Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-08-26T13:55:31-03:00
Estadão Conteúdo
ainda em queda

Intenção de consumo cai 0,2% em agosto e chega à 5ª queda seguida, diz CNC

Em comparação com agosto de 2019, a queda foi de 27,6% e, Segundo a CNC, o ICF está abaixo do nível de satisfação (100 pontos) desde abril de 2015.

26 de agosto de 2020
13:55
Consumidores andam em shopping center
Imagem: Shutterstock

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), indicador calculado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), registrou queda de 0,2% na passagem de julho para agosto, para 66,2 pontos. É a pior leitura do ICF para meses de agosto desde o início da série histórica, em janeiro de 2010.

Foi também a quinta queda seguida no indicador. Ainda assim, o recuo de 0,2% em agosto ante julho foi o menos intenso da sequência. Em comparação com agosto de 2019, a queda foi de 27,6%. Segundo a CNC, o ICF está abaixo do nível de satisfação (100 pontos) desde abril de 2015.

A desaceleração na queda do ICF foi puxada pelo desempenho dos componentes associados às expectativas. Após três quedas seguidas, o componente Perspectiva Profissional foi o item que apresentou o maior crescimento no mês (4,6%), chegando a 70,8 pontos. O componente Perspectiva de Consumo avançou 1,5%, após quatro meses de retração, e alcançando 60,9 pontos.

"Esse aumento da expectativa de consumir em agosto revela que, apesar de as famílias ainda demonstrarem uma percepção negativa em relação ao consumo atual, as expectativas para o longo prazo já são otimistas", diz a nota divulgada nesta quarta-feira pela CNC.

Os componentes do ICF associados ao momento atual seguem no terreno negativo. O Emprego Atual recuou 0,5%, seu quinto resultado negativo seguido, para 85,1 pontos - assim como o ICF agregado, a queda de 0,5% foi a menos intensa da sequência negativa.

O componente Renda Atual registrou retração de 3,4%, também a quinta consecutiva, chegando a 76,8 pontos, no menor nível da série histórica. O Nível de Consumo Atual também chegou à quinta queda mensal consecutiva (-0,5%), a 49,2 pontos, menor nível desde novembro de 2016.

Já o componente Momento para Duráveis, que avalia o que os consumidores pensam sobre a aquisição de bens como eletrodomésticos, eletrônicos, carros e imóveis, cresceu 2,1%, após acumular quatro quedas seguidas.

"O item, no entanto, foi o que obteve a maior queda anual (-36,1%) entre os itens pesquisados e fechou o mês com 40 pontos, sendo o menor subíndice da pesquisa", diz a nota da CNC.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O FISCAL ENLOUQUECEU

Com furo no teto, XP e BTG já esperam que a Selic suba 1,5 ponto percentual na próxima semana

A corretora também reviu suas projeções para o câmbio, inflação e PIB deste e do próximo ano

E-commerce de pneus

Cantu Store não se assusta com a farra fiscal e registra pedido de IPO na CVM

A companhia paranaense conta com 26 filiais em 17 unidades federativas e quatro centros de distribuição, além de duas marcas próprias

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Guedes diz que fica, o puxadinho do teto de gastos e outros destaques do dia

Pelo menos um dos temores do mercado teve um desfecho nesta sexta-feira (22) — Paulo Guedes segue sendo o ministro da Economia, e o país não vai passar o fim de semana na incerteza. Após as baixas recentes na equipe econômica, mas o capitão do navio continua firme. Diante de tantas incertezas e a confirmação […]

SUPEROU AS EXPECTATIVAS

Hypera (HYPE3) inicia temporada de balanços com alta de 50% na receita líquida — veja os destaques da farmacêutica no terceiro trimestre

Apoiadas pelo portfólio cada vez maior de medicamentos e pelas vendas aquecidas, outras linhas do balanço também deixaram para trás as projeções

FECHAMENTO DA SEMANA

‘Fico’ de Guedes não apaga mau humor do mercado com furo no teto de gastos e Ibovespa despenca na semana; dólar volta a R$ 5,70

O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,34%, aos 106.296 pontos — longe das mínimas, mas no menor nível desde novembro de 2020. Na semana, a queda foi feia, e o Ibovespa recuou mais de 7%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies