro?

Governo confirma Auxílio Brasil em R$ 400, mas sem revelar de onde vai tirar o dinheiro para bancar o benefício

O ministro da Cidadania não respondeu às perguntas da imprensa nem confirmou a fonte de renda para o novo programa social, o que é a grande preocupação dos mercados

O que vem depois da lua?

Depois do recorde: até onde vai a alta do bitcoin? Especialista em criptomoedas responde

Depois da aprovação do primeiro ETF em criptomoedas, o bitcoin (BTC) não para de subir e as estimativas são otimistas — mas os EUA podem mudar o jogo

Analistas respondem

Ações da Vale aprofundam queda com sinais ruins do relatório de produção e vendas no 3º trimestre. Hora de comprar VALE3?

Analistas apontam que, enquanto a produção foi sólida, a venda de minério de ferro veio abaixo do esperado até pelas estimativas mais conservadoras

Puxando os ETFS

Chove bitcoin, molha ETF: fundos de índice brasileiros sobem até 19% em dia de recorde do BTC

Enquanto o primeiro ETF de criptomoeda dos Estados Unidos avança tímidos 3%, na B3, o avanço é de até 19,78%

Cabo de guerra

Sem explicar origem da verba, Bolsonaro confirma Auxílio Brasil em R$ 400 e promete respeitar teto de gastos

Apesar da promessa do presidente, o governo flerta com a flexibilização do teto para conseguir arcar com o valor do benefício

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies