Menu
2019-06-21T19:06:38+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Entrevista

Sem Parar, o primeiro unicórnio brasileiro, vai além do pedágio e acirra disputa por pagamentos

Com 5 milhões de clientes, o Sem Parar virou praticamente sinônimo de pagamento automático de pedágio. Mas diversificou a atuação para crescer e se defender da concorrência. Eu entrevistei Fernando Yunes, presidente da empresa, e conto mais detalhes dos planos

5 de junho de 2019
5:59 - atualizado às 19:06
Fernando Yunes, presidente do Sem Parar
Para este ano, a expectativa do Sem Para é ter um crescimento superior a 10%, segundo Yunes Imagem: Leo Martins/Seu Dinheiro

Nem Nubank nem o aplicativo de transporte 99. Se levarmos ao pé da letra a definição de unicórnio - nome dado a uma startup avaliada acima de US$ 1 bilhão - o primeiro que surgiu no mercado brasileiro foi o Sem Parar.

A empresa de pagamento automático de pedágio, que permite ao usuário passar sem a necessidade de parada nas cabines, obteve a avaliação em março de 2016, na venda para a FleetCor. A americana pagou R$ 4 bilhões (ou US$ 1,05 bilhão, nas cotações da época) por 100% da companhia.

Quem reivindica o posto de primeiro unicórnio brasileiro para o Sem Parar é o presidente da companhia, Fernando Yunes, que me recebeu para uma entrevista na sede da empresa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Com 5 milhões de clientes, o Sem Parar virou praticamente sinônimo do serviço que oferece e lidera esse mercado com folga. Mas, como todo bom negócio, atraiu vários concorrentes desde 2013, com o fim do monopólio do serviço em São Paulo, onde se concentra boa parte do fluxo de veículos – e pedágios.

Até o fim deste ano, a previsão é que seis empresas diferentes ofereçam o serviço. Atualmente existem quatro em operação, incluindo duas ligadas a grandes bancos, como a ConectCar (Itaú Unibanco) e Veloe (Bradesco e Banco do Brasil).

Apesar da concorrência, trata-se de um mercado que ainda possui grande espaço para crescimento, segundo Yunes. Ele sabe bem do que fala, já que passou a última década na Whirlpool, fabricante de eletrodomésticos dona das marcas Brastemp e Consul. “Como você tem geladeira e fogão em 100% dos lares, só ganha participação de mercado tirando de um concorrente ou com o próprio crescimento do mercado.”

No caso do pedágio eletrônico, ainda há uma estrada a ser percorrida, sem trocadilho. A estimativa é que hoje metade das passagens nas rodovias aconteça nos sistemas automáticos. Mas como os carros com o equipamento instalado costumam passar muito mais vezes do que os demais, o número de potenciais clientes é ainda maior.

Para chegar aos demais veículos e se defender do avanço da concorrência, o Sem Parar decidiu investir para ter sua placa além das estradas. A companhia quer que você passe não só pelos pedágios sem colocar a mão na carteira como também em postos de gasolina, estacionamentos e restaurantes com “drive thru”. Em outras palavras, a empresa quer engrossar a disputa no cada vez mais acirrado mercado de meios de pagamento.

“No fundo, o Sem Parar nada mais é do que um cartão de crédito colado no vidro do carro”, comparou Yunes.

Fernando Yunes, presidente do Sem Parar, em entrevista a Vinícius Pinheiro
Yunes me mostra o aplicativo do Sem Parar para celular - Imagem: Leo Martins/Seu Dinheiro

E a crise?

Embora tenha sido avaliado como unicórnio, nos últimos anos o Sem Parar sentiu os efeitos da crise econômica e da maior concorrência e registrou taxas de crescimento menores. Mas para este ano, a expectativa é ter um crescimento superior a 10%, segundo Yunes.

Mesmo com o ritmo menor de expansão, no primeiro trimestre deste ano as operações brasileiras responderam por 17% da receita da Fleetcor, cujas ações estão listadas na Bolsa de Nova York (Nyse).

O faturamento da dona do Sem Parar foi de US$ 622 milhões (R$ 2,4 bilhões) nos três primeiros meses deste ano, alta de 6% em relação ao mesmo período do ano passado, mas o lucro recuou 2%, para US$ 172 milhões (R$ 674 milhões).

Melhor que o Apple Pay?

Ao contrário do que muitos pensam, a receita do Sem Parar não vem do pedágio, mas da mensalidade cobrada dos usuários do sistema, que custa a partir de R$ 24,90. Os gastos com as passagens nas rodovias são debitados depois da conta corrente ou na fatura do cartão.

Então, para valer a pena, o usuário precisa efetivamente usar o produto. Yunes se arrisca a dizer que a experiência de pagar com o Sem Parar é ser melhor do que em sistemas como o Apple Pay, que funciona por aproximação do aparelho celular nas maquininhas.

“Para pagar com o Sem Parar em um posto de gasolina basta apenas dizer ao frentista que vai pagar com o Sem Parar”, comparou.

Mas não basta ser cômodo, é preciso ter onde passar. Por isso, a empresa está numa ampla campanha para aumentar o alcance. Hoje já é possível usar a “tag” colada no carro como forma de pagamento em 650 postos das redes Shell e Petrobras (BR), além de estacionamentos de redes como Estapar e também no drive-thru do McDonalds.

Em outra parceria anunciada recentemente, todos os 96 mil veículos da frota da locadora de veículos Movida devem sair das lojas com o Sem Parar instalado até o fim deste ano. Caso o cliente queira usar o serviço, será cobrada uma diária cujo será dividido entre as empresas.

Quanto vale o seu tempo?

O objetivo é anunciar mais parcerias ao longo deste ano para fazer a mensalidade. Mas se você acha que pagar R$ 25 por mês por essa comodidade é caro, Yunes converte esse valor em outra medida: tempo.

"Dependendo do uso, uma pessoa pode ganhar de cinco a dez horas por mês com o Sem Parar", diz.

Para chegar a esse número, ele incluiu os minutos ganhos na fila para pagar o estacionamento do shopping center e no abastecimento e deu como exemplo uma pessoa que viaja duas vezes por mês no fim de semana de São Paulo para a Rio Claro, que fica a 180 quilômetros da capital.

Na ida e na volta desse trajeto o carro passa por oito pedágios, com um tempo de espera médio de 20 minutos nos horários de pico, no total de duas horas e meia.

"Uma pessoa que faça esse percurso toda semana gasta dez horas por mês na fila. O que você pode fazer com dez horas? Será que elas não valem R$ 20 por mês", questionou o presidente do Sem Parar quase ao fim da entrevista, que durou cerca de uma hora. Ou seja, o tempo na fila dos pedágios em uma viagem de ida para Rio Claro.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Vitória do governo

Câmara aprova texto-base da MP que reformula estrutura do Executivo

No início da votação, o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro que vive uma crise interna, obstruiu a tramitação e tentou esvaziar o quórum do plenário

Investigação

CVM aplica R$ 82 milhões em multas em esquema intermediado por Cruzeiro do Sul

Inquérito aberto em 2010 pela xerife do mercado de capitais identificou prejuízos milionários a fundos de pensão de estatais como Copel, Eletronuclear, Correios e Cedae

Em meio à crise

Líder do PSL na Câmara diz que partido não vai expulsar nenhum parlamentar

Delegado Waldir negou também que vá haver qualquer retaliação do partido em relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro

Perto do fim

CCJ do Senado marca reunião para analisar emendas do 2º turno da reforma da Previdência

Até o momento, senadores apresentaram nove sugestões de alteração, que mexem na redação da proposta

Seu Dinheiro na sua noite

Quando a realidade se impõe

Groucho Marx dizia que jamais faria parte de um clube que o aceitasse como sócio. Durante muito tempo os brasileiros trataram erroneamente a bolsa de valores como o tipo de clube desprezado pelo lendário comediante. Mas essa realidade começa a mudar. Quem decidiu ingressar no clube da renda variável no início do ano obteve um […]

De olho no gráfico

S&P vai, não vai, fez que vai…

Apesar da recente alta em um dos principais índices da bolsa de Nova York, Fausto Botelho ainda projeta um ciclo de queda

Dados do Tesouro

União honra R$ 442,6 milhões e dívidas de governos estaduais em setembro

Nos primeiros nove meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,695 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União de quatro Estados

Papo reto

Para Sabesp, metas definidas pelo relator no marco do saneamento são difíceis de atender

Entre os pontos tidos como difíceis de cumprir está o limite de 25% para subdelegações pelo prestador de serviços

Falando em projetos...

Na reforma da Previdência dos militares, contribuições devem aumentar mais rápido que o proposto pelo governo

Segundo relatório da Câmara, a cobrança que hoje é de 7,5% passará a 9,5% já no ano que vem, chegando a 10,5% em 2021

Gestoras

JGP lista 6 fatores que devem impulsionar a economia e empurrar a bolsa para cima em 2020

Gestora acredita que migração de renda fixa para ações vai continuar dando força ao Ibovespa. Carta de setembro também faz uma defesa do teto de gastos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements