2019-01-18T12:46:08-02:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Em pausa. Mercado espera um sinal para seguir ou parar com altas

Após novo recorde, investidores aguardam notícias relevantes para definir rumos dos mercados. Dia é de agenda fraca

18 de janeiro de 2019
5:28 - atualizado às 12:46
Podcast: A Bula do Mercado em 5 minutos: veja o que esperar de bolsa e dólar hoje

O mercado financeiro segue carente de notícias relevantes, capazes de dissipar as incertezas no contexto político-econômico, no Brasil e no exterior. Essa espera por novidades cria um terreno fértil para especulações, elevando a postura defensiva nos negócios.

Mas os investidores tentam manter um “otimismo cauteloso”, confiantes no progresso das negociações entre Estados Unidos e China em torno da guerra comercial e amparados no tom suave (“dovish”) do Federal Reserve em relação a novas altas na taxa de juros dos EUA neste ano.

As principais bolsas asiáticas fecharam em alta firme, de mais de 1%, com os ganhos liderados por Tóquio e Hong Kong, em meio à expectativa pela visita do vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, aos EUA no fim deste mês, para elevar o grau de discussão na área comercial, tratando também de questões estruturais.

Ele será recebido pelo secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, e pelo representante do comércio dos EUA, Robert Lighthizer. E esse encontro de alto escalão entre autoridades da China e dos EUA alimenta expectativas positivas quanto a um desfecho, com o fim da prática de taxações, seguida de represálias.

No Ocidente, as principais bolsas europeias se apoiam no sinal positivo vindo da Ásia e também dos índices futuros das bolsas de Nova York nesta manhã. Ontem, o S&P 500 superou a média móvel de 50 dias e caminha para o melhor início de ano desde 1987 - o ano da histórica Black Monday.

Nos demais mercados, o dólar tem pouca oscilação em relação às moedas rivais, o que abre espaço para o petróleo avançar pela terceira semana seguida, com o barril do tipo WTI flertando com a faixa de US$ 53. O brent, por sua vez, é cotado acima de US$ 60 o barril.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Paira no ar...

Como pano de fundo dos mercados, prosseguem os impasses políticos nos Estados Unidos (shutdown) e no Reino Unido (Brexit). A principal dúvida é se vão continuar as divergências - entre a Casa Branca e os democratas; e os britânicos e a União Europeia (UE).

Por ora, o que ainda existe é a mais longa paralisação do governo norte-americano e um suspense inglês antes do prazo final para o Brexit, em março. A libra esterlina se sustenta no maior nível em dois meses, após o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, afirmar que um novo plebiscito segue como opção no drama inglês.

Sem Previdência em Davos

No Brasil, o mercado financeiro também alimenta boas expectativas em relação à reforma da Previdência, o que içou a Bolsa brasileira ontem para a marca recorde de 95 mil pontos, pela primeira vez na história. Já o dólar subiu pela terceira sessão consecutiva.

As apostas dos investidores são de mudanças rígidas nas regras para a aposentadoria, visando equilibrar as contas públicas e levando o Brasil a recuperar o selo de grau de investimento. Entre as medidas, estariam a fixação de idade mínima, prazo menor de transição e um regime de capitalização.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve tratar de três temas, durante a participação do fórum em Davos, entre os dias 22 e 25 de janeiro. Além da reforma da Previdência, ele vai falar também da agenda de privatizações e da reforma administrativa. A ideia principal é tratar da redução do peso do Estado na economia.

Mas não devem ser conhecidos detalhes da proposta para a Previdência em Davos. Afinal, seria um pouco estranho detalhar as medidas, antes de apresentá-las ao Congresso. Ao dar preferência para a elite financeira e política mundial, a equipe econômica poderia poderia criar indisposição junto aos parlamentares brasileiros.

Mesmo assim, a demora sobre o plano do governo para a aposentadoria eleva a ansiedade nos negócios locais. Caso as medidas sejam bem-recebidas, os ativos podem resgatar o rali observado logo no início do ano. Porém, em caso de frustração, o dólar pode encontrar dificuldades para voltar a ficar abaixo de R$ 3,70.

Ou seja, assim como no exterior, o mercado financeiro brasileiro também tem uma questão indefinida para decidir o próximo passo. Enquanto espera por novidades sobre o tema, que só devem ser conhecidas lá para o fim deste mês, o ambiente nos negócios locais é de estabilidade, ficando vulnerável às operações de daytrade.

Dados dos EUA em destaque

A agenda econômica está fraca e traz como destaque apenas os dados dos EUA sobre a produção industrial em dezembro (12h15) e a leitura preliminar da confiança do consumidor norte-americano neste mês (13h). No Brasil, sai apenas uma prévia do IGP-M em janeiro (8h).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O melhor do Seu Dinheiro

Ômicron de “A” a “Z”, dividendos, balanço da Black Friday e outros destaques

A variante ômicron recebeu este nome para evitar maiores conflitos de linguagem, mas Matheus Spiess vai além da semântica em sua análise

A BOLSA HOJE

Esquenta dos mercados: notícia sobre possível baixa eficácia das vacinas contra ômicron derruba mercados, em dia de discurso de Powell e votação dos precatórios

O investidor local ainda permanece de olho nas falas de Roberto Campos Neto e Paulo Guedes em eventos separados hoje

SÓ NO SAPATINHO

Dividendos: Arezzo (ARZZ3) vai distribuir R$ 60 milhões aos acionistas; veja como participar

Serão R$ 33,78 milhões em JCP e R$ 26,22 milhões em dividendos a serem depositados até 31 de janeiro de 2022

INCERTEZAS NO RADAR

CEO da Moderna levanta dúvidas sobre eficácia de vacinas contra a ômicron e provoca reação negativa nos mercados

Stéphane Bancel disse que cientistas consultados por ele esperam ‘queda significativa’ na eficácia dos imunizantes contra a nova cepa

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os investidores agora viraram virologistas: os impactos da Ômicron sobre os mercados

Ainda não sabemos o bastante para decidir se esta é uma oportunidade de compra, mas parecemos estar mais preparados como sociedade para enfrentar o problema