Menu
2019-04-04T09:57:42-03:00
Estadão Conteúdo
Luta contra a desaceleração

Em ata, Banco Central Europeu diz que discutiu medidas de estímulos mais agressivas em março

BCE afirmou que suas taxas básicas de juros permanecerão nas mínimas histórias atuais até pelo menos o fim do ano e anunciou novas operações de empréstimos baratos destinados a bancos da zona do euro

4 de abril de 2019
9:57
Zona do Euro, União Europeia
Bandeira da União Europeia - Imagem: shutterstock

Dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) discutiram medidas de estímulos mais agressivas para impulsionar a economia da zona do euro em sua reunião de política monetária de 7 de março e sinalizaram disposição de voltar a agir nos próximos encontros.

A ata da reunião, publicada nesta quinta-feira, mostra que as autoridades do BCE estão preocupadas que o atual momento de fraqueza da zona do euro perdure por mais tempo do que se previa.

Na reunião do mês passado, o BCE afirmou que suas taxas básicas de juros permanecerão nas mínimas históricas atuais até pelo menos o fim do ano e anunciou novas operações de empréstimos baratos destinados a bancos da zona do euro. Anteriormente, o BCE indicava que manteria os juros inalterados até o fim do verão europeu.

Também em 7 de março, alguns dirigentes argumentaram que o BCE não deveria elevar juros antes de março de 2020, aponta o documento.

A ata também mostra que o BCE poderá reajustar sua política "em alguma das próximas reuniões caso a perspectiva evolua de forma menos favorável do que o esperado".

Os dirigentes também demonstraram preocupação com uma série de riscos externos, incluindo tensões comerciais entre Estados Unidos e China, a desaceleração da economia chinesa, o intrincado processo do Brexit - como é conhecido o processo para que o Reino Unido se retire da União Europeia - e vulnerabilidades nos mercados emergentes.

Na avaliação do BCE, alguns fatores por trás da fraqueza da zona do euro, como os desdobramentos na China, "não deverão diminuir em poucos meses" e a persistência das incertezas poderá ter impacto negativo mais forte nos investimentos.

O documento também evidenciou a preocupação de alguns dirigentes do BCE com os efeitos dos juros baixos na rentabilidade do setor bancário da zona do euro. Um deles pediu análise mais abrangente do impacto da política no setor financeiro da região.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

decisão judicial

Justiça ordena religação de internet do governo do RJ; Oi alega inadimplência

Empresa acusa o governo do Estado de ter uma dívida com a empresa desde 2017 – hoje ela está em R$ 300 milhões

promessa de ipo

Locaweb compra ConnectPlug por R$ 18 milhões e avança em segmento de alimentação

Empresa comprada começou em food services mas hoje também atende outros segmentos, com foco em pequenas e médias empresas

seu dinheiro na sua noite

Mais fácil falar que fazer

Hoje foi um daqueles dias em que as falas dos detentores do poder no cenário doméstico até repercutiram no mercado, mas foram sobrepostas pelos fatos e pelo que aconteceu no exterior. O mercado local começou o dia animado com as apresentações do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, no badalado evento […]

perspectivas

Para Verde e SPX, auxílio emergencial por mais três meses não é preocupante

Luis Stuhlberger e Rogério Xavier dizem que a medida pode ser necessária, caso a vacinação demore demais; ambos veem 2021 positivo para os mercados

FECHAMENTO

Aceno liberal do governo não convence e bolsa fecha o dia no vermelho; na contramão, dólar cai mais de 3%

Em evento do Credit Suisse, Bolsonaro e Guedes reafirmaram o compromisso com o andamento das reformas e das privatizações, mas o mercado espera ações mais concretas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies