A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-02-08T08:47:27-02:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Incertezas com economia global e Previdência pesam nos mercados

Temor de desaceleração do crescimento global eleva aversão ao risco no exterior e influencia os negócios locais, impactados, também, pela piora na saúde do presidente

8 de fevereiro de 2019
5:34 - atualizado às 8:47
incertezaspesam
Aos olhos do mercado, saúde de Bolsonaro pode afetar o andamento da agenda de reformasImagem: shutterstock

O mercado financeiro chega ao fim da primeira semana deste mês com um cenário bem mais nebuloso do que o projetado em janeiro. Após a euforia que embalou os ativos globais no mês passado, em meio a um maior apetite por risco, fevereiro já dá sinais de que eram exageradas as expectativas em relação à reforma da Previdência e à guerra comercial.

Bastaram alguns dias para os negócios locais se darem conta de que o processo de apreciação das novas regras para a aposentadoria no Congresso Nacional será bem mais longo - com riscos de diluição do texto original, o qual ainda nem se conhece. Da mesma forma, os mercados lá fora perceberam que o conflito entre Estados Unidos e China vai muito além do comércio.

Com o Congresso aberto e com o prazo para o fim da trégua tarifária entre as duas maiores economias do mundo se aproximando, a volatilidade dos ativos tende a aumentar. A diferença é que aqui ainda se espera a aprovação de alguma reforma previdenciária, daqui a alguns meses, talvez, enquanto lá fora cresce o temor de uma desaceleração global.

Além da perda de tração da economia chinesa, os dados fracos sobre a atividade na Alemanha mostram um cenário desafiador na Europa, que já está sofre com as incertezas sobre a saída do Reino Unido do bloco comum europeu. Já França e Itália entram em rota de colisão diplomática, após os piores ataques verbais de Roma “desde o fim da Guerra”.

Ao mesmo tempo, pesam nos mercados relatos de que os líderes Donald Trump e Xi Jinping não irão se encontrar para tratar da questão comercial antes do fim da trégua tarifária, no início de março. Com isso, devem entrar em vigor no próximo mês a sobretaxa de 25% em US$ 200 bilhões de produtos chineses, elevando a tensão entre os dois países.

Exterior tenso

As renovadas preocupações com as negociações comerciais sino-americana e os novos temores quanto ao crescimento econômico mundial por causa dos sinais vindos da Europa abalam os mercados internacionais nesta sexta-feira. As bolsas asiáticas encerraram em queda, com Hong Kong voltando aos negócios após a pausa pela festividade de ano-novo.

Mas as perdas foram mais pronunciadas em Tóquio e Seul, ao passo que na Oceania, Sydney também fechou no vermelho. No Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York apontam para mais uma sessão negativa hoje, após o pessimismo sobre a questão comercial e com a economia global pressionar Wall Street ontem.

A falta de progresso em pontos delicados sobre o comércio envolvendo EUA e China cerca as incertezas de uma resolução, o que aumenta a busca por proteção em ativos seguros, fortalecendo o dólar e os bônus norte-americanos. O ouro também avança. Já o petróleo é cotado abaixo de US$ 53, enquanto o minério de ferro alcançou o maior nível desde 2014, em meio à crise envolvendo a Vale, que reduz a oferta global do metal básico.

Fora de combate

Esse desempenho negativo no exterior pode puxar um novo recuo da Bolsa brasileira e uma nova valorização do dólar hoje, com os negócios locais também impactados pela cautela frente à ausência de novidades sobre a reforma da Previdência. Aos olhos do mercado, a piora na saúde do presidente também pode afetar o andamento da agenda de reformas.

Com Jair Bolsonaro ainda “fora de combate”, o cenário político tende a ficar ainda mais nebuloso, elevando a postura defensiva dos investidores e pressionando os ativos domésticos. Ainda mais após detectarem uma pneumonia bacteriana, que irá prolongar a permanência do presidente no hospital.

Não há nova previsão de alta, após 11 dias de internação. A detecção da pneumonia pode prolongar o afastamento do presidente por, no mínimo, mais sete dias. Inicialmente, a equipe responsável pela operação estimava dez dias de internação, completados na quarta-feira. Mas a forte febre que ele teve no último domingo já havia adiado esse prazo.

Com isso, a versão definitiva para a reforma da Previdência fica em suspense, já que Bolsonaro dará a palavra final sobre temas-centrais, como a idade mínima para se aposentar. Além disso, a demora do presidente em retornar às atividades em Brasília cria margem para ruídos e incertezas sobre a agenda do governo e o estado de saúde do presidente, tornando um terreno fértil para especulações.

Ao mesmo tempo, a equipe econômica vai soltando outros “balões de ensaio”, de modo a medir a aceitação dos diversos públicos (mercado, político e população) às medidas que estão sendo analisadas. É o caso da carteira de trabalho verde e amarela, na qual o trabalhador poderá “escolher” os direitos que quer ter.

O problema é que ao ventilar essa possibilidade, sem detalhar como seria tal sistema alternativo, o ministro Paulo Guedes (Economia) acaba criando muitos assuntos de interesse e dividindo as atenções, ao invés de focar em um tema por vez. Afinal, a questão é igualmente polêmica e não fará parte da proposta (PEC) de reforma da Previdência.

IPCA em destaque

A agenda econômica desta sexta-feira traz como destaque a leitura oficial da inflação ao consumidor brasileiro em janeiro. A previsão é de que o IPCA tenha um resultado “salgado”, pressionado pelos reajustes nas tarifas de ônibus urbanos e também no grupo Educação. Com isso, a taxa mensal deve ganhar força em relação a dezembro e subir 0,4%.

Ainda assim, a taxa acumulada em 12 meses deve seguir em nível confortável, distante da meta perseguida pelo Banco Central neste ano (4,25%), em 3,8%. Os números efetivos serão divulgados às 9h, juntamente com dados sobre o custo na construção civil e sobre o desempenho da indústria regional. Já no exterior, o calendário do dia está esvaziado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

BALANÇO

Taesa (TAEE11) vê lucro líquido cair 19,2% no trimestre e anuncia pagamento milionário de dividendos

10 de agosto de 2022 - 20:47

As empresas do setor energético são conhecidas por encherem os bolsos dos investidores de dividendos. Por isso, o mercado olha com atenção para os números da Transmissora Aliança de Energia Elétrica (TAESA-TAEE11) divulgados nesta quarta-feira (10). Mas o balanço não trouxe boas notícias: a companhia encerrou o segundo trimestre com um lucro líquido de R$ […]

O XERIFE TÁ DE OLHO

Petrobras (PETR4) diz que recebeu ofício da CVM sobre anulação de assembleia que elegerá novo conselho; entenda

10 de agosto de 2022 - 20:22

A solicitação foi formulada pela Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobras (Anapetro) para suspender AGE da próxima semana

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação americana perde força, Curry dispara e XP decepciona; confira os destaques do dia

10 de agosto de 2022 - 19:14

O indicador de inflação ao consumidor dos EUA ficou estável, contrariando a expectativa de alta, e realimentou a esperança de que o Federal Reserve não deve agir de forma tão dura

MISSÃO CUMPRIDA

Banco do Brasil tem lucro de R$ 7,8 bilhões no 2T22 e cumpre promessa de se equiparar a bancos privados em rentabilidade

10 de agosto de 2022 - 19:12

Lucro do Banco do Brasil aumentou 54,8% em relação ao mesmo período de 2011 e rentabilidade sobre o patrimônio líquido superou a do Bradesco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies