Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

A eleição no Senado ajuda ou atrapalha as reformas?

Indo direto ao ponto, não sei e acho que só descobriremos quando os projetos começarem a ser votados

4 de fevereiro de 2019
5:53 - atualizado às 15:42
Senador Davi Alcolumbre (DEM-AP)
Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). - Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Depois de um tumultuado processo eleitoral, o Senado será comandando pelo até então desconhecido Davi Alcolumbre (DEM-AP). Acompanhando todo o processo, que começou na sexta-feira (1) e se arrastou até o fim da tarde do sábado, estive sempre pesando em como a eleição e seu resultado poderiam ter alguma influência sobre o andamento da agenda de reformas.

Confesso que até agora não encontrei resposta clara e objetiva. Lendo o noticiário do fim de semana, fiquei com a percepção de que não estou sozinho, pois vi diversas explicações para o mesmo fato.

Os mercados podem trazer uma “resposta objetiva” via preço dos ativos nesta segunda-feira, mas ela dura pouco, pois em política vemos apenas “fotos” de um “filme” sem roteiro e de final nunca previsível.

Foi uma vitória de Onyx Lorenzoni, ministro da Casa Civil e articulador da candidatura de Alcolumbre desde o fim do ano passado? Ou seria mesmo uma derrota de Renan Calheiros (MDB-AL), que tinha certeza de seu retorno à presidência da Casa e já tinha até montando um gabinete, segundo me contou um conhecido com trânsito no Senado? Ou seria, ainda, uma vitória da pressão popular sobre os senadores, resultado de uma massiva campanha contra o senador alagoano? Foi uma vitória de Onyx ou do governo Bolsonaro?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O ponto mais comum que li e ouvi é que Renan vai “se vingar” do governo, pois foi “rifado” e se viu obrigado a abrir mão da candidatura mesmo depois de telefonemas do presidente Jair Bolsonaro e afagos em Flávio Bolsonaro.

Renan e Flávio na sexta-feira - Imagem: Marcos Oliveira/Agência Senado

A hora H

Aliás, a única coisa que podemos falar com um pouco de certeza é que Davi já estava eleito no momento em que Flávio abriu seu voto. Mas voltando, Renan vai se vingar como? Esse desentendimento seria assim tão irremediável? Ainda mais se tratando de figura pragmática como Renan?

Sinto desapontar o leitor com mais perguntas que respostas, mas, por ora, só consigo lembrar da máxima de Getulio Vargas, segundo a qual: se ninguém é tão amigo que não possa virar inimigo, também não existem inimigos que não possam ser convertidos em amigos.

Acho que teremos uma resposta sobre o impacto dessa eleição no Senado quando os projetos encampados pelo governo começarem a entrar na pauta de votações. Davi, em tese, só tem de pautar as matérias. E que creio que cada votação será uma “batalha” diferente.

Teria ele ou Onyx a capacidade de angariar votos e “tirar o pulso” dos Plenários na Câmara e do Senado para evitar derrotas desnecessárias? A pressão popular e das redes sociais também estará presente em votações ou momentos nos quais as audiências das TVs Câmara e Senado estiverem no habitual “traço”? Será que estamos vendo algo “novo” ou tudo se resume, como sempre, a poeira e vaidade?

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Piora nas contas

Déficit estrutural do setor público chega a 0,7% do PIB em 2018

Devido à deterioração das contas dos Estados e municípios, movimento de melhora das contas públicas pelo resultado oficial não aconteceu no estrutural, que apresentou piora no ano passado

Preço do diesel

Em áudio, Onyx diz que deu uma ‘trava na Petrobras’

Ministro da Casa Civil diz que os caminhoneiros podem ficar sossegados que o governo tem trabalhado para resolver o problema deles

Na mira de quem tem grana

Para que cidades os milionários estão se mudando?

Estudo mostra que Dubai, Los Angeles, Melbourne, Nova York, Sydney, Miami e São Francisco caíram nas graças dos endinheirados

Mercados

O que preocupa gestores de US$ 12 trilhões e uma oportunidade para o Brasil

O país tem que abocanhar trilhão ou menos centenas de bilhões desse dinheiro que está à procura de retornos atrativos

Partido Comunista Chinês diz que economia enfrenta pressões negativas

Dificuldades econômicas se devem a mais fatores estruturais e sistêmicos que cíclicos, diz o partido

Guerra das maquininhas

Ofensiva da Rede chancela discurso do Itaú que defendia pagamento em dois dias

Ao isentar a taxa de antecipação de recebíveis para alguns clientes, a Rede faz um contra-ataque agressivo para ganhar escala; Associação Brasileira de Instituições de Pagamentos, presidida por um diretor da Stone, vê prática anticompetitiva

Enquanto isso, no WhatsApp

Plano de Guedes para gás mais barato encontra resistência na Petrobras

Setores da Petrobras resistem ao plano do ministro da Economia, Paulo Guedes, de abrir o mercado de gás e acabar com o monopólio da estatal

Petrobras

Alta da gasolina este ano é superior à do óleo diesel

Petrobras, contudo, não repassou integralmente os ajustes da cotação do petróleo no mercado internacional, e gasolina aumentou menos do que deveria

Reforma da Previdência

Centrão diz que pode votar reforma na CCJ na terça, mas espera novo relatório

De acordo com parlamentares ouvidos pela reportagem, há avanços para a retirada de quatro pontos do relatório

IPO

Rede social Pinterest estreia na bolsa com alta de 28%

IPO da rede social na bolsa de Nova York ocorreu na última quinta. A valorização fez a empresa ser avaliada em US$ 16 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu