Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-09-13T06:30:49-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Dados de atividade fecham a semana

IBC-Br no Brasil e vendas no varejo dos EUA podem agitar as apostas do mercado financeiro em relação ao Fed e ao Copom na semana que vem

13 de setembro de 2019
5:34 - atualizado às 6:30
dadosfechasemana
Esfriamento na guerra comercial e sinais de um acordo provisório animam os ativos

A semana chega ao fim com o mercado financeiro já à espera dos eventos previstos para os próximos dias, quando os bancos centrais do Brasil (Copom) e dos Estados Unidos (Fed) decidem sobre suas respectivas taxas de juros. Enquanto aguardam, os investidores recebem hoje a última grande leva de indicadores econômicos relevantes, que podem agitar os negócios nesta sexta-feira.

No Brasil, o destaque fica com o índice de atividade econômica do Banco Central. Após as inesperadas altas nas vendas do varejo e no setor de serviços em julho, a estimativa de queda de 0,10% para o IBC-Br em relação a junho pode ser pessimista, abrindo espaço para novas surpresas agradáveis.

Já no confronto anual, a previsão é de alta de 1,00%. Os números efetivos serão divulgados em novo horário, às 9h, e tratam-se do único indicador doméstico previsto para o dia. Será também a última divulgação relevante antes da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana que vem, promovendo os ajustes finais em relação à Selic.

Para este mês, as apostas já estão consolidadas e o mercado financeiro precifica 90% de chance de corte de 0,50 ponto no juro básico, renovando o piso histórico em 5,50%. Ainda há espaço para um ajuste residual nos dois últimos encontros deste ano, de 0,25 ponto, cada. Mas é o comunicado do Copom na próxima quarta-feira que irá calibrar novas quedas.

A depender da sinalização da autoridade monetária, caberá ajustes na curva de juros futuros. Mas será importante observar o comportamento do dólar que, aliás, completa hoje quatro semanas sendo negociado na faixa de R$ 4,00. Muitas instituições financeiras já revisaram a previsão para a taxa de câmbio ao final deste ano, indicando que o patamar é um “novo normal” para o dólar.

Mas essas mesmas “casas” se negam em dizer que pode haver um repasse cambial (pass through) na inflação, pressionando os preços no atacado e elevando os custos na oferta. De qualquer forma, o cenário inflacionário benigno, com o IPCA distante do alvo central perseguido pelo BC neste ano, comporta eventuais pressões - se houver.

Varejo calibra Fed

Já no exterior, merece atenção o desempenho do comércio varejista nos EUA em agosto (9h30). Após o salto do núcleo da inflação ao consumidor norte-americano (CPI) para o maior nível em mais de dez anos, em 2,4% no acumulado em 12 meses, é importante medir o consumo no varejo, de modo a aferir eventuais pressões inflacionárias à frente. A previsão é de desaceleração no ritmo de vendas para +0,3%, de +0,7% em julho.

Ainda assim, o mercado financeiro avalia que o aumento do núcleo do CPI no mês passado não impedirá o Federal Reserve de cortar a taxa de juros norte-americana na semana que vem. Porém, os sinais de pressão inflacionária, se confirmados, podem aumentar a resistência em torno de um ciclo mais agressivo de flexibilização monetária, desapontando parte dos investidores e o próprio presidente dos EUA, Donald Trump.

Também às 9h30, nos EUA, saem os preços de importação e de exportação em agosto (9h30), portanto, ainda antes do impacto das mais recentes tarifas impostas no início deste mês. Ainda no calendário norte-americano, às 11h, é a vez dos estoques das empresas em julho e da versão preliminar de setembro do índice de confiança do consumidor.

Exterior em alta

Enquanto aguardam os indicadores econômicos do dia, os mercados internacionais se sustentam no campo positivo, mantendo a busca por ativos de risco. A sessão na Ásia, porém, foi esvaziada, devido a um feriado na China e em vários outros países da região em homenagem à Lua e à chegada do Outono (中秋节).

No Ocidente, as praças europeias e os índices futuros das bolsas de Nova York estão em alta, após sinais de esfriamento na guerra comercial entre EUA e China. Segundo o Wall Street Journal (WSJ), Pequim estaria tentando limitar o escopo das próximas negociações, na esperança de resolver algumas das principais pendências e romper meses de impasse.

Trump, por sua vez, estaria aberto a um acordo comercial provisório. Ontem, relatos de que Washington estaria disposto em aceitar um acordo interino agitou o mercado financeiro, mas a negativa vinda da Casa Branca decepcionou os investidores. Ao que tudo indica, porém, Trump já não descarta um pacto provisório, algo que é do interesse de ambos os lados.

Resta saber até quando a trégua entre EUA e China irá durar. O grande “se” é se o Fed optar por não fazer nada ou cortar os juros na semana que vem e não acenar continuidade no movimento de baixa. Algo que pode despertar, novamente, a ira de Trump, como visto após a reunião de agosto. A conferir.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De investidor a investimento

TradersClub dispara 15% na estreia na bolsa e já é avaliado em quase R$ 2,5 bilhões

As ações ON do TradersClub (TRAD3) abriram em forte alta e já chegam ao patamar de R$ 11,00 — o IPO foi precificado em R$ 9,50

Exile on Wall Street

Corretagem zero: o lobo atrás da porta

Cheguei numa fase da vida em que preciso evitar duas coisas a qualquer custo: genros e noras aventureiros e gente do bem. Fujo dessas coisas como o diabo foge da cruz. Sobre o primeiro ponto, o negócio não tem stop. É short convexidade total. O jovem inventa de empreender com o dinheiro do sogro e […]

MERCADOS HOJE

Ibovespa busca recuperação antes de decisão do Fed e sobe 1%; dólar recua

Com a inflação mais agressiva dos últimos meses, o Fed vem sendo pressionado para agir, mas os indicadores de desemprego e atividade seguem sustentando uma política monetária mais acomodatícia.

De carona no foguete

Bitcoin volta a tocar patamar dos US$ 40 mil; confira o que está impulsionando o mercado hoje

De acordo com especialistas, o índice do medo do bitcoin se mantém neutro depois de passar dois meses na zona vermelha

Fartura nos resultados

Trimestre apetitoso! McDonald’s supera expectativas do mercado e registra lucro de US$ 2,22 bilhões

Com ajustes, o lucro por ação somou US$ 2,37 e ficou acima da previsão de analistas consultados pela FactSet, de US$ 2,11

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies