Menu
2019-03-12T10:29:30-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado deve manter otimismo

Avanço nas negociações do governo Bolsonaro com o Congresso pela reforma da Previdência e do governo britânico sobre o Brexit anima os investidores

12 de março de 2019
5:32 - atualizado às 10:29
OtimismocomJuros (1)
Resta agora apenas um desfecho nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China

O mercado financeiro brasileiro começou a semana animado, renovando o otimismo com a aprovação da reforma da Previdência no Congresso. E o investidor deve ampliar as expectativas positivas em torno do andamento da proposta nesta semana na Câmara dos Deputados, após o governo liberar R$ 1 bilhão em emendas parlamentares.

A medida faz parte do acordo firmado entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Casa, Rodrigo Maia, e é uma das mais clássicas moedas de troca entre Executivo e Legislativo. É, portanto, a velha política de volta, de modo que o governo consiga compor a base aliada.

Com isso, crescem as chances de a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ser formada na quarta-feira, o que deve favorecer a continuidade da recuperação técnica dos ativos locais observada ontem, após terem testado níveis mais depreciados nos últimos dias. Ao final da sessão, o dólar caiu abaixo de R$ 3,85 e o Ibovespa subiu mais de 2%, de volta aos 98 mil pontos.

Ainda assim, os líderes partidários acertaram ontem com Maia que a votação da nova Previdência na CCJ ficará condicionada à entrega da proposta que sugere mudanças na aposentadoria dos militares, de modo a garantir tratamento igualitário. A expectativa é de que o texto sobre a Previdência dos não civis chegue à Câmara até o próximo dia 20.

Ventos favoráveis

O fato é que, após os ruídos políticos causados durante o carnaval, o presidente Bolsonaro começou a mostrar maior afinco em relação às novas regras para aposentadoria. Mas ainda não se sabe quanto tempo esse comprometimento irá durar - já que ele costuma intercalar, em suas declarações, a agenda econômica com a de polêmicas (costumes, imprensa etc.).

Além disso, o ministro Paulo Guedes (Economia) parece disposto em mexer em muito vespeiro e já articula um plano B, junto ao Senado, para controlar o rombo das contas públicas. A revisão do chamado pacto federativo propõe dar a Brasília o controle do orçamento de estados e municípios.

Desse modo, a União acabaria com as despesas obrigatórias - com pessoal, saúde e educação - e as vinculações orçamentárias, ao mesmo tempo em que anteciparia receitas às unidades da federação que fizerem o ajuste fiscal até 2022. Teve-se, ainda, os cerca de 50 votos que faltam, segundo cálculos de Guedes, para aprovar a reforma na Câmara.

O ambiente externo menos avesso ao risco também contribuiu para o sentimento positivo no mercado local. Todos esses ventos favoráveis contribuíram para uma forte valorização nos negócios ontem e a tendência é de que esse otimismo se mantenha hoje, com mais um dia positivo para os negócios.

Exterior em alta

O ambiente externo segue menos avesso ao risco, após a primeira-ministra britânica, Theresa May, conseguir uma negociação de última hora com a União Europeia (UE) capaz de evitar uma saída desordenada do Reino Unido do bloco comum. A libra tem alta firme em relação ao dólar, após as “mudanças legalmente vinculantes” que envolvem as Irlandas - o chamado backstop irlandês.

A proposta será colocada em votação hoje, menos de 20 dias antes da data programada para o Brexit. Trata-se, portanto, de uma incerteza a menos no radar, restando agora apenas um desfecho nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China. Pequim e Washington estão, no geral, concordando em muitas questões cruciais e realizando discussões significativas, inclusive sobre o câmbio.

Ainda assim, a ausência de novidades sobre o tema não inibe a exposição dos investidores aos ativos mais arriscados. Como pano de fundo, está a perspectiva de que o Federal Reserve não irá mexer nos juros norte-americanos tão cedo, o que mantém o rendimento (yield) do bônus dos EUA de 10 anos (T-note) na faixa de 2,65%.

As principais bolsas asiáticas seguiram o sinal positivo vindo de Nova York ontem e fecharam com ganhos de mais de 1%. Os índices futuros em Wall Street apontam para uma segunda sessão de alta, após interromperem ontem cinco quedas seguidas. O dólar perde terreno para as moedas rivais, enquanto o petróleo avança com o corte da produção na Arábia Saudita acima do esperado.

Na Europa, as principais bolsas também iniciam o pregão no azul, ao passo que o euro se fortalece, após os ajustes “significativos” feitos entre Theresa May e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sobre o Brexit. A oposição, porém, ameaça vetar as mudanças, com o líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, pedindo ao Parlamento que rejeite o acordo.

Com isso, a cautela deve permear os negócios nos próximos dias, com os investidores também acompanhando a agenda econômica, que contempla uma gama de indicadores de atividade e inflação capazes de medir o grau de desaceleração da economia mundial. A depender do resultado, os números podem exercer forte influência no mercado financeiro - aqui e lá fora.

Inflação em destaque

A leitura oficial dos índices de preços ao consumidor brasileiro (IPCA) e norte-americano (CPI) em fevereiro é destaque na agenda econômica desta terça-feira. Por aqui, o IPCA será conhecido às 9h e a previsão é de alta de 0,4% em relação a janeiro. Apesar do ritmo de alta dos preços, a taxa acumulada em 12 meses deve seguir baixa, em 3,9%.

Na sequência, às 9h30, sai a inflação nos EUA e a previsão é de que os preços sigam comportados, sem gerar pressão inflacionária no varejo, com altas de 0,2% no mês e de +2,2% na comparação anual. Também merecem atenção os números no Brasil sobre a safra de grãos (9h) e a prévia deste mês do IGP-M (8h).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Confiança em alta

Casa Branca não vê fator gerador de inflação que Fed não possa controlar

A presidente do Conselho de Consultores Econômicos do governo ressaltou que é importante focar nas tendências para os índices ao invés de oscilações semanais ou mensais

Política monetária em detalhes

Diretor do BC afirma que Selic em 2% não era mais necessária e defende centro da meta inflacionária

Bruno Serra explicou que a retomada da atividade econômica foi mais rápida do que se imaginava e justificou a elevação da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies