🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-06-06T08:05:50-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Segredos da Bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior começam semana em alta e impulsionam criptomoedas; Ibovespa acompanha Eletrobras, ICMS e Campos Neto hoje

Dados de inflação são destaque ao longo da semana, enquanto o petróleo volta a subir e passa do nível de US$ 120

6 de junho de 2022
8:02 - atualizado às 8:05
Dólar em alta
Acompanhe o que movimenta bolsa, dólar e Ibovespa esta semana.Imagem: Shutterstock

A primeira semana inteira de junho começa com os olhos dos investidores voltados para a divulgação de dados inflacionários do Brasil na quinta-feira (09) e dos Estados Unidos na sexta-feira (10). A agenda mais esvaziada ao longo dos próximos dias dá margem para que o noticiário doméstico pese nas bolsas daqui para frente. 

Começando pelo fechamento na Ásia e Pacífico, os índices por lá encerraram o dia com alta de até 3%. O afrouxamento de medidas contra a covid-19 em Pequim auxiliou na melhora do sentimento dos investidores por lá. 

O otimismo se estende, inclusive, às criptomoedas. Com o índice de gerente ed compras (PMI, em inglês) composto da China registrando forte alta na passagem de abril para maio — saindo de 37,2 para 42,2 —, o bitcoin (BTC) aproveitou para dar um salto de 6% ao longo da madrugada, passando a ser negociado em US$ 31.429,37. 

Já na Europa, o foco é a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) da próxima quinta-feira. Entretanto, o dia é impulsionado pelo ânimo dos negócios na Ásia. 

Por último, os futuros de Nova York abriram a semana com otimismo e apontam para uma abertura dos negócios em alta, com os investidores à procura de barganhas após a queda na sessão da última sexta-feira (03)

Nas terras brasileiras, esse é o panorama que deve influenciar a bolsa local após um recuo de 0,75% do Ibovespa na semana passada. O dólar à vista, por sua vez, deve seguir pressionado com o apetite de risco dos investidores em alta, depois de fechar em queda de 0,2%, negociado a R$ 4,77. 

Confira o que movimenta os próximos dias para a bolsa, o dólar e o Ibovespa:

Um alívio para as ações de tecnologia nas bolsas?

O noticiário corporativo começou a semana favorável ao setor de tecnologia. A China informou que deve encerrar a investigação em cima da DiDi Global, dona da 99 no Brasil.

Os reguladores chineses avançaram sobre a empresa de logística alegando inconsistências sobre a segurança de dados da empresa. A notícia vem na esteira de uma série de medidas para afrouxar o cerco contra as companhias de tecnologia — muitas delas, inclusive a DiDi, com ações no exterior. 

O setor de tecnologia vem sofrendo em um ano marcado por incertezas e alta dos juros e o alívio chinês contra esse segmento pode auxiliar ainda mais no otimismo do dia. 

Do outro lado da balança

Enquanto as empresas focadas em inovação devem ter um dia mais tranquilo, o petróleo voltou a registrar forte alta nesta segunda-feira (06). O barril do Brent, utilizado como referência internacional, era negociado a US$ 120,56, uma alta de 0,66% por volta das 7h30. 

A perspectiva com a demanda chinesa após o PMI do país acelerar em maio, somado ao enfraquecimento do dólar frente aos seus pares internacionais e o aumento dos preços por parte da petroleira estatal da Arábia Saudita, a Saudi Aramco, impulsionaram as cotações hoje.

Inflação e BCE em foco

Para fechar o panorama do exterior, nesta semana ainda teremos a decisão de juros do BCE na quinta-feira e a inflação dos Estados Unidos na sexta-feira. 

As autoridades monetárias estão atrás da curva de inflação após a Zona do Euro registrar um novo recorde na alta dos preços na última leitura. Em seguida, o Federal Reserve, que já começou o ciclo de alta de juros, está em penúltimo lugar. 

Quem conseguiu perseguir o dragão mais de perto — e iniciou o ciclo de alta nos juros — foi o Banco Central brasileiro. De acordo com as projeções do economista chefe do Instituto de Finanças Internacionais, Robin Brooks, o nosso BC saiu na frente dos demais para o controle da situação pós pior fase da covid-19. 

Brasil, pra mim: o que move o Ibovespa

O dia começa com os investidores de olho mais uma vez nos debates envolvendo o ICMS. De um lado, o governo procura estabelecer um teto de 17% para os estados na cobrança do imposto sobre combustíveis, energia elétrica, gás de cozinha, entre outros; do outro, os estados buscam alguma forma de compensar a perda de arrecadação. 

O relator da proposta, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), afirmou que trabalha para concluir o relatório sobre o projeto até a próxima terça-feira (07). Mas o governo não deu sinal único sobre uma proposta de compensação dos quase R$ 22 bilhões que os estados devem perder com o teto do ICMS. 

E a Eletrobras também agita os próximos dias

A privatização da Eletrobras (ELET3 e ELET6) caminha a passos largos, mas com uma bola de ferro presa ao pé. 

Isso porque a assembleia de debenturistas de Furnas programada para hoje foi suspensa por decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro(TJ-RJ) e coloca em risco o andamento da privatização.

Os investidores estão ansiosos com a desestatização da empresa: a demanda por ações — impulsionada pelo uso do FGTS já supera em 50% a oferta de papéis da companhia de energia. 

Campos Neto na área

Por fim, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, participa de evento nesta segunda-feira no Valor’s Crypto Summit Rio 2022 sobre criptomoedas. 

Vale lembrar que o Brasil vem desenvolvendo um projeto de real virtual, uma moeda digital do Banco Central (CDBC, em inglês) já há algum tempo. Porém, a greve dos servidores limitou testes mais amplos, bem como atrasou a divulgação de dados com o Boletim Focus.

As falas do presidente do BC devem ficar no foco dos investidores em criptomoedas. Afinal, 2022 deve ser o marco de regulação dessa nova classe de ativos

Agenda da semana

Segunda-feira (06)

  • Banco Central: BC atualiza Boletim Focus com dados até a última sexta-feira (8h30)
  • Banco Central: Presidente do BC, Roberto Campos Neto, participa de evento sobre criptomoedas (9h)
  • Caged: Geração líquida de postos de trabalho em abril (10h)
  • Estados Unidos: Cúpula das américas (dia todo)

Terça-feira (07)

  • Estados Unidos: Balança comercial de abril (9h30)
  • Anfavea: Produção e venda de veículos em maio (10h)
  • Estados Unidos: Secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, testemunha em comitê do Senado (15h)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (17h30)
  • Estados Unidos: Cúpula das américas (dia todo)

Quarta-feira (08)

  • Zona do Euro: PIB do 1º trimestre (6h)
  • FGV: IGP-DI de maio e IPC-S de junho (8h)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (11h30)
  • França: OCDE divulga relatório com perspectivas econômicas (sem horário previsto)
  • Estados Unidos: Cúpula das américas (dia todo)

Quinta-feira (09)

  • Alemanha: Decisão de política monetária do BCE (8h45)
  • IBGE: IPCA de maio (9h)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (9h30)
  • China: CPI e PPI de maio (22h30)
  • França: Reunião do Conselho ministerial da OCDE (sem horário previsto)
  • Estados Unidos: Cúpula das américas (dia todo)

Sexta-feira (10)

  • FGV: IGP-M de junho
  • IBGE: Vendas no varejo restrito e ampliado em abril (9h)
  • Estados Unidos: CPI e Núcleo do CPI de maio (9h30)
  • Estados Unidos: Cúpula das américas (dia todo)
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Taxas gordas

Com risco fiscal, retorno de 6% + IPCA volta a ser comum entre títulos Tesouro IPCA+ de longo prazo

6 de julho de 2022

Todos os vencimentos de títulos públicos Tesouro IPCA+ a partir de 2035 já voltaram a pagar a rentabilidade “mágica” desse tipo de ativo

QUEDA DE APORTES

Crise dos unicórnios e demissões em massa têm explicação: investimentos em startups caíram 44% no primeiro semestre

6 de julho de 2022

Inflação global, escalada da alta de juros e a Guerra da Ucrânia geraram incertezas no mercado e “seguraram” os investimentos; as mais afetadas são as startups de late stage e unicórnios

CARA CADÊ MEU DEFI?

Roubo de criptomoedas com ataque hacker levou US$ 1,3 bilhão de plataformas de DeFi em 2022; maior crime foi de US$ 180 milhões

6 de julho de 2022

Mesmo com a alta do dia, os investidores acompanham os desdobramentos do pedido de falência da Voyager Digital

O FANTASMA DA RECESSÃO

Ata do Fed manda recado: saiba se os próximos passos do BC dos EUA podem tirar o sono dos investidores

6 de julho de 2022

Na reunião de junho, o banco central norte-americano elevou a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, o maior aumento desde 1994, na tentativa de conter uma inflação que não dá tréguas; será que vem mais por aí?

Está vindo aí

Risco de recessão volta a assustar, petróleo amplia perdas e petroleiras lideram quedas do dia; Hypera (HYPE3) e Americanas (AMER3) sobem forte

6 de julho de 2022

Com a queda do petróleo no mercado internacional, papéis de commodities no Brasil têm maiores quedas nesta quarta-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies