Menu
2019-06-26T11:02:31+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
olho no gringo

Estrangeiro compra dívida brasileira pelo quinto mês seguido

Estoque de participação do não residente chega a 12,74% da dívida interna, maior desde outubro de 2017

26 de junho de 2019
10:29 - atualizado às 11:02
investimento brasil
Imagem: Shutterstock

Pelo quinto mês seguido, o investidor estrangeiro aumentou sua participação da dívida pública brasileira. Entre janeiro e maio, o estoque subiu em R$ 57,6 bilhões, totalizando R$ 476 bilhões, maior valor nominal desde janeiro de 2016.

Em termos percentuais, esse montante representa 12,74% de um estoque de R$ 3,735 trilhões. Tal participação é maior desde outubro de 2017 (12,8%). Entre 2014 e 2015, a participação rondava os 20%, mas a perda do grau de investimento mudou o padrão.

Os números não saltam aos olhos, mas sugerem uma recuperação depois de um ingresso líquido de apenas R$ 2,08 bilhões em 2018. Entre janeiro e maio do ano passado, o ingresso tinha sido de modestos R$ 11 bilhões.

Os maiores financiadores são os fundos de investimento, com R$ 992 bilhões, ou 26,58% do total. Na sequência estão as instituições de previdência, com R$ 927 bilhões, ou 24,83% do total. Depois temos os bancos, com R$ 821 bilhões (22%).

Segundo o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública do Tesouro Nacional, Luis Felipe Vital, o fluxo positivo indica maior confiança do estrangeiro em relação ao cenário doméstico.

“Esperamos ver fluxos positivos e consistente após a aprovação de reformas em especial a reforma da Previdência”, disse Vital.

Otimismo de maio e junho

Segundo Vital, maio foi um mês negativo para emergentes em função das discussões sobre a política monetária dos EUA e guerra comercial. Mas o mercado local manteve um tom otimista, captando as expectativas com a tramitação da reforma da Previdência, o que resultou em queda nas taxas de juros.

Dando um exemplo dessa queda, Vital mostrou que a NTN-F de 10 anos começou maio sendo emitida a 9,01% e no fim do período foi vendida a 8,45%.

Esse otimismo, lembrou Vital, continuou agora em junho, resultando em continuidade da queda das taxas de juros. Essa mesma NTN-F, por exemplo, foi emitida a 7,96% em leilão na semana passada.

Agora em junho, o tom positivo do mercado local se somou a uma melhora de percepção externa, onde cresceu a expectativa de corte de juros pelos principais BCs de países desenvolvidos.

Carregando a montanha

O Tesouro também atualiza mensalmente o custo de carregar esses trilhões de dívida. O custo médio acumulado em 12 meses foi de 9,38% em maio, recuando de 9,45% em abril.

Já o custo médio de emissão voltou a cair e marcou 7,13% no mês passado, menor valor da série histórica iniciada em 2010. O custo de emitir uma NTN-B fechou o mês em 10,1%, pouco acima dos 10% de abril. Para dar um parâmetro, no fim de 2015 esse custo passava dos 17%.

 

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

A Bula do Mercado

Mercado divide atenção entre indicadores e política

Agenda do dia traz dados de atividade nos EUA e na China, enquanto racha no PSL ganha novos contornos

Análise

O que o ‘Lula Livre’ tem a ver com o seu bolso?

Supremo Tribunal Federal (STF) volta a julgar prisão em segunda instância e desdobramentos têm chances de chegar aos mercados, mesmo que indiretamente

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements