Menu
2021-02-03T14:43:25-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
ao resgate

O homem que “salvou o euro” é convocado para salvar a Itália

Presidente italiano incumbe Mario Draghi a tarefa de formar novo governo, em meio a crise de saúde e econômica do país

3 de fevereiro de 2021
11:59 - atualizado às 14:43
mario-draghi
Mario Draghi - Imagem: Shutterstock

Dizer que a política italiana é uma bagunça é quase um eufemismo. Praticamente todas as matérias a respeito do tema invariavelmente utilizam palavras como crise, renúncia e incerteza.

São pouco os primeiros-ministros que conseguem governar do momento em que são eleitos até o último de mandato. Podemos colocar parte da questão na conta do sistema parlamentarista, em que o mandatário pode ser deposto facilmente, bastando políticos e partidos saírem da base aliada.

Bom, a Itália agora está sem primeiro-ministro, depois que Giuseppe Conte renunciou ao cargo na semana passada, diante da falta de apoio no Parlamento.

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, iniciou o processo de buscar um sucessor até as eleições – no sistema parlamentarista, quando um primeiro-ministro cai, o chefe de Estado (no caso da Itália, o presidente) inicia consultas com os partidos para verificar se existe algum nome capaz de formar uma coalizão para governar o país até as eleições, ou uma nova queda.

E após as consultas, ele creditou a responsabilidade de formar um governo a alguém fora do mundo político: Mario Draghi, ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE).

Responsável pela política monetária da zona do euro entre 2011 e 2019, Draghi, de 73 anos, aceitou o desafio nesta quarta-feira (3). A repórteres, ele disse que topou a tarefa porque a Itália enfrenta uma série de duros desafios, que incluem uma crise de saúde e econômica provocada pela pandemia de covid-19.

“É um momento difícil”, disse ele. Ele fez um apelo pela união das diversas correntes políticas do país. “Nós temos a chance de fazer muito pelo nosso país.”

A notícia que ele está trabalhando para formar um governo fez a Bolsa de Valores de Milão subir mais de 2% nesta quarta-feira. Segundo analistas do banco italiano UniCredit, a possibilidade de a Itália ser governada por uma figura respeitada como Draghi “deve ser vista, especialmente pelos investidores, como uma solução muito boa no curto prazo”.

Quem é Mario Draghi?

Draghi é economista e foi presidente do banco central da Itália entre 2006 e 2011, além de ter trabalhado no Tesouro italiano e no Banco Mundial.

Ele assumiu o BCE no auge da crise que assolava a zona do euro, sendo creditado como o principal responsável por evitar a desintegração da união monetária europeia.

Afirmando que estava preparado para fazer “o que fosse preciso”, ele bancou uma política monetária altamente acomodatícia, colocando os juros nos menores patamares da história, anunciando um programa de compra de títulos soberanos dos países do bloco e injetando 80 bilhões de euros por mês de recursos por meio de compra de títulos de instituições financeiras.

Em 2014, Draghi foi eleito pela revista Forbes como a oitava pessoa mais poderosa do mundo. Paul Krugman, vencedor do prêmio Nobel de economia em 2008, já chegou a chamá-lo de “o maior banqueiro central dos tempos modernos”.

* Com informações de agências internacionais

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Seleção da bolsa

As ações favoritas para o mês de março, segundo 13 corretoras

Com o cenário de incertezas ainda em alta, o mercado opta mais uma vez para papéis que podem atuar como porto seguro. Confira as principais recomendações dos analistaws

Sextou com o Ruy

A rentabilidade do vizinho é maior que a sua? Tome cuidado com os ganhos dos “traders perfeitos”

A inveja é, sem dúvida alguma, uma das piores inimigas de um investidor – isso se não for a pior. E quando estamos em um bull market (mercado em alta) parece que temos que lidar o tempo todo com ela

Vêm proventos por aí

B3 anuncia quase R$ 2 bi em dividendos, além de recompra e desdobramento de ações

Conselho de administração da companhia aprovou pagamento de dividendos do quarto trimestre e dividendos extraordinários referentes a 2020

Cenário pandêmico

B3 lucra R$ 4,2 bilhões em 2020, alta de 53%, com volatilidade dos mercados, ofertas de ações e juros baixos no Brasil

Cenário pandêmico acabou beneficiando os resultados da companhia, resultando em volatilidade e juros baixos que impulsionaram investidores e empresas a recorrerem ao mercado de capitais

O melhor do seu dinheiro

A semana que vem, enfim, chegou

Depois de uma série de adiamentos, a PEC Emergencial enfim foi aprovada em dois turnos pelo Senado. A medida permitirá o retorno do auxílio emergencial, que ficará limitado ao teto de R$ 44 bilhões, que quase foi derrubado, mas acabou ficando. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados. O avanço foi comemorado pelo […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies