Menu
2019-05-14T06:29:10-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Alerta laranja

Quebra dos sigilos fiscal e bancário de Flávio Bolsonaro pegou mercado futuro aberto ontem, elevando a pressão nos ativos locais, que já sofrem com a guerra comercial

14 de maio de 2019
5:39 - atualizado às 6:29
laranja1
No exterior, Wall Street ensaia melhora, apesar de decisão dos EUA de taxar mais US$ 300 bilhões em produtos chineses

Duas notícias divulgadas ontem à noite, quando os mercados já estavam fechados, deixam os investidores em alerta nesta terça-feira, um dia após o Ibovespa cair quase 3% e o dólar encostar na marca de R$ 4,00. A primeira, vinda do exterior e que formaliza a intenção dos Estados Unidos de sobretaxar em junho mais US$ 300 bilhões em produtos chineses importados, não impede uma tentativa de recuperação de Wall Street nesta manhã.

Já a segunda, pegou o mercado futuro aberto no Brasil, levando a bolsa às mínimas e o dólar às máximas. Trata-se da decisão da Justiça do Rio de Janeiro de autorizar a quebra de sigilo bancário e fiscal do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, e de seu ex-assessor Fabrício Queiroz, além de outros 88 ex-assessores. As famílias dos dois também serão investigadas.

O período da quebra é de 2007 a 2018 e se refere a quando Queiroz esteve vinculado ao gabinete de Flávio. A quebra de sigilo bancário e fiscal faz parte da investigação sobre a movimentação financeira atípica de R$ 1,2 milhão na conta bancária do ex-assessor de Flávio entre 2016 e 2017, apontada pelo Coaf no ano passado. Os dois se defendem das acusações, lembrando que o sigilo já havia sido quebrado.

Seja como for, a notícia resgata um assunto delicado envolvendo a família Bolsonaro e, segundo palavras do senador e do pai, visa atingir o governo com “acusação maldosa”. A suspeita do uso de laranja - que atinge também outro filho do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro - pode dificultar os esforços do Palácio do Planalto de se concentrar apenas na aprovação da reforma da Previdência no Congresso.

Aliás, por si só, o governo encontra dificuldades para emplacar a austeridade fiscal, em meio a uma grave recessão econômica e à pressão da classe política por troca de cargos. A agenda de reformas - ministerial, inclusive - tem se tornado um problema, ainda mais sem a retomada do emprego e da atividade no país e com a queda de popularidade do presidente.

Exterior mais ameno

Mas o ambiente internacional pode ajudar os negócios locais hoje, diante da melhora ensaiada pelos índices futuros das bolsas de Nova York nesta manhã, um dia após registrar a pior sessão desde janeiro deste ano. A escalada da guerra comercial entre EUA e China não inibe os negócios em Wall Street, o que abre espaço para uma recuperação na Europa.

Na Ásia, a sessão foi de perdas moderadas, com Xangai e Tóquio caindo menos de 1% e Hong Kong cedendo 1,5%. Já o dólar segue forte, com os investidores ainda inclinados à menor exposição ao risco, o que também fortalece o euro e o iene. Nas commodities, o ouro e o petróleo recuam.

O movimento dos ativos no exterior relega, assim, a notícia de que os EUA irão detalhar, em meados de junho, a proposta de impor tarifas de 25% sobre mais US$ 300 bilhões em produtos chineses, sobretaxando todas as importações da China ao país. A formalização da medida irá acontecer às vésperas da reunião de cúpula do G20, no Japão.

Com isso, o presidente norte-americano, Donald Trump, quer se encontrar com o líder chinês, Xi Jinping, mantendo a “faca no pescoço” do rival para conseguir um acordo comercial com a China. A expectativa é de que o encontro será crucial para interromper o confronto crescente.

Até lá, os desdobramentos da guerra comercial tendem a dominar a dinâmica dos mercados globais, com os investidores receosos de que a disputa está longe do fim. E, quanto mais tempo durar essa batalha entre as duas maiores economias do mundo, maiores serão os impactos sobre a atividade global.

Diante da escalada da tensão comercial, com a elevação de tarifas de importação dos EUA sobre bens chineses e a retaliação na mesma moeda de Pequim a produtos norte-americanos, a partir de 1º de junho, a expectativa é de que não haja nenhum desfecho até o encontro de Trump e Xi no fim do mês que vem.

Vale notar, porém, que a guerra comercial é tudo menos uma questão econômica. Trata-se mais de uma agenda estratégica, que põe em xeque interesses geopolíticos e de soberania (supremacia?), que vão muito além da questão tarifária. A maneira peculiar de Trump em lidar com a questão deixa claro que o objetivo dele vai muito além do comércio.

O presidente norte-americano parece já de olho na reeleição em 2020. Ao que tudo indica, o republicano deve levar para a campanha, mais uma vez, a retórica protecionista, principalmente contra Pequim. Como consequência, Trump não deve fazer nenhum esforço para garantir um acordo comercial com a China - e estaria até gostando da demora.

Ata do Copom abre o dia e China fecha

O Banco Central divulga logo cedo, às 8h, a ata da reunião de maio do Comitê de Política Monetária (Copom). O documento trazer mais clareza à mensagem trazida no comunicado que acompanhou a decisão da semana passada, de manter a taxa básica de juros em 6,50% pela nona vez seguida.

Parte do mercado financeiro entendeu que o Copom deixou uma fresta aberta para retomar o ciclo de cortes da Selic, por causa dos dados fracos de atividade. Em contrapartida, outra parte entendeu que o BC reafirmou o plano de voo, de manter o juro básico estável nos próximos meses, diante dos riscos à inflação.

A ata pode, então, tirar a “prova dos nove”. O mais provável é de que a autoridade monetária mantenha o mantra de “cautela, serenidade e perseverança” na condução da taxa Selic, com as portas fechadas para novos cortes até que haja mais clareza sobre a aprovação da reforma da Previdência no Congresso.

Ainda mais com o dólar flertando a faixa de R$ 4,00 e segurar-se acima da marca de R$ 3,90 ao longo das últimas quatro semanas. A valorização da moeda norte-americana pode provocar um novo choque de oferta, principalmente nas matérias-primas e combustíveis, pressionado os preços para cima, com repasses ao consumidor final.

Ainda na agenda econômica doméstica, o IBGE divulga o último indicador de atividade referente ao mês de março, referente ao desempenho do setor de serviços. Os números, a serem conhecidos às 9h, fecham o cenário para as estimativas de crescimento do PIB no primeiro trimestre deste ano, do lado da oferta.

Já no fim do dia, a China entra em cena para anunciar dados de atividade na indústria e no varejo em abril, além dos investimentos em ativos fixos no país. Ao longo da manhã, saem os preços de importação e de exportação nos EUA no mês passado (9h30), além do sentimento econômico (ZEW) na zona do euro.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Reverteu prejuízo

Vale lucra US$ 739 milhões no 4º tri e termina 2020 com lucro de US$ 4,9 bilhões

Mineradora conseguiu reverter prejuízo do ano anterior, mas lucro trimestral veio abaixo do esperado pelo mercado

Risco fiscal

Efeito de fatiamento da PEC emergencial seria extremamente perverso, diz secretário do Tesouro

“Se for fatiado será pior para todos. Queremos dar o auxílio aos vulneráveis, mas também precisamos de um ambiente fiscalmente organizado para que a economia melhore”, disse Bruno Funchal

Nível pré-pandemia

Governo Central tem superávit de R$ 43,219 bilhões em janeiro

Após 11 meses consecutivos de rombos causados pelos gastos de enfrentamento à pandemia, contas do Governo Central voltam a ter superávit

Pagamentos e maquininhas

Lucro do PagSeguro soma R$ 430 mi no trimestre, maior da história da companhia

Entretanto, companhia com ações negociadas na Nasdaq teve queda no lucro em 2020

o melhor do seu dinheiro

Lá vem o Leão de novo…

Estamos naquela época do ano de novo: temporada de prestação de contas ao Leão! A Receita Federal acaba de divulgar as regras de preenchimento da declaração de imposto de renda 2021, que neste ano deverá ser entregue entre 1º de março e 30 de abril. Parece que foi ontem que estávamos fazendo o exercício cívico […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies