🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Carolina Gama
O COMETA PASSOU LONGE

Não olhe para cima: ações da Netflix desabam com avanço menor no número de assinantes

Mercado olhou para o dado na busca de sinais de como a empresa de streaming vai performar em um mundo no qual a pandemia estará mais controlada

Carolina Gama
20 de janeiro de 2022
19:14 - atualizado às 8:18
Atores do filme Não olhe para cima
Não Olhe Para Cima, produção da Netflix - Imagem: Divulgação

Quando Kate Dibiasky (Jennifer Lawrence) e Randall Mindy (Leonardo DiCaprio) tentam alertar a população sobre um cometa capaz de destruir a Terra em Don´t Look Up (Não olhe para cima), eles são ignorados por todos. Mas diferente do que aconteceu no filme, o mercado não ignorou a performance da Netflix nos meses finais de 2021. 

Muito pelo contrário. As ações da empresa de streaming chegaram a cair 20% no chamado after-market, quando os papéis são negociados por alguns minutos após o fechamento do pregão em Nova York. A razão para isso foi a desaceleração de uma métrica importante no setor: o número de assinantes pagos

A Netflix adicionou 8,28 milhões de assinantes líquidos globais pagos no quarto trimestre de 2021. De acordo com da StreetAccount, analistas esperavam que a empresa adicionasse 8,19 milhões.

E por que o mercado não gostou se o número veio até levemente acima do esperado? As respostas estão no passado e no futuro.

Primeiro, pela desaceleração em relação ao quarto trimestre de 2020, quando  a Netflix adicionou 8,5 milhões de assinantes. 

Vale lembrar que, neste período, as vacinas contra a covid-19 começavam a ser aplicadas nos Estados Unidos e na Europa e regras de mobilidade começavam a ser relaxadas.

E foi justamente isso que o mercado olhou nesta quinta-feira (20) na busca de sinais de como a empresa vai performar em um mundo no qual a pandemia estará mais controlada. 

A resposta para isso veio da própria Netflix: a empresa disse que para o primeiro trimestre de 2022 espera adicionar 2,5 milhões de assinantes, em comparação com os 3,98 milhões adicionados no primeiro trimestre de 2021.

O desempenho de um cometa não veio

A Netflix disse que o aumento da concorrência foi um dos motivos da desaceleração no número de assinantes pagos, embora no passado tenha indicado que empresas como Apple e Disney não afetariam materialmente seu crescimento.

“Os consumidores sempre tiveram muitas opções quando se trata de entretenimento – competição que só se intensificou nos últimos 24 meses, à medida que empresas de entretenimento de todo o mundo desenvolvem sua própria oferta de streaming”, disse a Netflix.

“Embora essa competição adicional possa estar afetando nosso crescimento marginal, continuamos a crescer em todos os países e regiões em que essas novas alternativas de streaming foram lançadas.”

Netflix e sua performance financeira

Apesar do desempenho de um cometa não ter se refletido na métrica de assinaturas da Netflix, o resultado financeiro do serviço de streaming superou estimativas. 

A empresa registrou lucro líquido de US$ 607,4 milhões no quarto trimestre de 2021, uma alta de 12% em relação a igual período do ano anterior. O lucro diluído por ação foi de US$ 1,33, acima da previsão de US$ 0,83 feita por analistas do FactSet.

A receita da Netflix aumentou 16% em relação ao mesmo trimestre de 2020, para US$ 7,7 bilhões. No ano de 2021 como um todo, a empresa reportou receita de US$ 30 bilhões, um crescimento de 19% em relação ao ano anterior.

Já para o primeiro trimestre deste ano, a Netflix projeta receita de US$ 7,903 bilhões.

A compensação no reajuste de preços

As chances de a Netflix repetir um resultado financeiro que supere estimativas no primeiro trimestre deste ano estão sobre a mesa. Isso porque a empresa anunciou reajustes de preços nos Estados Unidos e no Canadá na semana passada. 

A estratégia é subir os preços à medida que os clientes se aprofundam ainda mais no conteúdo exclusivo. Os aumentos de preços podem ajudar a compensar o declínio do crescimento de clientes.

Nos Estados Unidos, o custo mensal do plano básico subiu de US$ 1 para US$ 9,99. O plano padrão saltou de US$ 13,99 para US$ 15,49 e o plano premium subiu de US$ 17,99 para US$ 19,99.

Compartilhe

LANÇAMENTO

Saiba tudo sobre o iPhone 14, novo lançamento da Apple — aparelho pode custar até R$ 15.499

7 de setembro de 2022 - 19:06

Fabricante americana apresentou novos modelos do iPhone 14 nesta quarta-feira (7), buscando atender reclamações dos usuários sobre bateria e fotos

iPhone incompleto

Brasil suspende vendas de iPhone na véspera de lançamento de novo modelo e aplica multa milionária à Apple. Entenda o caso

6 de setembro de 2022 - 10:40

Decisão vale para todos os modelos de iPhone, independentemente da geração. A Apple ainda pode recorrer

VOTOS DE FÉ CONTIDA

Medinho de recessão? Warren Buffett ignora temor global e aumenta apostas da Berkshire Hathaway em empresas dos EUA

16 de agosto de 2022 - 13:17

Apesar de ter desacelerado o ritmo de compras de ações no segundo trimestre, o Oráculo de Omaha investiu US$ 6,2 bilhões em companhias norte-americanas entre abril e junho de 2022

COLHEITA RUIM

Inflação dá uma mordida na maçã e Apple vê lucro cair 10,6% no trimestre, mas ações sobem — entenda por quê

28 de julho de 2022 - 17:44

No trimestre passado, Tim Cook, o CEO da Apple, alertou que a fabricante de iPhones teria dificuldades em superar as restrições de fornecimento relacionadas à covid-19, com um impacto negativo sobre as vendas da ordem de US$ 4 bilhões a US$ 8 bilhões entre abril e junho, mas previsão não se confirmou

ESTRADA DO FUTURO

Recompra de ações, reajuste de preços e novos produtos e serviços: o que está ao alcance da Apple para continuar dando retorno a seus acionistas

21 de julho de 2022 - 6:13

A parte mais complexa da equação está nos múltiplos da Apple em um momento no qual as empresas listadas em bolsa estão se tornando mais baratas

MAIS UM PROBLEMA PARA A MAÇÃ

Apple (AAPL34) é processada por negar acesso a tecnologia da Apple Pay e limitar concorrência em iPhone e outros dispositivos, diz agência

18 de julho de 2022 - 20:30

Na ação, os denunciantes alegam que consumidores que possuem dispositivos da marca são forçados a usarem apenas a Apple Pay para pagamentos contactless

VENTOS CONTRÁRIOS

iPhone sem bateria? Apple (AAPL34) aperta o cinto, congela contratações e anuncia corte de gastos; ações caem

18 de julho de 2022 - 16:51

A desaceleração econômica é o principal motivo para o corte de gastos da companhia; a Apple acompanha o movimento de outras big techs, como a Google e a Netflix

ESTRADA DO FUTURO

Como a Apple (AAPL34) pode revolucionar o mercado automobilístico mesmo sem fabricar um único carro

16 de junho de 2022 - 6:16

Reinvenção do CarPlay sugere início de uma nova era de produto com potencial de ganhar relevância nos resultados da Apple e mudar radicalmente a indústria automobilística

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

22 de maio de 2022 - 16:38

Esses pesos-pesados do mercado financeiro tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

BRIGA DE GIGANTES

Corrida das big techs: Google, Apple e Microsoft fizeram a Amazon (AMZO34) comer poeira?

3 de maio de 2022 - 17:58

Saiba como a gigante do comércio eletrônico dos EUA pode dar a volta por cima após um trimestre decepcionante com prejuízo bilionário

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies