Menu
2019-04-04T13:55:44-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
ANÁLISE

Revolta no Olimpo: os ‘deuses do STF’ impõem um desafio aos negócios e à governabilidade do país

Eventos da semana passada só evidenciam a desafiadora tarefa do novo governo em reformar o Estado, acabar com privilégios e modernizar as relações entre os deuses de Brasília e o resto da população

23 de dezembro de 2018
15:55 - atualizado às 13:55
Marco Aurélio Mello – ministro do STF
Ministro do STF Marco Aurélio. De fato, vivemos uma quadra muito estranha, como disse o ministro certa vez - Imagem: Nelson Jr./SCO/STF

O Olimpo, às vezes, se excede em suas orgias e fica todo mundo sem condições de raciocinar direito!

A frase é de um grande amigo e ilustra bem o que aconteceu na semana que passou, tendo como Olimpo, o Poder Judiciário e demais instâncias de Poder que temos aqui em Brasília.

Na terça-feira, tinha falado que o Estado brasileiro é uma máquina de desigualdade com autorização Constitucional e chancela do STF para funcionar ao comentar sobre a recriação do auxílio-moradia. E desde então mais e mais exemplos vieram para fundamentar a tese.

Na quarta-feira, um dos deuses se insurge contra o Olimpo Togado e manda soltar todos os presos sem trânsito em julgado. Quem liga que o Plenário do STF tenha formado um entendimento diferente? Como um colegiado de deuses ousa discordar da posição desse deus em particular e, pior, manda esperar! Do que adianta ter poder se não puder exerce-lo, não é mesmo?

“Se o Supremo ainda for Supremo, minha decisão tem que ser obedecida”, disse o togado em questão. Chego a imaginar os raios e trovões ecoando ao fundo.

Fazendo um paralelo da confusão criada por Marco Aurélio Mello com a área econômica, é como se o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC votasse pela manutenção da Selic em 6,5%. Mas um dos diretores se sentisse contrariado, esperasse alguns dias e soltasse um documento fixando o juro em 20%. Às favas com o  princípio da colegialidade, ou como dizem os americanos “my way, or the highway”, ou aquele moço francês: “depois de mim, o dilúvio”

Não existe uma Instituição ou um Poder a ser preservado. O espírito de corpo, no bom sentido, não existe mais. Procura-se um STF para ser guardião para a Constituição, pois 11 diferentes STFs não está funcionando como deveria.

Não satisfeito em passar por cima dos pares do Judiciário, Marco Aurélio se vira para o setor empresarial e proíbe a Petrobras de vender ativos e tomar outras decisões.

De um Olimpo de instância inferior, um colega de toga menos viçosa manda, pela segunda vez, parar as negociações entre a Embraer e Boeing. Chega de entreguismo. Nada de dar as joias da Coroa ao capital financeiro internacional!

Ainda não satisfeito, o mesmo Marco Aurélio volta-se para o Legislativo, e decide que as eleições para presidente do Senado têm de ser com voto aberto, contrariando as regras, goste ou não, que são da Casa.

Na mesma toada, o colega Ricardo Lewandowski manda o governo pagar o reajuste dos servidores. Impacto no bolso dos mortais de R$ 4,7 bilhões em 2019. Oras, está na lei e não importa que a lei seja um moto-perpétuo de desigualdade e injustiça, pois função precípua do Estado é garantir os “direitos adquiridos”.

Do outro lado da Praça dos Três Olimpos, o chefe do Legislativo então ocupando a cadeira do chefe do Executivo, no caso Rodrigo Maia (DEM-RJ), sanciona uma lei que afrouxa os ditames da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para Estados e municípios. Está difícil cumprir a lei, na verdade é uma chatice essa coisa de ter contas em dia. Então, mude-se a lei!

Tem uma frase citada por Roberto Campos, na verdade a “lei do King Murphy”, que diz o seguinte: “não estão seguras a vida, a liberdade e a propriedade de ninguém enquanto a legislatura estiver em sessão.” Definição melhor não há.

Todos esses eventos da semana (e o leitor pode somar outros tantos) só evidenciam o quão desafiadora será essa tentativa do governo Jair Bolsonaro em reformar o Estado, acabar com privilégios e modernizar as relações entre os moradores dos diversos Olimpos que temos por aqui com o resto dos mortais.

Em suas palestras, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, faz um paralelo entre Versalhes e Brasília para mostrar o abismo que existe entre a corte ou Olimpo que habita o Planalto Central e o restante do Brasil. Em pouco mais de uma semana a expectativa é de que as guilhotinas comecem a cair. Tomara que cortem as cabeças certas!

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

O cliente voltou

EUA retomam importação de carne in natura do Brasil

Até o momento, os americanos vinham comprando apenas carne enlatada do Brasil

Mudou de vez

Grupo Pão de Açúcar conclui migração para o Novo Mercado da B3 e ações PN deixarão de ser negociadas

Empresa anunciou ainda o início da negociação de ADRs na Bolsa de Valores de Nova York

Enfim, a decisão

Azul fecha acordo para a compra da TwoFlex por R$ 123 milhões

Proposta já havia sido comunicada ao mercado em 14 de janeiro deste ano, mas só agora foi definida

Seu Dinheiro na sua noite

Mamãe eu quero, mamãe eu quero dólar…

Quem me acompanha há algum tempo aqui na newsletter já deve me conhecer o suficiente para não se chocar com a revelação que vou fazer a seguir: eu não sou um grande fã de Carnaval. Mas se você curte sair nos blocos que vão invadir as ruas da cidade e fazer outras estripulias nos próximos […]

De olho no comércio

Procon vê irregularidades em fixação de preço nas lojas da Swift, da JBS

Produtos apresentavam apenas o valor do quilo, obrigando consumidor a fazer cálculos para saber quanto custa cada peça

Recorde atrás de recorde

Dólar sobe pelo quinto dia, cruza pela primeira vez os R$ 4,40 e avança mais de 2% na semana

Pressionado pela aversão ao risco no exterior e pela cautela com o cenário político doméstico, o dólar à vista atingiu novas máximas na semana e rompeu a barreira dos R$ 4,40 no momento de maior tensão. O Ibovespa também teve uma semana de maior estresse, recuando 0,61% desde segunda-feira

Enfim, consenso

Petrobras sela acordo com funcionários e põe fim à greve que durou 20 dias

Acordo foi possível após reunião de conciliação que começou na manhã desta sexta-feira

ONDE INVESTIR

Vale a pena investir em Ações Microcaps?

Max Bohm explica por que ele acredita que comprar as pequenas notáveis da bolsa é o melhor investimento do mundo.

Epidemia mundial

Coronavírus aumenta impacto sobre produção do setor eletroeletrônico, diz Abinee

57% das empresas associadas já enfrentam problemas no recebimento de materiais, componentes e insumos

Texto pronto!

Bolsonaro assina proposta de reforma administrativa que enviará após o carnaval

Presidente retirou do texto analisado a proibição ao servidor público de se filiar a partido político

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements