Menu
2019-07-23T09:25:15-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

O inevitável afrouxamento monetário se aproxima

Dados do IPCA-15 serão decisivos para calibrar expectativas sobre corte de juro

23 de julho de 2019
6:56 - atualizado às 9:25
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros locais iniciam o dia com boas perspectivas de manter a valorização da véspera diante da expectativa de leitura mensal próxima da estabilidade do IPCA-15, o índice preliminar do IBGE para a inflação oficial no Brasil.

No entendimento dos agentes do mercado financeiro, um resultado fraco do IPCA-15 teria o potencial de induzir o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) a ser mais “ousado” em sua próxima reunião, marcada a próxima semana, e talvez cortar o juro em 0,50 ponto porcentual. A aposta majoritária entre os investidores no momento é de um corte de 0,25 ponto porcentual em 31 de julho.

A expectativa de um corte mais ousado na Selic tende ganhar força caso o governo emplaque sua mais recente sugestão referente à liberação do saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), limitando-o a R$ 500 por trabalhador.

A ideia original era autorizar saques de 10% a 35% do saldo do FGTS, inclusive dos trabalhadores da ativa, mas a pressão dos empresários do setor de construção levou o governo a recuar, uma vez que os recursos depositados no FGTS servem de lastro aos empréstimos para moradia.

No novo formato, o varejo ainda deve se beneficiar e as empresas de construção não serão tão afetadas, mas o impacto sobre o PIB será bem mais tímido, o que aumenta a pressão sobre o Copom para cortar juro. O anúncio oficial é esperado para amanhã.

Pibinho à vista

O objetivo de curtíssimo prazo do governo parece ser induzir uma melhora no sentimento dos empresários na virada do semestre, já que a economia brasileira provavelmente retornou à recessão técnica no segundo trimestre, com duas quedas seguidas, e mais R$ 1,442 bilhão foram contingenciados pelo governo.

Somada à reforma da previdência e outras medidas econômicas em discussão, a liberação do FGTS tem o potencial de melhorar o clima para que o primeiro ano do governo Jair Bolsonaro termine com o PIB pelo menos no azul, ainda que marginalmente.

Enquanto isso, diante da ameaça de uma nova greve de caminhoneiros, o governo suspendeu ontem a nova tabela de preço mínimo do frete rodoviário apenas alguns dias depois de sua publicação.

Também é prudente acompanhar hoje a presença de Bolsonaro na inauguração de um aeroporto em Vitória da Conquista, na Bahia. Na semana passada, o presidente foi flagrado proferindo comentários preconceituosos contra governadores nordestinos. Ainda que se trate de um evento fechado, com convidados escolhidos a dedo, o presidente pode ver algum teste a sua já baixa popularidade.

No exterior, enquanto um acordo bipartidário afasta o fantasma do fechamento do governo nos Estados Unidos, notícias de que o encarregado de negócios norte-americano (USTR) Roberto Lighthizer e o secretário de Tesouro Steven Mnuchin viajarão na semana que vem à China para retomar as negociações comerciais entre Washington e Pequim levaram as bolsas de valores asiáticas a fecharem em alta. Na Europa, os índices de ações abriram no azul e os indicadores futuros de Nova York também sinalizam alta.

O risco Trump

A perspectiva de afrouxamento monetário como maneira de estimular a economia ou precaver-se contra riscos está longe de ser uma exclusividade brasileira. Os principais bancos centrais do planeta preparam-se para cortar juro. A decisão de política monetária do Banco Central Europeu será conhecida já nesta quinta-feira, enquanto o Federal Reserve dos Estados Unidos se posicionará sobre o tema na próxima quarta-feira (31), apenas algumas horas antes do Copom.

Ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, direcionou sua hostilidade ao Fed. Ele acusa a autoridade monetária do país de fazer os norte-americanos pagarem juros altos demais e recorre a sua conhecida truculência para coagir a direção do Fed a agir logo. A preocupação de Trump, no entanto, é muito menos os juros pagos nos EUA e mais a abertura de espaços para elevar gastos e estourar ainda mais o endividamento do governo.

Não custa lembrar que o presidente do Fed, Jerome Powell, deixou claro em seus mais recentes depoimentos perante o Congresso que, apesar de os indicadores econômicos se encontrarem níveis considerados saudáveis, as principais razões por trás de qualquer discussão de corte de juros neste momento nos EUA são a política de guerra comercial de Trump contra o mundo e o descontrole nos gastos do governo.

Ou seja, com ou sem a truculência verbal do presidente, o risco Trump forçará um relutante Fed a cortar juros mais cedo ou mais tarde.

Brexit sem acordo?

E como se Trump já não fosse um fator de risco suficiente, o presidente norte-americano deve ganhar ainda esta semana a companhia do ex-prefeito londrino Boris Johnson no panteão dos chefes de governo descompensados da atualidade.

Ardente defensor do Brexit, Johnson tem tudo para tornar-se o escolhido do Partido Conservador para suceder Theresa May e tornar-se primeiro-ministro do Reino Unido. A esperada vitória de Johnson aumenta o risco de um Brexit sem acordo entre Londres e Bruxelas.

Boris Johnson tem a concorrência do atual secretário de exterior, Jeremy Hunt. Analistas consideram que uma eventual vitória de Hunt reduziria ao menos as chances de o Reino Unido sair da União Europeia sem acordo, valorizando a libra esterlina e outros ativos britânicos, mas a probabilidade de que isso aconteça é considerada baixa.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Viagem bilionária

Bilhete dourado: comprador misterioso gasta R$ 1,4 bilhão para ir ao espaço com Jeff Bezos

O turista espacial superou cerca de sete mil ofertas em um leilão beneficente realizado para definir o tripulante da espaçonave New Shepard

Fechamento dos mercados

Vacinação no Brasil volta a fazer preço, e Ibovespa sobe 0,59%, deixando para trás cautela com ‘Super Quarta’; dólar recua mais de 1%

Mercado deve operar em compasso de espera até a próxima quarta-feira, quando os BCs do Brasil e dos Estados Unidos divulgarão as suas decisões de política monetária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies