Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-16T09:06:51-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Frustração e suspense envolvem mercado

Votação do parecer da reforma da Previdência na CCJ fica para a semana que vem, enquanto governo marca para hoje anúncio de medidas envolvendo o transporte rodoviário

16 de abril de 2019
5:29 - atualizado às 9:06
fortesemocoes1
À noite, China entra em cena para anunciar os números do PIB no início de 2019

Um misto de frustração e suspense envolve os investidores hoje, após o adiamento da votação do parecer da reforma da Previdência na CCJ, que só irá acontecer depois do feriado da Páscoa, e em meio à indefinição sobre o reajuste do diesel pela Petrobras, vetado pelo governo na semana passada. Esse sentimento no mercado doméstico se contrasta com o ânimo dos negócios no exterior, que busca pistas sobre a economia global.

Mas os ativos brasileiros devem reagir mais a atraso na votação da proposta do governo de novas regras para aposentadoria ainda na primeira fase de tramitação da proposta na Câmara, colocando no preço essa derrota do governo. Deputados da CCJ decidiram inverter a pauta e colocaram na frente a votação da emenda do Orçamento Impositivo.

A proposta que engessa as contas do governo, tornando obrigatória as emendas às bancadas, foi aprovada já na noite de ontem. O texto segue agora para o plenário da Casa. Com isso, o debate sobre se a proposta da nova Previdência fere a Constituição terá início hoje (10h). Mas um acordo firmado entre líderes do governo, da oposição e do Centrão, deixou a votação da matéria para a próxima segunda ou terça-feira.

É bom lembrar que a semana que vem antecede mais um feriado nacional, desta vez, o 1º de Maio. A data é dedicada aos trabalhadores e deve ser marcada por protestos em todo o país organizados por centrais sindicais contra a reforma da Previdência. A expectativa é de que as manifestações unificadas esquentem o debate da proposta na comissão especial, onde devem ser realizadas mudanças ao texto original do governo.

Será preciso, portanto, que o governo dê um “segundo passo” pela reforma da Previdência, para conseguir fazer a pauta avançar na Câmara sem alterar muito a potência fiscal esperada pelo ministro Paulo Guedes, de uma economia próxima a R$ 1 trilhão em dez anos. Segundo o presidente da Casa, Rodrigo Maia, o presidente Jair Bolsonaro deve “entender por dentro” que a medida é necessária, argumentando em defesa da proposta.

Apagando incêndio com gasolina

Resta saber qual será a estratégia do governo não apenas junto ao Congresso, mas também à população. Ainda mais após o aumento de R$ 42 no valor do salário mínimo, para R$ 1.040 em 2020, interrompendo 11 anos consecutivos de reajuste real e deixando a correção apenas pela inflação em pleno ano em que a reforma da Previdência, se aprovada, fará o trabalhador contribuir por mais tempo para se aposentar e ter 100% do benefício.

Os investidores também repercutem o encontro ontem em Brasília entre o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e o governo, que terminou ainda sem um desfecho sobre o reajuste no preço do diesel. Segundo o executivo da petrolífera, a empresa é “livre”, mas ainda não há decisão. Uma nova reunião do presidente Jair Bolsonaro com a equipe econômica e representantes da Petrobras está marcada para hoje.

Nela, devem ser prestados esclarecimentos ao presidente sobre a estrutura de produção, distribuição e revenda de combustíveis pela Petrobras. O governo também anunciou para esta terça-feira, às 11h, o anúncio de “alguma medidas em resposta às demandas do setor de transporte rodoviário”. Estarão presentes “alguns dos ministros que participaram da reunião” de ontem à tarde.

Exterior em alta

Enquanto o mercado doméstico espera informações sobre a Petrobras e digere um novo atraso na tramitação da Previdência, os negócios no exterior seguem embalados, podendo contagiar os negócios locais. A temporada de balanços nos Estados Unidos continua ditando o ritmo em Wall Street, com os investidores tentando traçar uma perspectiva para a economia norte-americana e global.

Por isso, é grande a expectativa pelos resultados financeiros do Bank of America e BlackRock, antes da abertura do pregão em Nova York, além de Netflix e IBM, após o fechamento. À espera desses números, os índices futuros das bolsas norte-americanas estão em alta, o que anima o início da sessão na Europa.

Na Ásia, destaque para o salto de 2,4% da Bolsa de Xangai, antes da divulgação dos dados de atividade da China no início deste ano, entre eles, os números consolidados do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2019. Hong Kong também teve alta firme, de quase 1%, enquanto Tóquio subiu 0,2%.

Nos demais mercados, o juro projetado pelo título de 10 anos dos EUA (T-note) oscila em 2,55%, digerindo os dados que mostraram que a China segue como maior detentora de bônus norte-americanos, aumentando a exposição no papel pelo terceiro mês seguido. Já o dólar mede forças entre as moedas de países desenvolvidos e correlacionadas às commodities, enquanto o petróleo recua, diante do aumento dos estoques nos EUA.

China agita a noite

No fim do dia, a China entra em cena, a partir das 23h, quando divulga os dados de março da produção industrial, das vendas no varejo e sobre os investimentos em ativos fixos. Mas o destaque fica mesmo com os dados consolidados do PIB chinês nos três primeiros meses deste ano, no mesmo horário.

A previsão é de expansão de 6,3%, na comparação com o início de 2018, desacelerando-se em relação à alta de 6,4% apurada nos últimos três meses do ano passado. Os números são o grande destaque da agenda econômica desta terça-feira. Ainda assim, pela manhã, merecem atenção o desempenho da indústria norte-americana em março (10h15).

Logo cedo, sai o índice ZEW de sentimento econômico na Alemanha e na zona do euro como um todo em abril. Ainda nos EUA, também será divulgado o índice de confiança das construtoras neste mês (11h). No Brasil, destaque apenas para o índice de preços ao produtor (IPP) em fevereiro (9h).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Líder do setor

Grupo FSB compra Giusti Comunicação e amplia seu portfólio de agências

Com a chegada da nova empresa, a FSB integra as contas de Aegea, Ame, Alpargatas, EDP, Grupo SBF, Centauro, SBT, Estadão, Protege, Centro Paula Souza e mais em sua lista de clientes

Reforma ministerial

Ciro Nogueira aceita convite de Bolsonaro para chefiar Casa Civil

No último dia 22, Bolsonaro confirmou o convite a Nogueira e a recriação do Ministério do Trabalho e Previdência que antes fazia parte da pasta de Paulo Guedes

Mais novidade

Unifique (FIQE3) estreia na bolsa em queda de 1%

Mesmo com o IPO saindo próximo do piso, a Unifique tem uma estreia no vermelho, em dia negativo para a bolsa brasileira

Decisão unânime

Conselho do Magazine Luiza aprova aquisição da Kabum! por R$ 1 bilhão

A decisão inclui também o pagamento de R$ 2,5 bilhões por meio da emissão de 75 milhões de ações ordinárias da varejista em favor dos acionistas da empresa comprada

De olho em diversificação

De cabeça no mundo cripto: Goldman Sachs pretende lançar ETF focado em blockchain e finanças descentralizadas

O ETF Goldman Sachs Innovate DeFi e Blockchain Equity vai seguir um índice ainda em desenvolvimento da Solactive, uma empresa alemã especializada nesse setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies