Menu
2019-04-20T17:28:55-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Investimentos

Itaú mantém inalterada carteira recomendada de Fundos Imobiliários

Expectativa é de que os ativos se beneficiem de um cenário de retomada da atividade e aquecimento do setor

9 de outubro de 2018
11:14 - atualizado às 17:28
imóveis
Imagem: Divulgação

O Itaú BBA apresentou sua carteira recomenda de Fundos Imobiliários (FII) para o mês de outubro. Os ativos listados não sofreram alteração com relação às recomendações feitas em setembro.

“Em 2018, os fundos imobiliários passam por uma correção de preços. A nosso ver, os FIIs estão sendo impactados mais pela abertura na curva longa de juros do que por mudanças nas teses de investimento específicas dos fundos. Nossa expectativa é que os fundos imobiliários se beneficiem em um cenário de retomada de atividade econômica e eventual aquecimento do setor imobiliário”, diz a instituição em relatório.

Recentemente apresentamos os FIIs como uma alternativa de investimento e diversificação mesmo em um cenário no qual a taxa básica de juros venha a subir.

Segundo o banco, a alocação sugerida é de igual percentual entre os cinco fundos sugeridos. A estratégia para a carteira é de renda, visando fundos com retorno (dividend yield) preferencialmente acima da média de mercado e previsibilidade no fluxo de rendimentos.

Carteira

HGBS11 - CSHG Brasil Shopping - Fundo detém investimentos em oito shopping centers, distribuídos em quatro Estados, que juntos totalizam 370 mil metros de Área Bruta Locável (ABL). A tese de investimento tem por base a exposição à retomada da atividade econômica e do consumo. Portfólio maduro, diversificado geograficamente e com diferentes operadores. Potenciais reduções da inadimplência (4%) e da vacância (6,9%).

HGLG11 - CSHG Logística - Fundo detém 12 galpões logístico-industriais distribuídos entre São Paulo (45%), Minas Gerais (26%), Santa Catarina (21%) e Rio de Janeiro (8%). Instituição acredita em um ambiente favorável para novas aquisições e o potencial de redução de vacância no segmento logístico.

HGRE11 - CSHG Real Estate - Fundo possui participação em 199 unidades locáveis, localizadas em 20 empreendimentos diferentes concentrados no estado de SP (84%). O banco gosta da gestão ativa do fundo com relação à compra e venda de ativos. O fundo possui elevada exposição ao estado de SP, para o qual se antecipa uma redução de vacância mais rápida e aumento no valor do aluguel médio.

KNRI11 - Kinea Renda Imobiliária - Fundo conta com 15 ativos imobiliários, sendo sete edifícios comerciais e oito centros logísticos. 45% dos contratos são atípicos. Tese parte da avaliação de risco/retorno favorável. Gestão ativa e proximidade com os inquilinos são fatores positivos para a redução da vacância e renovação de contratos.

KNIP11 - Kinea Índice de Preços - Fundo possui carteira com 24 Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), todos indexados à índices de inflação. O papel exerce função defensiva na carteira, considerando a previsibilidade na geração de caixa e rentabilidade elevada. Nos próximos meses, o fundo deverá alocar os recursos captados na 3ª oferta (R$ 760 milhões).

Desde o lançamento, em abril de 2018, a carteira recomendada apresenta retorno total negativo de 8,3%, contra uma queda de 9,2% do índice amplo IFIX, índice que capta o desempenho médio do segmento.

Em 2018 o IFIX apresenta desvalorização 3,8%, com um dividend yield corrente de 7,2%, em termos anualizados. Na atual composição, o dividend yield  corrente da carteira recomendada é de 7,6%, um prêmio de 200 pontos base sobre a Nota do Tesouro Nacional – 2024, dada aqui como parâmetro.

 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies