Menu
2019-04-04T09:57:42-03:00
Estadão Conteúdo
Luta contra a desaceleração

Em ata, Banco Central Europeu diz que discutiu medidas de estímulos mais agressivas em março

BCE afirmou que suas taxas básicas de juros permanecerão nas mínimas histórias atuais até pelo menos o fim do ano e anunciou novas operações de empréstimos baratos destinados a bancos da zona do euro

4 de abril de 2019
9:57
Zona do Euro, União Europeia
Bandeira da União Europeia - Imagem: shutterstock

Dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) discutiram medidas de estímulos mais agressivas para impulsionar a economia da zona do euro em sua reunião de política monetária de 7 de março e sinalizaram disposição de voltar a agir nos próximos encontros.

A ata da reunião, publicada nesta quinta-feira, mostra que as autoridades do BCE estão preocupadas que o atual momento de fraqueza da zona do euro perdure por mais tempo do que se previa.

Na reunião do mês passado, o BCE afirmou que suas taxas básicas de juros permanecerão nas mínimas históricas atuais até pelo menos o fim do ano e anunciou novas operações de empréstimos baratos destinados a bancos da zona do euro. Anteriormente, o BCE indicava que manteria os juros inalterados até o fim do verão europeu.

Também em 7 de março, alguns dirigentes argumentaram que o BCE não deveria elevar juros antes de março de 2020, aponta o documento.

A ata também mostra que o BCE poderá reajustar sua política "em alguma das próximas reuniões caso a perspectiva evolua de forma menos favorável do que o esperado".

Os dirigentes também demonstraram preocupação com uma série de riscos externos, incluindo tensões comerciais entre Estados Unidos e China, a desaceleração da economia chinesa, o intrincado processo do Brexit - como é conhecido o processo para que o Reino Unido se retire da União Europeia - e vulnerabilidades nos mercados emergentes.

Na avaliação do BCE, alguns fatores por trás da fraqueza da zona do euro, como os desdobramentos na China, "não deverão diminuir em poucos meses" e a persistência das incertezas poderá ter impacto negativo mais forte nos investimentos.

O documento também evidenciou a preocupação de alguns dirigentes do BCE com os efeitos dos juros baixos na rentabilidade do setor bancário da zona do euro. Um deles pediu análise mais abrangente do impacto da política no setor financeiro da região.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Educação

Ações da Cogna avançam, mesmo com prejuízo líquido de R$ 90,975 milhões no 1º trimestre

Confira outros destaques do balanço da empresa, que viu uma queda de 18,1% nos investimentos

Exile on Wall Street

As bolsas deixaram os fundamentos de lado esta semana — mas você não deve!

A semana é de resultados, mas não se fala em outra coisa a não ser na alta de juros, após reunião do Copom que levou a Selic para 3,5% ao ano. Além disso, a inflação americana, que veio acima da expectativa, elevou as estimativas de juros futuros nos Estados Unidos.  Com isso, mesmo empresas com […]

esg

BTG e consórcio de investidores compram ativos florestais da Arauco no Chile por US$ 385,5 milhões

Segundo o banco, a transação do TIG envolve cerca de 80,5 mil hectares de áreas florestais de “alta qualidade e com manejo sustentável”, nas regiões do Centro e Sul do país

No Velho Continente

Amplo apoio monetário é essencial para garantir volta da inflação à meta, diz Banco Central Europeu

A avaliação, consensual entre os dirigentes, é justificada por incertezas sobre a pandemia e o ritmo de vacinação contra o coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies