Menu
2019-07-12T14:02:06+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Selic cai 0,25 ou meio ponto percentual no dia 31?

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, diz que avanço nas reformas, obviamente, faz com que cenário fique mais benigno para a inflação

12 de julho de 2019
11:18 - atualizado às 14:02
roberto Campos neto
Presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto - Imagem: Raphael Ribeiro/BCB

Ao que parece, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, acenou uma mudança para melhor no balanço de riscos para a inflação ao falar sobre a aprovação em primeiro turno da reforma da Previdência. Com isso, o corte da Selic do dia 31 vira quase certeza, só não se sabe se 0,25 ponto ou meio ponto percentual.

Na divulgação do Relatório de Inflação, Campos Neto e o diretor de Política Econômica, Carlos Viana, deixaram claro que não havia relação mecânica e direta das etapas de aprovação da reforma da Previdência com a retomada dos cortes na Selic, que está em 6,5% desde março do ano passado.

Já ontem, em entrevista à “GloboNews”, Campos Neto disse que os vetores acompanhados pelo BC melhoraram, incluindo a reforma, que era o fator preponderante. “Como nós tínhamos três fatores e dois melhoraram sensivelmente, nós passamos então a dizer que o fator preponderante ficou com as reformas. Então, nessa linha, obviamente um avanço nas reformas faz com que o cenário fique mais benigno para a inflação no futuro”, disse.

Segundo o presidente, o BC já tinha reconhecido a melhora no vetor externo, apesar do risco de menor crescimento mundial, e um aumento da capacidade ociosa e interrupção do crescimento doméstico, um “termo forte”, segundo ele.

Na entrevista, Campos Neto também voltou a reforçar que não troca inflação por crescimento de curto prazo e que entende que a taxa de juros atual estimula o crescimento. O quão estimulativa é um debate que será feito quando acontecer a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

No mercado as taxas de juros futuras, que são as que realmente importam para investimentos e para o setor produtivo, já embutem uma Selic menor. O trabalho do BC seria sancionar essa redução, que acontece sem que vejamos um descolamento das expectativas de inflação para cima. Sinal de que o BC tem credibilidade junto ao mercado.

Em todo caso, o Copom se reúne no dia 31 e Campos Neto tem até lá para fazer eventual correção de comunicação. Esse encontro também contará com voto da nova diretora de Assuntos Internacionais, Fernanda Feitosa Nechio.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

preço da violência

Ataque à Aramco, na Arábia Saudita, pode afetar 5% da produção mundial de petróleo

Ataques à Aramco ocorrem em meio à escalada das tensões entre os rebeldes houthis, aliados do Irã, com a Arábia Saudita, apoiada pelos EUA

Proteção para a sua carteira

Ao escalar sua seleção de ações, pense duas vezes antes de colocar Vale e Suzano na defesa

As ações das exportadoras Vale e Suzano, clássicas opções defensivas para um cenário de dólar forte, acumulam desempenho negativo no ano, pressionadas pelos preços do minério e da celulose em baixa. Se esses papéis já não têm mais o mesmo apelo defensivo de antes, quais ativos da bolsa podem ocupar o miolo da zaga do seu portfólio?

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

unicórnio vai à bolsa

Startup de escritórios compartilhados WeWork reduz poderes do CEO

Prestes a estrear na bolsa, a WeWork enfrenta a preocupações de investidores por conta de seu modelo de negócio.

olha a dupla aí

Com IPO da C&A e avanço da Amazon, mercado espera aceleração de investimentos no varejo

Especialistas avaliam a oferta pública inicial de ações da rede de lojas de vestuário e a escalada da varejista fundada por Jeff Bezos

novela com o bilionário

Executivo das criptomoedas pagou US$ 4,6 milhões por almoço com Warren Buffett – mas encontro pode não acontecer

CEO da Tron, Justin Sun, venceu leilão beneficente que promove um encontro com o lendário investidor, mas história teve desdobramentos inesperados

olhos lá na frente

Mineradora tem projeto de R$ 9,1 bi com megabarragem no Norte de MG

Projeto prevê uma das maiores barragens de rejeitos do País, mas é condenado por entidades como o Movimento dos Atingidos por Barragens; empresa afirma que o modelo é seguro

o melhor do seu dinheiro

MAIS LIDAS: Uma empresa que vale zero?

Mais lida da semana, matéria conta as duras críticas de um analista quanto ao negócio da Tesla, do bilionário Elon Musk. Veja outras notícias que bombaram no Seu Dinheiro nos últimos sete dias.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements