O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-09T08:00:40-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
SEGREDOS DA BOLSA

Esquenta dos mercados: Inflação domina a semana, com bolsas no vermelho pela manhã; Ibovespa mira IPCA e eleições nos próximos dias

Além disso, os balanços da semana também devem movimentar os negócios por aqui, com Itaú, BTG, Banco do Brasil e outros no radar

9 de maio de 2022
7:56 - atualizado às 8:00
desenho mostra dinheiro se desintegrando como metáfora para inflação em alta
Confira o que movimenta bolsa, dólar e Ibovespa nesta semana. Imagem: Shutterstock

Depois de uma semana de altos e baixos, após os investidores olharem mais com mais atenção para a decisão de juros do Federal Reserve da última quarta-feira (04), a segunda-feira (09) começa com cara de déjà vu para as bolsas no exterior — ou, simplesmente, um “eu já vi isso antes”.

Os índices internacionais ampliam as perdas da semana passada e caem pela manhã de hoje.

São três motivos principais que também explicam as perdas da primeira semana de maio: o Fed correndo atrás da inflação desenfreada, os sucessivos lockdowns na China, que ameaçam a cadeia de suprimentos mundial, e o desenrolar da guerra na Ucrânia, que caminha para o seu terceiro mês.

E os próximos dias prometem injetar ainda mais aversão ao risco nas bolsas pelo mundo. Lá fora, os investidores aguardam uma sequência de falas de representantes do Federal Reserve ao longo da semana, enquanto o índice brasileiro espera dados inflacionários e de varejo, enquanto acompanha as disputas políticas antes das eleições.

Por falar no cenário doméstico, o Ibovespa é um dos poucos índices de ações com desempenho positivo no acumulado do ano em todo o mundo. 

O principal índice da bolsa brasileira encerrou o pregão da última sexta-feira (06) em queda de 0,16%, aos 105.134 pontos. Na semana, o recuo foi de 2,54%.

Já o dólar à vista acompanhou a curva de juros e a aversão ao risco e subiu 1,17%, a R$ 5,0754 – avanço de 2,68% na semana. 

Confira o que movimenta bolsa, dólar e Ibovespa nesta semana:

Bolsas aguardam inflação dos EUA

Passados os temores com o Federal Reserve, esta semana será marcada pela divulgação dos dados de inflação ao consumidor (CPI, em inglês), na próxima quarta-feira (11).

Esse indicador, juntamente com os dados de trabalho dos EUA, divulgados na última sexta-feira, dão base para a próxima decisão de juros do Banco Central americano, que no último encontro, elevou a faixa de cobrança americana para o patamar entre 0,75% e 1,00%. 

Jerome Powell e a próxima jogada

O presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que o Fomc — o Copom americano — não estuda um aumento dos juros na ordem de 0,75 pontos percentuais. No entanto, a taxa deve continuar a subir nas próximas reuniões da instituição.

Isso porque a inflação por lá já está no maior patamar em mais de 40 anos, o que deve exigir um aperto monetário ainda maior por parte do BC dos EUA.

Dados fortes podem aliviar 

Ainda de olho no Fed, dados mais fortes de atividade econômica e emprego podem estimular o comitê por um aumento dos juros menos agressivo — ou dovish, no jargão do mercado. 

De acordo com o payroll, os dados da folha de pagamento, os EUA abriram 428 mil vagas em abril — acima da projeção de 400 mil da Dow Jones. A taxa de desemprego se manteve em 3,6%.

Na visão de Powell, uma economia mais sólida conseguiria aguentar a alta nos juros, mas isso precisará ser confirmado nos próximos dados do PIB, vendas do varejo, entre outros indicadores dos Estados Unidos.

Uma disputa política no Ibovespa

De volta para as terras brasileiras, o clima eleitoral começa a ganhar tração antes das eleições de outubro. O lançamento da pré-candidatura do ex-presidente Luiz Ignácio Lula da Silva (PT) agitou o final de semana — mas o mercado olha mesmo é para a agenda econômica. 

Não é de hoje que o partido do ex-presidente é favorável à revogação de medidas como a reforma trabalhista, revisão do teto de gastos e interferência na Petrobras (PETR4), o que pode desagradar os investidores.

Mas pesa do lado positivo a participação do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que deve aliviar o discurso mais inflamado de Lula.

E a oposição 

Do outro lado do campo político, o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) permanece em disputa com o Supremo Tribunal Federal (STF), em especial com o ministro Alexandre de Moraes.

Bolsonaro voltou a questionar sobre a legitimidade das urnas durante o final de semana. Moraes, que irá presidir o Tribunal Superior Eleitoral em 2022, afirmou que a Justiça Eleitoral está preparada para enfrentar os ataques às instituições. 

Já no campo dos indicadores

Nesta semana, permanecem no radar do investidor os números de vendas no varejo na próxima terça-feira (10) e os dados de inflação, medidos pelo IPCA de abril, na quarta-feira. 

No aguardo desses indicadores, o investidor deve acompanhar as disputas pelo Orçamento, que segue em foco devido à greve dos servidores do Banco Central

O funcionalismo exige um reajuste para recompor as perdas inflacionárias desde a eleição do presidente Bolsonaro. O governo federal anunciou um reajuste linear de 5%, mas os servidores permanecem descontentes com a medida.

Agenda semanal

Segunda-feira (09)

  • China: Balança comercial de abril (00h)
  • Brasil: PC-S de maio (8h)
  • Estados Unidos: Presidente do Fed de Atlanta discursa em conferência do Fed sobre mercados financeiros (9h45)
  • Estados Unidos: Estoques no atacado em março (11h)

Terça-feira (10)

  • Brasil: IPC- de maio (5h)
  • Brasil: IGP-M de maio (8h)
  • Brasil: IBGE divulga as vendas no varejo restrito e ampliado (9h)
  • Estados Unidos: Secretaria do Tesouro, Janet Yellen, testemunha diante do Senado (11h)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (17h30)

Quarta-feira (11)

  • França: Taxa de desemprego da OCDE em março (7h)
  • Brasil: IBGE divulga o IPCA de abril (9h)
  • Estados Unidos: CPI e Núcleo do CPI (9h30)

Quinta-feira (12)

  • Brasil: Pesquisa mensal de serviços em março (9h)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (9h30)
  • Estados Unidos: PPI e Núcleo do PPI (9h30)

Sexta-feira (13)

  • Zona do Euro: Produção industrial de março (6h)
  • Estados Unidos: Sentimento do consumidor de maio (11h)

Balanços da semana

Segunda-feira (09)

Antes da abertura:

  • Azul (Brasil)
  • BB Seguridade (Brasil)
  • BTG Pactual (Brasil)
  • Itaú Unibanco (Brasil)

Terça-feira (10)

Após o fechamento:

  • Balanço da Telefônica (Brasil)

Quarta-feira (11)

Após o fechamento:

  • Braskem (Brasil)
  • JBS (Brasil)
  • Ultrapar (Brasil)
  • Walt Disney (EUA)
  • Banco do Brasil (Brasil)
  • Copel (Brasil)
  • Equatorial Energia (Brasil)

Quinta-feira (12)

Após o fechamento:

  • B3 (Brasil)
  • Americanas (Brasil)
  • Eneva (Brasil)
  • Rede d’Or (Brasil)
  • Commerzbank (Alemanha)

Sexta-feira (13)

Após o fechamento:

  • Cemig (Brasil)
  • Cosan (Brasil)
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

CHAPÉU NA RECEITA

Criador da Terra (LUNA), criptomoeda que virou pó, deve cerca de US$ 78 milhões ao governo da Coreia do Sul e Terraform Labs deixa investidores com prejuízo de US$ 1,1 milhão

As acusações acontecem em meio a uma reformulação do protocolo, que pretende pagar os usuários que perderam dinheiro

CHAMOU PRA BRIGA

Vai encarar? Finlândia diz não ao rublo e Putin não deixa barato — Rússia reage e recebe uma forcinha de gigante europeu

O centro dessa disputa é a entrada dos finlandeses na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan); a ampliação da aliança levou a Rússia a invadir a Ucrânia em fevereiro deste ano

Starlink no Brasil

Elon Musk no Brasil: tudo o que sabemos sobre a visita do dono da Tesla e SpaceX até o momento

A visita do bilionário Elon Musk ao Brasil tem como motivo principal inovações tecnológicas relacionadas a internet

China corta juros para estimular setor imobiliário e commodities operam em forte alta

A medida adotada pelo banco central chinês visa impulsionar o mercado imobiliário, o que favorece as produtoras de commodities

EXILE ON WALL STREET

Menu às cegas: Você investiria em um ETF que não é transparente? Conheça as oportunidades em ANTs

Os ANTs (Actively Non-Transparent, em inglês) surgiram no final de 2019 e vêm ganhando tração desde então, como uma alternativa aos mutual funds

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies