Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-14T15:43:19-03:00
Caio Nascimento
Caio Nascimento
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e com passagens pelo Estadão e Jornal da USP.
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Andrea Costa
Pílulas do Mercado

É o fim do Magazine Luiza (MGLU3)? Com quedas de até 75% na Bolsa, entenda o que está acontecendo com a Magalu, Via (VIIA3) e Americanas (AMER3)

Nada de bolha, falência, correção… para entender por que as ações das varejistas estão derretendo, o buraco é mais embaixo; entenda e confira também o que esperar do futuro

13 de dezembro de 2021
11:59 - atualizado às 15:43
Fachada do Magazine Luiza, concorrente de Via e Americanas
Com ações despencando, o que esperar da varejista e suas concorrentes? É o fim? - Imagem: Divulgação

No início do primeiro semestre, analistas falavam muito sobre a tese de reabertura econômica. Dizia-se, à época, que com o arrefecimento da pandemia, os estímulos monetários e as épocas de fortes vendas - como black friday e Natal -, a bolsa seria impulsionada e as varejistas sairiam ganhando. No entanto, essa tese fracassou. Pelo menos por ora.

Embora a reabertura tenha acontecido em certa medida, a PEC dos Precatórios e a alta da inflação atingiram a bolsa em cheio: da sua máxima histórica de 130 mil pontos, em junho, o Ibovespa caiu cerca de 17%. E as varejistas, cujas margens foram afetadas pela alta dos preços, desmoronaram. Afinal, essas empresas passaram a encontrar dificuldade no repasse dos valores para seus produtos. Mas o buraco é bem mais embaixo.

A queda nos papéis do setor se intensificou após os resultados fracos do terceiro trimestre e, até o momento, os três piores desempenhos do ano ficam com o trio de ouro do e-commerce brasileiro: Magazine Luiza (MGLU3), Americanas (AMER3/LAME4) e Via (VIIA3), todas em queda de mais de 60% no ano.

ATENÇÃO: Seu Dinheiro libera acesso às 2 criptomoedas MAIS PROMISSORAS para você comprar agora e à carteira de criptoativo que acumula 3.500% de lucro desde 2017. Elas estão baratas e têm um potencial brutal de alta para os próximos meses e anos. Clique aqui para conhecer

Listamos 3 razões para a queda do varejo em 2021. Confira:

1) Renda brasileira em queda histórica

Os últimos dados da Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada no início de dezembro, mostram que, embora o desemprego tenha recuado para 12,6%, a renda sofreu a maior queda anual desde a criação da série histórica iniciada em 2012 - 11,1%. Atualmente o Brasil registra mais de 13 milhões de desempregados. 

2) Competição internacional

Segundo o BTG Pactual, a desaceleração do e-commerce local tem ocorrido principalmente na venda de eletrônicos e por empresas que utilizam o próprio estoque para as vendas (chamado de 1P). A competição internacional é outra dificuldade, como a Shopee, Aliexpress e Mercado LIvre, que leva as companhias locais a reduzirem suas margens para se manterem competitivas.

VEJA TAMBÉM: Santander (SANB11) é a MELHOR AÇÃO DE BANCO da Bolsa | MGLU3 caindo | Petrobras é furada?

3) Inflação e desvalorização do real

De acordo com o IBGE, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado nos últimos 12 meses é de 10,67% até outubro. Além das pressões inflacionárias tradicionais, o setor de eletrodomésticos e eletrônicos também é afetado pela forte desvalorização do real frente ao dólar. No ano, a moeda americana já avança mais de 7%. 

Mas há luz no fim do túnel: Magazine Luiza (MGLU3) está 'barata' na visão de players do mercado

A recuperação das ações ainda pode demorar mais um pouco. Para o BTG, a tendência de queda deve seguir no curto prazo, mas o movimento de alta deve prevalecer no longo prazo, “com apenas alguns vencedores”. A razão do otimismo está na tendência de crescimento que deve se seguir (impulsionada pela baixa capilaridade vista no país quando comparado a outros mercados) e a consolidação vista no setor após a mudança do varejo físico para o online.

VEJA TAMBÉM: Não trabalhe até morrer! Descubra como se aposentar mais cedo, sem depender do INSS e pagando menos IR

Neste sentido, alguns players do mercado avaliam que a mais poderosa para ressurgir das cinzas é o Magazine Luiza (MGLU3). Segundo o analista de ações e opções Ruy Hungria, a ação está barata como há muito tempo não esteve. "A varejista continua sendo a melhor dentro do segmento de varejo e tem tudo para aproveitar os últimos dois meses do ano, que costumam ter vendas muito fortes, para mostrar ao mercado que continua acima das rivais", diz ele.

ATENÇÃO: Seu Dinheiro libera acesso às 2 criptomoedas MAIS PROMISSORAS para você comprar agora e à carteira de criptoativo que acumula 3.500% de lucro desde 2017. Elas estão baratas e têm um potencial brutal de alta para os próximos meses e anos. Clique aqui para conhecer

O economista e estrategista-chefe da Empiricus, Felipe Miranda, parte da mesma opinião. Ele destaca que "as dificuldades macroeconômicas forçarão as companhias a espremer suas margens brutas (briga por preço) e ampliar as despesas de marketing".

Miranda, porém, espera resultados mais sólidos da companhia daqui em diante, sem um comprometimento exagerado de seus caixas, o que será importante para começar 2022.

Além disso, o múltiplo de venda projetado para o Magalu para os próximos 12 meses é de 2,3 vezes. E, embora esteja abaixo do Mercado Livre (9,6x), pode ser um fator positivo para o futuro das ações.

"Entre Americanas, Via e Magalu, as operações da última parecem mais à frente após as boas aquisições e a entrada em novos segmentos (delivery, moda, conteúdo, etc)", afirma Miranda.

"Isso justificaria múltiplos de vendas maiores do médio ao longo prazo e, se os investidores aceitarem pagar múltiplos como o atual daqui a dois anos, o preço das ações poderá estar associado ao crescimento da empresa, que deve ficar na casa dos 25% ao ano", completa.

VEJA TAMBÉM: É O FIM DE MGLU3? Ações do MAGAZINE LUIZA são melhores que a da VIA VAREJO (VIIA3) | Veja a análise

Como todo investimento, há riscos

Uma piora na inflação, aumento dos juros, questões regulamentares, possíveis ruídos internos da companhia, volta das restrições devido à covid-19, aumento da crise político-econômica brasileira e outros fatores podem jogar a cotação do papel para baixo.

ATENÇÃO: Seu Dinheiro libera acesso às 2 criptomoedas MAIS PROMISSORAS para você comprar agora e à carteira de criptoativo que acumula 3.500% de lucro desde 2017. Elas estão baratas e têm um potencial brutal de alta para os próximos meses e anos. Clique aqui para conhecer

Este conteúdo faz parte do quadro "Pílulas do Mercado". Para ler um MATERIAL COMPLETO, escrito pela repórter Jasmine Olga, basta clicar neste link.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O respiro da bolsa brasileira, o tropeço do bitcoin e o vazamento de dados do PIX: confira as principais notícias do dia

Para quem não aguentava mais ver a bolsa brasileira apanhando enquanto Wall Street renovava recordes, este início de ano está sendo o momento da revanche. Ou melhor, de o Ibovespa “correr atrás do prejuízo”. Nesta terceira semana de janeiro, o principal índice da B3 mais uma vez contrariou o exterior e enfileirou altas, enquanto as […]

Fechamento da semana

Ibovespa tem dia morno com exterior negativo, mas termina semana com ganho de 1,88%; dólar fecha em alta, mas acumula queda de 1,05% no período

Bolsa terminou o dia em baixa, com dólar e juros em alta, com piora no exterior e preocupações fiscais

CASOS DE FAMÍLIA

Elon Musk pega pesa pesado com o Twitter após integração de NFTs; veja o que o bilionário falou

Rede social passou a permitir que usuários do iOS, sistema da Apple, utilizassem os chamados tokens não fungíveis como fotos de seus perfis

Renda fixa

Nubank lança fundo para reserva de emergência que busca retorno entre 100% e 105% do CDI – mas tem uma pimentinha

Nu Reserva Imediata é o primeiro fundo de renda fixa da família Nu Reserva; embora seja de baixo risco, ele tem opção de investir em títulos privados

FIQUE DE OLHO

Agenda de indicadores: Inflação domina semana recheada de balanços de empresas de tecnologia em Wall Street; saiba o que esperar

Depois de uma semana em que o Ibovespa caminhou na contramão do mundo, inflação volta ao centro da agenda local na semana em que os EUA divulgam prévia do PIB de 2021

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies