Menu
2019-08-30T09:13:40+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Entrevista

Queda recente da bolsa abriu oportunidade de compra para investidor, diz gestor da AZ Quest

Com R$ 19 bilhões em patrimônio, AZ Quest mantém a bolsa como principal aposta em seus fundos, afirma Alexandre Silverio, executivo-chefe de investimentos da gestora

30 de agosto de 2019
5:49 - atualizado às 9:13
Alexandre Silverio, executivo-chefe de investimentos da AZ Quest
Investidor de bolsa vem sofrendo de uma "síndrome de ansiedade", diz Alexandre Silverio Imagem: Divulgação

Quando questionado sobre seu estilo de gestão, Alexandre Silverio, executivo-chefe de investimentos da AZ Quest, costuma brincar e responder que é um “velho investor” – uma referência ao “value investing” do bilionário Warren Buffett.

Com uma longa estrada no mercado (mas longe de ser velho), Silverio é responsável pela gestão de R$ 19 bilhões em fundos da gestora fundada pelo ex-ministro Luiz Carlos Mendonça de Barros e que teve o controle vendido em 2015 para a italiana Azimut.

Estive na sede da AZ Quest na quarta-feira para saber qual a visão do experiente gestor sobre a queda recente da bolsa e a disparada do dólar para além do patamar de R$ 4,15. Voltamos a conversar rapidamente ontem por telefone para falar também sobre o resultado do PIB melhor que o esperado no segundo trimestre.

Mesmo com a recuperação desta quinta-feira, o Ibovespa ainda acumula uma baixa de 5% desde a máxima histórica alcançada no dia 10 de julho. Afinal, o ciclo de alta da bolsa está ameaçado?

Para Silverio, houve de fato uma piora recente no cenário externo em razão do acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Trata-se de um risco que precisa ser acompanhado de perto, mas que até agora não mudou as perspectivas favoráveis para a economia brasileira e, principalmente, as empresas listadas na B3.

"A bolsa segue como a nossa principal aposta", afirmou o gestor da AZ Quest, que considera a queda das últimas semanas como uma oportunidade de compra para quem ainda não tem exposição em renda variável.

Essa posição é baseada em duas principais frentes: a perspectiva de retomada da atividade econômica com a agenda de reformas e o novo ciclo de queda de juros, que deve incentivar a migração de recursos que hoje estão na renda fixa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

"Síndrome de ansiedade"

Isso não significa que as ações vão disparar e a economia vai voltar a apresentar altas taxas de crescimento da noite para o dia. Aliás, o investidor de bolsa vem sofrendo do que Silverio chama de "síndrome de ansiedade".

Essa síndrome tem relação com a série de cenários binários que o país enfrenta desde 2016. Primeiro com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, depois com o risco de queda de Michel Temer e no ano passado com o processo eleitoral.

Ao longo do primeiro semestre, o mercado conviveu com outro evento binário: a aprovação ou não da reforma da Previdência. A expectativa era que cada um desses episódios fosse o gatilho para uma retomada da confiança e uma recuperação mais efetiva da economia, o que acabou não acontecendo.

Junto com a ansiedade do investidor local, o noticiário negativo relacionado ao Brasil – agravado nas últimas semanas com as queimadas na Amazônia – em nada contribui para atrair o estrangeiro, segundo o executivo da AZ Quest.

Alívio com PIB

Nesse contexto, a divulgação do resultado do PIB no segundo trimestre ajuda a melhorar o clima, o que explica parte da forte alta de 2,37% da bolsa ontem, segundo Silverio.

Para o gestor, além do crescimento da economia acima do esperado, os números trouxeram melhora em setores importantes. "Cadeias com ciclo longo, como a de construção civil, mostraram que estão vivas e começaram a reagir."

Apesar da surpresa positiva vir em boa hora, a AZ Quest não mudou a expectativa de expansão de 0,8% para a economia neste ano e de 2,5% para 2020.

Ajustes na carteira

A melhora no cenário externo também ajudou a puxar a bolsa no pregão de ontem, ainda que não haja uma indicação clara de que a guerra comercial esteja perto do fim.

O aumento na escalada das tensões entre Estados Unidos e China que chacoalhou os mercados nas últimas semanas levou a AZ Quest a fazer alguns "ajustes finos" na carteira, segundo Silverio.

Na bolsa, a preferência pelas empresas ligadas ao mercado doméstico continua. Mas a gestora aproveitou a queda das ações das produtoras de commodities para aumentar a exposição.

Já nos fundos multimercados, houve uma pequena redução em posições aplicadas na curva de juros. "O cenário deu uma piorada e a moeda andou, então era natural fazer algum ajuste", disse.

Sobre o câmbio, Silverio disse que tem evitado uma maior exposição nos fundos, com exceção de posições específicas para captar alguns exageros no mercado.

Mapa de riscos

E o que faria o "velho investor" mudar de posição em relação às boas perspectivas para o mercado de ações?

Para Silverio, o ciclo de alta da bolsa pode ser ameaçado no caso de uma escalada da guerra comercial que leve a uma freada brusca na economia global.

Por aqui, a síndrome de ansiedade também pode atrapalhar se as medidas da agenda liberal da equipe econômica demorarem muito a se traduzir em retomada da economia.

"O grande risco para a bolsa é que essa ansiedade vire desilusão", afirmou.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Diplomacia

Bolsonaro e líderes tentam vender o peixe dos Brics a empresários

Presidentes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul contam a empresários o que têm feito para melhorar o ambiente de negócios

Na ponta do lápis

Natura, brMalls, Qualicorp… os balanços que movimentam os mercados nesta quinta-feira

Resultados das companhias vieram mistos, com dados positivos e negativos para todos os lados. Confira cada um deles

Seu Dinheiro na sua noite

A quarta-feira 13 da Via Varejo

Assim como no cinema, as histórias das empresas com ações na bolsa podem ser divididas em vários gêneros, para todos os gostos. Existem as comédias, estreladas por aquelas companhias que vivem arrancando sorrisos de seus acionistas com crescimento das operações e do lucro. Temos também os faroestes, de empresas em setores que enfrentam forte competição. […]

Corrupção em SP

Lava Jato fecha acordo de leniência de R$ 214 milhões com Andrade Gutierrez

Documento refere-se a ilícitos cometidos pela companhia em obras do Metrô de São Paulo, Prefeitura de São Paulo, CPTM, DERSA, EMTU e CODESP nos governos do PSDB

Medidas do governo

Pesquisa mostra que 57% dos brasileiros reprovam congelamento de salários de servidores

Levantamento da XP mostra também que o conhecimento sobre o pacote de reformas estruturais apresentado no início deste mês é limitado

O Disney Plus vem aí

Te cuida, Netflix: o novo serviço de streaming da Disney já tem 10 milhões de usuários

As ações da Disney dispararam com a informação de que, em apenas um dia, o novo serviço de streaming da companhia já conta com 10 milhões de usuários. E agora, Netflix?

Próximos passos

Banco dos BRICS quer trabalhar com mais empréstimos em moedas locais

NDB tem como foco o financiamento de projetos no Brasil, na Rússia, na Índia, na China e na África do Sul

Trato feito

Grupo Prumo e Siemens AG assinam acordo de cooperação em projetos de energia

Assinatura ocorreu durante a reunião do BRICs, em cerimônia que contou com a presença dos principais executivos das companhias envolvidas

Ficou difícil

Negociação EUA-China trava por questão de compras agrícolas, dizem fontes

Impasse sobre agricultura cria outro obstáculo no caso, conforme Pequim e Washington tentam fechar a fase 1 do acordo

Mantendo relações

Bolsonaro confirma viagem à Índia em janeiro de 2020

Mais cedo, presidente teve reunião com o presidente da China, Xi Jinping, para a assinatura de acordos bilaterais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements