O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-13T11:03:39-03:00
Guilherme Valle
GUERRA DO E-COMMERCE

Shopee ultrapassa Mercado Livre e se torna a queridinha dos clientes brasileiros; Magazine Luiza e Via ficam para trás

Empresa asiática que veio disputar as vendas pela internet no país aparece com o maior índice de satisfação dos clientes, segundo pesquisa do Bank of America; Magazine Luiza e Via patinam

12 de janeiro de 2022
18:50 - atualizado às 11:03
Magazine Luiza
A Shopee passou a liderar o segmento em NPS em quatro das cinco regiões do país Imagem: Shutterstock

A “invasão asiática” na disputa pelas vendas na internet no país começa a mudar o jogo de forças entre as gigantes do e-commerce. Uma pesquisa realizada pelo Bank of America Merrill Lynch (BofA) colocou a Shopee como a favorita dos consumidores brasileiros.

A empresa de Cingapura  ultrapassou o Mercado Livre (MELI34) em satisfação do cliente, medida pelo NPS (Net Promoter Score).

A Shopee passou  a liderar o segmento nessa métrica em quatro das cinco regiões do país, empatando com o Mercado Livre apenas na região sudeste. A pontuação da empresa no NPS subiu de 60 para 64 em relação ao último levantamento, em setembro.

Além disso, a Shopee aumentou a liderança em termos de preço e continua a liderar o mercado em número de usuários ativos do aplicativo, com 43,6 milhões.

O BofA ainda chama atenção para a inauguração do primeiro centro de distribuição da empresa, em São Paulo, o que pode diminuir os tempos de entrega, já que a maior parte dos vendedores da plataforma se encontra no Brasil.

O Mercado Livre não é o único que tem motivos para se preocupar com o concorrente de fora. O Magazine Luiza apresentou piora na percepção dos consumidores e a Via — dona das Casas Bahia e Ponto Frio — se manteve com indicadores ruins, segundo o levantamento do BofA. 

Confira o ranking de satisfação dos clientes das gigantes do e-commerce abaixo:

O fenômeno Shopee

O crescimento da Shopee tem sido impulsionado por vendedores brasileiros, responsáveis pela maioria das vendas efetuadas dentro da plataforma. Também chama atenção a adição da Shopee ao Nubank Shopping, anunciada mais cedo neste ano — na ocasião o banco digital deu um cupom de R$ 10 para seus clientes comprarem na Shopee.

Mesmo assim, a companhia tem sido observada mais de perto por órgãos de defesa do consumidor: recentemente a Shopee entrou em acordo com o Procon-SP para que fosse proibida a venda de itens falsificados e contrabandeados, além de se comprometer a somente comercializar produtos com nota-fiscal e de garantir o reembolso imediato no caso de entrega fora do prazo.

A pressão também vem da concorrência, que tem exigido do poder público mais rigor com a cobrança de impostos e taxas sobre produtos que cruzam as fronteiras.

Um estudo elaborado pelo Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV) em parceria com a McKinsey estimou que o país deixou de recolher de R$ 37 bilhões a R$ 48 bilhões em tributos do ecommerce, dos quais de R$ 19 bilhões a R$ 20 bilhões seriam devido a transações entre fronteiras.

E-commerce tem espaço para avançar

A pesquisa do Bank of America que embasou a publicação do relatório também olhou para o cenário do ecommerce de maneira mais ampla.

Apesar de o ritmo de crescimento dos gastos pela internet ter desacelerado, ele ainda é muito superior ao ritmo do varejo em geral — o ecommerce cresceu 38,6% desde 2019, em comparação a um avanço de 8,8% em lojas físicas.

Os participantes da pesquisa relataram melhora na disponibilidade de produtos e no serviço prestado pelas lojas online desde o início da pandemia.

Apesar de alguns consumidores ainda privilegiarem lojas físicas, principalmente quando vão comprar roupas, a grande maioria disse não ter a intenção de abandonar o ecommerce quando a crise sanitária for superada.

Ainda segundo o relatório, menos pessoas têm a intenção de comprar pela internet nos meses subsequentes. Todos os setores, com exceção de: móveis e itens para casa, eletrodomésticos e livros, registraram um número menor de compradores em potencial. 

O BofA atribuiu este resultado ao fim do auxílio emergencial, ao aumento da inflação, ao aumento das taxas de juros e ao aumento do desemprego, que tem pressionado o orçamento das famílias. A retomada dos eventos presenciais também diminui a renda disponível para gastos pela internet.

Veja também - Bitcoin (BTC) dispara com inflação explodindo nos EUA; veja por que a criptomoeda pode ser proteger contra a alta nos preços

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies