O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-18T17:19:11-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
BATALHA PELO CLIQUE

Mercado Livre lidera, mas Shopee avança em ranking de sites de comércio eletrônico mais acessados em dezembro; confira a lista

Americanas e Amazon completam o pódio dos sites com maior acesso. Site de viagens Booking ganhou oito posições e é o único do setor de turismo na lista

18 de janeiro de 2022
17:19
Mercado Livre
Imagem: Imagem-Divulgação

Na guerra por acesso no comércio eletrônico, o Mercado Livre (MELI34) sagrou-se o grande campeão em dezembro. A empresa obteve a liderança em acessos, mas  gigantes do setor no mundo como Amazon e Shopee também avançaram. 

A norte-americana e a asiática ganharam uma posição cada uma no ranking da Conversion, agência de Search Engine Optimization (SEO). O Extra, por sua vez, saiu do grupo dos dez maiores sites e perdeu dez posições. 

Depois do Mercado Livre, Americanas (AMER3) na segunda posição e Amazon Brasil na terceira no ranking dos mais acessados. Eles são seguidos por Magazine Luiza (MGLU3), Shopee, Casas Bahia - parte da Via (VIIA3), AliExpress, Netshoes - que também pertence ao Magazine Luiza -, Booking e Samsung. 

Recentemente, o Bank of America também divulgou um ranking sobre as queridinhas dos brasileiros no e-commerce. 

Booking, um representante do turismo na lista

O site de compras de viagens Booking ganhou oito posições, assumindo o nono lugar no ranking nacional do e-commerce em número de acessos. Ele é o único do setor de Turismo na lista. 

Ao lado do Booking, apenas a Shopee aumentou a visualização de seu site no mês considerando os top dez do ranking. 

De acordo com análise da Conversion, mesmo com o investimento e a demanda em queda em dezembro, algumas empresas cresceram, enquanto outras acompanharam a tendência de queda. 

Os acessos em números

Os principais varejistas virtuais no País receberam um total 1,72 bilhão de acessos no mês de dezembro. O número ficou próximo da média mensal de 2021, de 1,75 bilhão de acessos. 

Em relação ao mês anterior, período da Black Friday, dezembro teve uma baixa de 14,76% na audiência do e-commerce no Brasil. 

O Relatório Setores do E-commerce mostra que, em média, cada brasileiro acessou sites de e-commerce no mês cerca de oito vezes. Cada acesso, por sua vez, pode ter a visualização de muitas páginas. 

O canal preferido para chegar às lojas é o "direto" - quando se digita o endereço da loja: ele representa 44% dos acessos. 

A busca orgânica - quando o cliente procura pelos produtos no Google- ficou com 26,6%. Já a busca paga - quando os clientes acessam os anúncios do site de busca - representou 19,4%. O tráfego de redes sociais representa apenas 3,1%.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

INTERNET DO MUSK

O que faz a Starlink, empresa que trouxe Elon Musk ao Brasil e que deve operar na Amazônia

A empresa de Elon Musk, Starlink, promete internet ultrarrápida e deve começar as suas operações ainda neste ano; Anatel já deu aval

FECHAMENTO DO DIA

Escapou do urso: S&P 500 consegue fechar no azul em recuperação dramática; saiba o que aconteceu com as bolsas nos EUA

Dois fatores são centrais para entender o comportamento do S&P 500, do Nasdaq e do Dow Jones nas últimas semanas; entenda

FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar recua 0,87% e vale R$ 4,87. Euro também cai e vale R$ 5,13; confira o que movimentou o câmbio nesta sexta-feira

Apesar do predomínio de um certo humor pessimista pelo mundo, o real conseguiu ter mais um dia de ganhos em relação ao dólar

VISÃO MACRO

Por que o mercado exagera ao temer uma recessão nos Estados Unidos e na China

Os sinais de uma possível recessão nas grandes economias, como EUA e China, e o aumento de um pessimismo generalizado parecem ter tomado conta dos mercados

CHAPÉU NA RECEITA

Criador da Terra (LUNA), criptomoeda que virou pó, deve cerca de US$ 78 milhões ao governo da Coreia do Sul e Terraform Labs deixa investidores com prejuízo de US$ 1,1 milhão

As acusações acontecem em meio a uma reformulação do protocolo, que pretende pagar os usuários que perderam dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies