Menu
2019-09-03T06:11:17+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Nova York volta de feriado, mas tensão continua

Expectativa é pelo encontro entre EUA e China, mas desconfiança é crescente e data não foi definida

3 de setembro de 2019
5:38 - atualizado às 6:11
TENSAOCONTINUA
Mercado local fica à mercê do exterior e testa BC, encostando o dólar em R$ 4,20

O mercado financeiro volta a funcionar a pleno vapor nesta terça-feira, com o retorno do pregão em Nova York, após o feriado ontem nos Estados Unidos. Mas nem por isso os investidores deixam de lado a cautela, com a guerra comercial ainda tensionando os negócios. E a ausência de gatilhos internos deixam os ativos locais à mercê do exterior, com os investidores voltando a testar o Banco Central, aproximando o dólar de R$ 4,20.

A expectativa lá fora é por novidades sobre o encontro entre EUA e China previsto para este mês, em Washington. Mas autoridades dos dois países estariam relutando em acertar o cronograma para continuar com as negociações, após a nova rodada de tarifas entrar em vigor no domingo, mostrando que a tendência é de escalada do conflito - e não suavização.

O fato é que a desconfiança de ambos os lados é crescente. Por isso, uma data ainda não foi definida. Mas isso não significa, necessariamente, que a reunião para tratar de questões comerciais não irá acontecer. Ainda assim, os temas a serem tratados no encontro não foram definidos, nem mesmo os termos básicos para chegar a um acordo foi alcançado.

Em reação, os índices futuros das bolsas de Nova York voltam do feriado em queda firme, contaminando a abertura do pregão europeu, após uma sessão mista na Ásia. Wall Street reage não apenas à indefinição sobre a reunião, mas também às novas tarifas em curso, que colocam em risco o crescimento da economia global. Os investidores temem que a mais recente sobretaxa seja mais prejudicial aos EUA.

Ao mesmo tempo, esse temor fortalece a crença de que o Federal Reserve deve lançar estímulos adicionais, entregando uma nova queda na taxa de juros norte-americana neste mês. Mas o cenário sem novo cortes pode ser de grande frustração, já que um ciclo de afrouxamento monetário não parece ser algo que o Fed deseja.

Dólar é porto seguro

Esse acúmulo de incertezas atrapalha a intenção dos investidores de sustentar um rali entre os ativos de risco (bull market). E o que se vê é uma busca por proteção. O dólar é um porto seguro certo, sendo que a moeda norte-americana tira proveito da piora da situação do Brexit e da crise na Argentina, para se fortalecer ainda mais.

Com isso, a libra esterlina caiu abaixo de US$ 1,20 nesta manhã, em meio a especulações de que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, irá convocar eleições em 14 de outubro. A possibilidade de uma saída do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo também pesa no euro, que já está abaixo de US$ 1,10. Essa força do dólar no mundo prejudica o petróleo.

Ontem, o dólar ficou levemente abaixo da máxima histórica de fechamento em relação ao real, e também fechou próximo ao patamar que marcou a primeira intervenção do BC no mercado à vista, vendendo dólares das reservas internacionais. A sensação é de que a autoridade monetária será pressionada para novos leilões desse tipo, sem a contraparte no mercado futuro.

Apesar da baixa liquidez na sessão de ontem por causa da ausência do investidor em Nova York, o desempenho do real chamou a atenção justamente pela diferença em relação às demais moedas emergentes. Assim, a percepção é de que o BC deve atuar apenas se o dólar subir de forma descorrelacionada de seus pares, em movimento acentuado e desproporcional, e não necessariamente se alcançar o nível de R$ 4,20.

Indústria em destaque

Depois de surpreender no segundo trimestre deste ano com um crescimento de 0,7%, em base trimestral, a produção industrial deve começar a segunda metade de 2019 ainda em território positivo. Os dados da indústria a serem conhecidos hoje (9h) devem reforçar a visão de que a atividade tende a impulsionar o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano.

A previsão é de alta de 0,5% em julho em relação a junho, interrompendo dois meses seguidos de queda, mas em relação ao mesmo mês do ano passado, a indústria deve ter recuado 1,0%. Os dados são o grande destaque da agenda doméstica do dia. No exterior, também serão conhecidos índices sobre a indústria nos EUA em agosto, às 10h45 e às 11h.

O calendário norte-americano traz também os gastos com a construção em julho e as vendas de veículos no país em agosto. Logo cedo, sai o índice de preços ao produtor (PPI) na zona do euro em julho e, no fim do dia, a China informa o índice Caixin sobre a atividade no setor de serviços no mês passado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Nem tudo que reluz rende

Ouro de tolo? Saiba por que grandes fundos agora esperam a queda do metal

Com a redução das incertezas globais, as gestoras como a SPX, Kapitalo Investimentos, Truxt Investimentos, Novus Capital reduziram ou inverteram a posição na commodity

A Bula do Mercado

Mercado torce por boas novas

Investidor busca por notícias que apontem para acordo comercial de fase 1 entre EUA e China, enquanto tenta se desviar da turbulência política na América Latina

Adiós, hermanos

Petrobras deixa de negociar ações na bolsa de valores da Argentina

Companhia informou que os investidores argentinos que tenham ações da Petrobras poderão mantê-las na Caja de Valores ou vendê-las em mercados estrangeiros

um taxa a menos

Governo acaba com seguro obrigatório DPVAT

Medida foi assinada por Jair Bolsonaro e passa a valer já em 2020

Ponto polêmico

Excluído da MP da liberdade econômica, trabalho aos domingos volta

MP inclui a possibilidade na CLT, com a ressalva de que para os estabelecimentos do comércio deverá ser observada a legislação local

Desacelerou

Ministros de comércio dos Brics observam perda de impulso na economia mundial

Autoridades dizem concordar que a “liberalização do comércio é um elemento essencial para liberar o potencial de crescimento econômico

Seu Dinheiro na sua noite

Onde Bolsonaro encontra Dilma

Albert Einstein já dizia que é loucura repetir a mesma coisa esperando obter resultados diferentes. Pois o governo aposta em uma fórmula que já se mostrou equivocada no passado recente para tentar resolver um problema crônico do país: o desemprego. A desoneração da folha de pagamento, medida que foi adotada no governo Dilma, é um […]

Onda tecnológica

Fintechs de crédito são ‘sucesso absoluto’, diz diretor do BC

Autoridade monetária já concedeu licenças a dez SCD e quatro Sociedades de Crédito Entre Pessoas (SEP)

Programa Verde Amarelo

Bolsonaro assina medida que reduz custo para contratação de jovens

Programa atenderá jovens entre 18 e 29 anos que ainda não tiveram seu primeiro emprego. Custo da mão de obra cai entre 30% e 34% para as empresas que aderirem

Valeu, foi bom, adeus

Bolsonaro deve anunciar amanhã saída do PSL em reunião com deputados aliados

Segundo deputados do PSL, o presidente deve se manter, por enquanto, independente, até encontrar um novo partido

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements