Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-03-15T06:09:06-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Sorte ou revés?

Bolsa brasileira falha na tentativa de ultrapassar a barreira histórica dos 100 mil pontos, mas segue atenta ao noticiário e ao fluxo para superar essa marca

15 de março de 2019
5:39 - atualizado às 6:09
sorteouRevez
Lá fora, ativos de risco relegam sinais de desaceleração global e se apoiam na liquidez financeira

Não foi desta vez. A Bolsa brasileira fracassou na tentativa de ultrapassar a barreira histórica dos 100 mil pontos, mas o Ibovespa segue colado a essa marca, que pode ser superada a qualquer momento. Tudo vai depender do fluxo positivo de notícias e de recursos - estrangeiros, principalmente.

Mas a direção do noticiário e do capital externo está na contramão desse feito inédito. As incertezas em torno da guerra comercial, da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) e quanto à desaceleração econômica global continuam pesando nos mercados internacionais, com riscos de contaminar o desempenho doméstico.

Por aqui, o otimismo com a reforma da Previdência prossegue. Contudo, os investidores sabem que os sinais de avanço da proposta na Câmara dos Deputados ainda são muito incipientes e é preciso mais empenho, tanto do governo quanto da ala econômica, para aprovar as novas regras para a aposentadoria ainda neste semestre.

Além disso, é preciso avaliar o conteúdo da proposta de reforma da Previdência dos militares, entregue pelo Ministério da Defesa. O texto entregue à equipe econômica inclui uma reestruturação da categoria, criando um novo posto na carreira, com aumento de gratificações e bônus, o que representaria um custo extra de R$ 10 bilhões em uma década.

Só após os dez primeiros anos, a economia com o endurecimento das regras previdenciárias aos não civis ultrapassaria as despesas geradas com esse aumento de benefícios. Os dados mostram que os gastos superam a receita entre 2021 e 2029, “crescendo o bolo”. Depois, então, pode-se repartir o sacrifício da Previdência a todos.

Três novelas

Portanto, são três focos de tensão divergentes - Brexit, trade war e Previdência - mas que convergem para um mesmo denominador comum. Em todos eles, o que estão em xeque é a questão do crescimento econômico - brasileiro e global - sendo que o temor de desaceleração só foi suavizado por causa da reiterada “paciência” do Federal Reserve.

A postura do Fed, que foi seguida por outros bancos centrais, foi o principal fator responsável pela melhora dos ativos ao redor do mundo, dando suporte a exposições mais arriscadas. A dúvida é saber por quanto tempo esse interregno benigno irá se manter, já que o Fed só está paciente por causa da perda de tração da atividade - nos EUA e afora.

Hoje, foi a vez do Banco Central do Japão (BoJ) de manter a política monetária ultrafrouxa, ao mesmo tempo em que piorou a previsão para a economia. O presidente do BoJ, Haruhiko Kuroda, disse que é preciso repensar a meta de inflação de 2%, uma vez que a desaceleração global tem afetado a atividade no país.

Ainda assim, a decisão do BoJ, que segue a linha mais suave (dosvish) do Fed e do BC europeu (BCE), sustenta um sinal positivo entre os ativos de risco, com os investidores escorando-se na liquidez financeira e relegando os fundamentos econômicos. As principais bolsas da Ásia fecharam em alta, sendo que Tóquio subiu 0,8%, enquanto o iene caía.

Na China, Hong Kong também avançou 0,7% e Xangai ganhou 1%, após a notícia de que os legisladores chineses aprovaram uma nova lei que proíbe a transferência força de tecnologia pelas empresas estrangeiras, o que tende a satisfazer uma das maiores reclamações dos EUA na questão comercial. Mas ainda não se sabe se é suficiente.

O maior receio dos chineses é de que o presidente norte-americano, Donald Trump, abandone a cúpula de encontro com o líder chinês, Xi Jinping, nos moldes do que foi feito em Hanoi, com o líder norte-coreano, Kim Jong Un. Xi quer apenas uma cerimônia para assinatura de um acordo, sem margens para novas negociações.

Também na China, destaque para a desaceleração na alta dos preços de imóveis nas 70 principais cidades em fevereiro, em +0,5% ante janeiro, após subir 0,6% no período anterior. O recuo reflete um maior controle das autoridades sobre as propriedades do que a demanda por novas casas. Em base anual, houve alta de 11,1%, de +10,8% em janeiro.

Ainda no outro lado do mundo, na Oceania, destaque para a Bolsa da Nova Zelândia, que subiu 0,4%, relegando os ataques simultâneos a duas mesquitas no país. Já no Ocidente, os índices futuros em Nova York também estão no azul, em dia de vencimento quádruplo (quadruple witching), o que deve elevar a volatilidade em Wall Street hoje.

Nos demais mercados, o dólar mede forças em relação às moedas rivais, perdendo terreno para o euro, mas avançando em relação a libra, ao passo que as commodities não exibem um rumo único. Os metais básicos recuam, enquanto o petróleo sobe.

Agenda cheia até na sexta-feira

O último dia da semana ainda reserva uma série de indicadores econômicos. No Brasil, o destaque fica com o desempenho do setor de serviços em janeiro (9h). O dado deve dar pistas sobre o ritmo da atividade brasileira no início de 2019, ao lado dos números sobre a indústria e o varejo. Antes, sai o primeiro IGP de março, o IGP-10 (8h).

Ainda por aqui, merece atenção o leilão de aeroportos, que deve ofertar 12 aeroportos do país, com destaque para o bloco que reúne as operações do Nordeste. A previsão é de arrecadação de R$ 2,1 bilhões aos cofres do governo, com investimentos de até R$ 3,5 bilhões.

Já no exterior, o radar se divide entre a leitura final de fevereiro do índice de preços ao consumidor na zona do euro (CPI), logo cedo, e os dados da produção industrial norte-americana em fevereiro (10h15). Ainda na agenda econômica dos EUA, sai a versão preliminar da confiança do consumidor no país em março (11h).

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PROVENTO EM DÓLAR

Aura Minerals (AURA33) anuncia dividendos e programa de recompra de BDRs — veja o que muda para os acionistas

O pagamento chegará bem a tempo para o Natal dos investidores nacionais, mas para ter direito é preciso possuir os ativos em 9 de dezembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa perto de perder os 100 mil pontos, Petrobras na mira de Paulo Guedes e outros destaques do dia

A dinâmica dos mercados globais nos últimos dias lembra muito os primeiros momentos de incerteza que marcaram o início da pandemia do coronavírus, no início de 2020. A covid-19 não é mais uma doença desconhecida e as vacinas já estão disponíveis no mercado, mas a desigualdade na distribuição de imunizantes e a recusa de muitos […]

FECHAMENTO DO DIA

Racha no Senado e chegada de ômicron aos Estados Unidos levam o Ibovespa a renovar as mínimas do ano (mais uma vez); dólar sobe

Embora o dia tenha começado positivo para o Ibovespa e as demais bolsas globais, a variante ômicron e a dificuldade de aprovar a PEC dos precatórios azedaram os negócios

CRYPTO NEWS

Aprenda com o bitcoin: não perca o timing com a próxima promessa cripto

O mercado de criptomoedas tem colocado alguns sorrisos nos rostos de quem vem investindo nessa classe de ativos

RECEITAS EM ALTA

Acredite se quiser! Governo pode ter primeiro superávit primário desde 2013 ainda neste ano

A notícia surpreende num momento em que um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente o descontrole das contas públicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies