Menu
2019-05-20T06:14:41-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Previdência e guerra comercial mantêm tensão no mercado

Investidor tem de se acostumar com prolongada guerra comercial e capacidade do governo Bolsonaro de criar problemas para si

20 de maio de 2019
5:38 - atualizado às 6:14
tensaoguerraepolitica
Governo discute texto alternativo da reforma da Previdência e Trump diz que China não irá ultrapassar os EUA -

O mercado financeiro inicia a semana sem saber qual proposta para a reforma da Previdência será levada adiante pelo Congresso nem se haverá um acordo comercial entre Estados Unidos e China. Os dois assuntos continuam, então, ditando o rumo dos ativos de risco e a falta de clareza sobre esses temas tende a manter os investidores na defensiva.

O fim de semana foi de muito vaivém em Brasília sobre um texto alternativo ao do governo para a mudança de regras da aposentadoria, que seria pautado pelo Centrão. De início, falava-se que o presidente Jair Bolsonaro apoiaria a proposta elaborada pelos parlamentares, dando aval ao líder do governo na Câmara para encampar o novo projeto.

Depois, porém, o major Vitor Hugo, avisou ao relator da reforma da Previdência na comissão especial, Samuel Moreira, que não haverá uma nova proposta. O mais provável é que os pontos de mudanças sugeridos pelos deputados não tenham agradado à equipe econômica, desidratando demais o texto e reduzindo a potência da economia fiscal.

Sem um consenso entre Executivo e Legislativo, a tendência é de que a discussão sobre a nova Previdência seja ainda mais demorada, mantendo a pressão nos negócios locais, que apostou alto na aprovação de uma reforma potente ainda neste ano. Com isso, os investidores devem seguir abrigados no dólar e afastados do risco na Bovespa, ao mesmo tempo em que recompõem prêmios na estrutura a termo da curva de juros futuros.

Ao menos, agora, o Banco Central resolveu agir. Um dia após a moeda norte-americana confirmar o rompimento da barreira psicológica de R$ 4,00 e encostar-se à faixa de R$ 4,10, a autoridade monetária informou que realizará de hoje até quarta-feira três leilões de linha (venda de dólar com compromisso de recompra), no total de US$ 3,75 bilhões.

Ameaça de caos

Os investidores estão assustados com a falta de habilidade do governo Bolsonaro em enfrentar as recentes crises políticas e com o tom de campanha do presidente, que prefere partir para o confronto, ao invés de optar pela governabilidade e negociar consensos provisórios. A ausência de diálogo entre os dois poderes é cada vez mais evidente.

Isso tem levado uma ala mais radical de apoio ao presidente a defender a dissolução do Congresso. Um texto compartilhado por Bolsonaro nas redes sociais teria exacerbado os ânimos entre os apoiadores e aumentado a tensão entre a classe política. Na mensagem, o presidente afirma que “o Brasil, fora de conchavos, é ingovernável”, atribuindo os riscos de desgoverno por causa da corrupção generalizada em Brasília, desqualificando o Legislativo.

Muitos, portanto, leram o texto distribuído por Bolsonaro como um aceno à radicalização, para que o presidente assuma o protagonismo na cena política, colocando todas as cartas na ameaça do caos. Essa intenção explica porque o governo não quer que a reforma da Previdência tenha o carimbo do Congresso, levando os louros pela aprovação da matéria.

Mais que isso, a mensagem do presidente foi entendida como uma convocatória para um ato pró-governo previsto para domingo, de modo a medir forças com a oposição nas ruas, após a paralisação nacional contra cortes na educação. “Somente com o apoio de todos vocês poderemos mudar de vez o futuro do nosso Brasil!”, disse Bolsonaro, na rede social.

Com isso, não se sabe as chances reais de votar a reforma da Previdência no plenário da Câmara antes do recesso parlamentar, em julho. Por mais que se diga que há uma boa vontade dos parlamentares em aprová-la, os efeitos da falta de diálogo com o Congresso ainda são desconhecidos. Na prática, nada anda, ainda mais sem o aval do Centrão.

O estilo “franco” de Bolsonaro aumenta a insegurança e o teste de fogo virá da MP da reforma ministerial, que precisa ser aprovada até o início de junho. O Centrão só concorda em diminuir o número de ministérios se o Coaf - o conselho que apontou movimentação atípica na conta do ex-assessor Fabrício Queiroz - ficar fora da alçada do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Guerra prolongada

Já no exterior, o mercado internacional está se acostumando, aos poucos, com a ideia de que a guerra comercial entre EUA e China será longa. Pequim parece cada vez menos interessado em retomar as negociações com Washington, sinalizando que um acordo ficará suspenso até o encontro dos líderes Donald Trump e Xi Jinping no Japão, durante o G-20.

Trump, porém, se diz “muito feliz” com a guerra comercial e afirmou que a economia chinesa não irá superar a norte-americana, tornando-se uma superpotência do mundo, enquanto ele estiver no comando. “A China obviamente não está indo tão bem como nós”, disse, em entrevista à Fox News, indicando que também não está com pressa de voltar a negociar com Pequim.

Em reação, as bolsas chinesas fecharam em queda nesta segunda-feira, na contramão do sinal positivo que prevaleceu na Ásia. Xangai caiu 0,4% e Hong Kong teve queda de 0,6%, refletindo à decisão do Google de revogar a licença da Huawei para uso do sistema operacional Android. A decisão ocorreu após o governo Trump incluir a fabricante na “lista negra”.

Tóquio, por sua vez, subiu 0,2%, após o inesperado crescimento de 2,1% da economia japonesa nos três primeiros meses deste ano, ofuscando as incertezas sobre a economia global. No Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York estão em alta, mas as principais praças europeias iniciaram a sessão sem rumo definido.

Entre as moedas, destaque para o dólar australiano, que avança após a vitória surpreendente do conservador Scott Morrison, que foi reeleito como primeiro-ministro. Na Índia, os ativos também subiram, diante dos sinais de que o primeiro-ministro Narendra Modi deve seguir no poder. Nas commodities, o petróleo avança com a oferta limitada.

Agenda fraca traz poucos destaques

A agenda doméstica desta semana traz como destaque dados sobre a confiança de diferentes agentes econômicos, a partir de amanhã, e a prévia da inflação oficial ao consumidor brasileiro (IPCA-15), na sexta-feira. Ao longo da semana, são esperados os números de abril sobre o emprego formal (caged) e a arrecadação federal.

Hoje, saem a segundo prévia de maio do IGP-M (8h) e o relatório de mercado Focus do Banco Central (8h25). A pesquisa junto ao mercado financeiro pode trazer novas revisões de 2019 na estimativa de crescimento da economia (PIB) e sobre o rumo da taxa de juros (Selic), para baixo; e para cima, na previsão do dólar e para a inflação (IPCA).

À noite, merece atenção o discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell. Aliás, o Fed concentra as atenções do exterior nesta semana, tendo como auge a divulgação da ata da reunião de maio, quando não corroborou as expectativas de que o próximo movimento na taxa de juros norte-americana seria de corte.

O documento será publicado na quarta-feira. Um dia antes, saem dados do setor imobiliário norte-americano. Um dia depois, destaque para dados preliminares sobre a atividade nos setores industrial e de serviços nos EUA e na zona do euro, que podem mostrar em maio a continuidade do enfraquecimento da economia observado em abril.

Na União Europeia como um todo, destaque para a eleição do Parlamento europeu, na quinta-feira, da qual o Reino Unido fará parte, apesar da tentativa de separação do bloco comum. Aliás, o prazo final do Brexit está se aproximando e parece que a primeira-ministra britânica, Theresa May, vai sair primeiro. Na China, o calendário da semana está esvaziado.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies