Menu
2019-04-04T14:11:17-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Novo Governo

Transmissão de cargo a Paulo Guedes acontece no dia 2 de janeiro

Guedes concentrará os cargos de ministro da Fazenda, Planejamento e Indústria, Comércio Exterior e Serviços

27 de dezembro de 2018
11:23 - atualizado às 14:11
Paulo Guedes
Ministro da economia, Paulo Guedes - Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

O Ministério da Fazenda divulgou nota informado que no dia 2 de janeiro acontecerá a cerimônia de transmissão de cargo dos ministros da Fazenda, Eduardo Guardia, do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge, ao ministro da Economia, Paulo Guedes. O evento será às 15 horas, no Instituto Serzedello Corrêa, em Brasília.

A nova estrutura comandada por Guedes terá seis secretarias especiais, cada uma delas com suas próprias secretarias para tocar áreas específicas. A reforma administrativa é uma das maiores já vista na Esplanada e o time escolhido por Guedes foi bem recebido pelo mercado. O desafio, agora, é colocar toda a nova estrutura para funcionar em tempo relativamente rápido.

O secretário-executivo, tido como “número dois” do Ministério da Economia, é Marcelo Pacheco dos Guaranys, técnico de carreira do Tesouro Nacional.

Na Secretaria Geral de Desestatização está o empresário Salim Mattar, que esteve no comando da Localiza.

A Secretaria do Tesouro Nacional segue sob comando de Mansueto de Almeida, funcionário de carreira do Ipea e ex-secretário de Acompanhamento Econômico no Ministério da Fazenda.

Na Receita Federal está Marcos Cintra, economista que até sua vinda ao governo presidia a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Para a Secretaria de Comércio Internacional o indicado foi Marcos Troyjo, PhD em sociologia das relações internacionais pela Universidade de São Paulo. Troyjo fundou e dirigiu o Center for Business Diplomacy, um think-tank independente sobre educação, negócios e assuntos globais.

O comando da Secretaria de Produtividade e Emprego está com Carlos Alexandre da Costa, economista e ex-diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Costa também foi fundador do Ibmec Educacional.

Na Secretaria Especial da Previdência Social e Trabalho está o deputado Rogério Marinho, que foi relator da Reforma Trabalhista.

A Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital está sob responsabilidade de Paulo Uebel, advogado que ocupou a Secretaria de Gestão durante o governo de João Doria (PSDB) na prefeitura de São Paulo.

O economista do Ipea Adolfo Sachsida vai comandar a Secretaria de Política Econômica (SPE).

Para secretário-geral Adjunto da Fazenda o nome escolhido foi de Esteves Colnago, atual ministro do Planejamento.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

atenção, acionista

Vale eleva valor de dividendo a ser em pago em 30 de junho para R$ 2,189 por ação

No dia 17 de junho, a empresa tinha informado o pagamento de R$ 2,177 de dividendo por ação; demais condições da distribuição não serão alteradas

de olho na inovação

Moeda digital é nova forma de representação da moeda já emitida, diz Campos Neto

Segundo ele, ela não se confunde com os criptoativos, como o bitcoin, que não têm característica de moeda, mas sim de ativos

em audiência

Yellen diz esperar apoio do G-20 para proposta de imposto corporativo global

Grupo das 20 maiores economias do mundo se reúne em julho e deve debater o assunto

retomada

PIB da Argentina sobe 2,6% no 1º trimestre

Na comparação com igual período do ano passado, o avanço foi de 2,5%

disparada das ações

Vítima da crise de 2008, Brasil Brokers (BBRK3) vira alvo de especulação na bolsa

Papéis subiram mais de 80% apenas nesta quarta-feira, mas empresa diz desconhecer razão para o movimento; BR Brokers registra sucessivos prejuízos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies