Menu
2019-01-18T12:46:08-02:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Em pausa. Mercado espera um sinal para seguir ou parar com altas

Após novo recorde, investidores aguardam notícias relevantes para definir rumos dos mercados. Dia é de agenda fraca

18 de janeiro de 2019
5:28 - atualizado às 12:46
pausa (1)
Podcast: A Bula do Mercado em 5 minutos: veja o que esperar de bolsa e dólar hoje

O mercado financeiro segue carente de notícias relevantes, capazes de dissipar as incertezas no contexto político-econômico, no Brasil e no exterior. Essa espera por novidades cria um terreno fértil para especulações, elevando a postura defensiva nos negócios.

Mas os investidores tentam manter um “otimismo cauteloso”, confiantes no progresso das negociações entre Estados Unidos e China em torno da guerra comercial e amparados no tom suave (“dovish”) do Federal Reserve em relação a novas altas na taxa de juros dos EUA neste ano.

As principais bolsas asiáticas fecharam em alta firme, de mais de 1%, com os ganhos liderados por Tóquio e Hong Kong, em meio à expectativa pela visita do vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, aos EUA no fim deste mês, para elevar o grau de discussão na área comercial, tratando também de questões estruturais.

Ele será recebido pelo secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, e pelo representante do comércio dos EUA, Robert Lighthizer. E esse encontro de alto escalão entre autoridades da China e dos EUA alimenta expectativas positivas quanto a um desfecho, com o fim da prática de taxações, seguida de represálias.

No Ocidente, as principais bolsas europeias se apoiam no sinal positivo vindo da Ásia e também dos índices futuros das bolsas de Nova York nesta manhã. Ontem, o S&P 500 superou a média móvel de 50 dias e caminha para o melhor início de ano desde 1987 - o ano da histórica Black Monday.

Nos demais mercados, o dólar tem pouca oscilação em relação às moedas rivais, o que abre espaço para o petróleo avançar pela terceira semana seguida, com o barril do tipo WTI flertando com a faixa de US$ 53. O brent, por sua vez, é cotado acima de US$ 60 o barril.

Paira no ar...

Como pano de fundo dos mercados, prosseguem os impasses políticos nos Estados Unidos (shutdown) e no Reino Unido (Brexit). A principal dúvida é se vão continuar as divergências - entre a Casa Branca e os democratas; e os britânicos e a União Europeia (UE).

Por ora, o que ainda existe é a mais longa paralisação do governo norte-americano e um suspense inglês antes do prazo final para o Brexit, em março. A libra esterlina se sustenta no maior nível em dois meses, após o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, afirmar que um novo plebiscito segue como opção no drama inglês.

Sem Previdência em Davos

No Brasil, o mercado financeiro também alimenta boas expectativas em relação à reforma da Previdência, o que içou a Bolsa brasileira ontem para a marca recorde de 95 mil pontos, pela primeira vez na história. Já o dólar subiu pela terceira sessão consecutiva.

As apostas dos investidores são de mudanças rígidas nas regras para a aposentadoria, visando equilibrar as contas públicas e levando o Brasil a recuperar o selo de grau de investimento. Entre as medidas, estariam a fixação de idade mínima, prazo menor de transição e um regime de capitalização.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve tratar de três temas, durante a participação do fórum em Davos, entre os dias 22 e 25 de janeiro. Além da reforma da Previdência, ele vai falar também da agenda de privatizações e da reforma administrativa. A ideia principal é tratar da redução do peso do Estado na economia.

Mas não devem ser conhecidos detalhes da proposta para a Previdência em Davos. Afinal, seria um pouco estranho detalhar as medidas, antes de apresentá-las ao Congresso. Ao dar preferência para a elite financeira e política mundial, a equipe econômica poderia poderia criar indisposição junto aos parlamentares brasileiros.

Mesmo assim, a demora sobre o plano do governo para a aposentadoria eleva a ansiedade nos negócios locais. Caso as medidas sejam bem-recebidas, os ativos podem resgatar o rali observado logo no início do ano. Porém, em caso de frustração, o dólar pode encontrar dificuldades para voltar a ficar abaixo de R$ 3,70.

Ou seja, assim como no exterior, o mercado financeiro brasileiro também tem uma questão indefinida para decidir o próximo passo. Enquanto espera por novidades sobre o tema, que só devem ser conhecidas lá para o fim deste mês, o ambiente nos negócios locais é de estabilidade, ficando vulnerável às operações de daytrade.

Dados dos EUA em destaque

A agenda econômica está fraca e traz como destaque apenas os dados dos EUA sobre a produção industrial em dezembro (12h15) e a leitura preliminar da confiança do consumidor norte-americano neste mês (13h). No Brasil, sai apenas uma prévia do IGP-M em janeiro (8h).

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Aposta na retomada

Goldman Sachs eleva o preço-alvo de ação de locadora de veículos e recomenda compra

Os analistas elevam o preço-alvo para as ações da Localiza (RENT3) de R$ 69,30 para R$ 73,20 e projetam lucro acima do consenso do mercado

seu dinheiro na sua noite

Expectativa vs. realidade

Quando eu estava na terceira série do ensino médio, o coordenador do curso deu um alerta aos alunos: em geral os estudantes agem como se o vestibular fosse o objetivo final, e quando passam têm aquela sensação de “ah! Nunca mais vou precisar estudar!” Mas é depois do vestibular que a coisa começa a ficar […]

mudança nas estruturas

Acionistas da Cosan aprovam reorganização societária

Com isso, Cosan Logística e Cosa Limited serão incorporadas pela Cosan

FECHAMENTO DA SEMANA

Ano novo, vida velha: Ibovespa recua e dólar sobe mais de 2% com piora do cenário fiscal e avanço da covid-19

Semana foi negativa para os mercados brasileiros mesmo após a aprovação de vacinas e entusiasmo com Biden no exterior

preocupação

Ex-BCs dizem que atraso na vacinação preocupa por pressão fiscal

Carlos Viana disse não ver uma mudança estrutural no processo inflacionário no País, onde, assim como a atual direção do BC, vê como temporário os choques de preços

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies