Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-02-03T17:44:40-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
quem diria?

Santander supera pandemia e fecha 2020 com resultado acima do esperado

Mesmo com provisão para créditos duvidosos pesando, Santander fecha ano com rentabilidade superior a registrada pelo Itaú

3 de fevereiro de 2021
8:22 - atualizado às 17:44
santander
Santander - Imagem: Shutterstock

O ano de 2020 prometia ser bem ruim para os bancos, mas o Santander Brasil (SANB11) conseguiu encerrar o ano com lucro acima do esperado pelo mercado, apesar dos efeitos da provisão extraordinária de R$ 3,2 bilhões realizada no segundo trimestre.  

A unidade do banco espanhol no país fechou o ano passado com um lucro líquido de R$ 13,8 bilhões, recuo de 5% em relação aos R$ 14,5 bilhões registrados em 2019. A maioria dos analistas esperava um lucro de cerca de R$ 13,6 bilhões.

O principal motivo para a queda foi justamente a provisão extraordinária feita para lidar com os efeitos da pandemia de covid-19. Toda a provisão foi realizada no segundo trimestre, o que fez o lucro do Santander recuar 41% na ocasião.

Não fosse por isso, de acordo com o banco, o resultado de 2020 poderia ter sido um lucro líquido de R$ 15,6 bilhões, alta de 7,3%.

O resultado do quarto trimestre mostrou certa estabilidade em relação ao terceiro trimestre, quando o lucro cresceu em formato de “V”. Nos últimos três meses de 2020, o Santander registrou lucro líquido de R$ 3,9 bilhões, avanço de 1,4%. A mediana das expectativas apontava para lucro de R$ 3,7 bilhões.

Além de acima do esperado, o resultado do Santander também é o melhor do setor até o momento, em termos de rentabilidade. Em 2020, o Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE, na sigla em inglês) dele alcançou 19,1%, enquanto o Itaú (ITUB4), o primeiro a divulgar o balanço, fechou o ano com 14,5%. Ainda assim, o índice é menor que os 21,3% de 2019.

Provisões e inadimplência

Principal responsável por reduzir o lucro do Santander no ano passado, a provisão para créditos de liquidação duvidosa alcançou R$ 15,7 bilhões em 2020, crescimento de 30,2% ante 2019, por conta da provisão extraordinária feita no segundo trimestre.

Ao contrário de outros bancos, o Santander preferiu concentrar esta provisão no segundo trimestre, o que ajudou no desempenho do terceiro trimestre.

E mesmo realizando provisões significativas para lidar com as possíveis consequências da pandemia, o Santander destacou que o índice de inadimplência acima de 90 dias alcançou 2,1% em 2020, queda de 0,8 ponto percentual (p.p.) ante 2019, alcançando o menor patamar da história.

Margens e receita

O Santander fechou o ano passado com uma margem financeira bruta de R$ 51,1 bilhões, crescimento de 6,6%, atribuindo o desempenho à boa performance da margem de produtos, por maiores volumes, e de mercado.

No quarto trimestre, ela apresentou um recuo de 0,3% ante o terceiro trimestre, para R$ 12,4 bilhões, em função do “menor resultado de operações com mercado sendo parcialmente compensado pela maior receita de margem com clientes”.

As receitas com prestação de serviços e tarifas bancárias totalizaram R$ 18,4 bilhões no acumulado do ano, queda de 1,2%, diante da menor receita vinda de cartões e serviços adquirente.

No quarto trimestre, essas receitas somaram R$ 5,1 bilhões, 8,2% superiores ao terceiro trimestre, como resultado do melhor desempenho de quase todas as linhas de receitas.

Carteira de crédito

Mesmo com a recessão provocada pela pandemia, o Santander viu sua carteira de crédito somar R$ 411,6 bilhões em 2020, aumento de 16,9% em relação ao ano anterior, com todos os segmentos de atuação registrando variação positiva no ano.

O crédito à pessoa física também fechou o ano em alta, atingindo R$ 174,3 bilhões, alta de 12,2% no ano.

“Os produtos que registraram os maiores crescimentos anuais, como crédito imobiliário e consignado, indicam a estratégia de crescer em produtos colateralizados”, diz trecho do relatório com resultados.

Já a carteira de crédito ampliada, que inclui outras operações com risco de crédito (debêntures, FIDC, CRI, notas promissórias, notas promissórias de colocação no exterior, ativos relacionados a atividades de adquirência e avais e fianças), alcançou R$ 512,5 bilhões, alta de 18,5%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Erros no mercado

Número de pedidos de indenização após perdas na Bolsa salta 810% no primeiro semestre

O Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos assegura aos investidores o ressarcimento de até R$ 120 mil por prejuízos causados por erros ou omissões de participantes do mercado

Lua de mel amarga

C6 quer ‘divórcio’ da TIM, mas operadora briga contra a separação

Um ano após firmarem parceria para captação de clientes em troca de ações, a fintech ouviu um ‘não’ para seu pedido de rescisão de contrato

Crise hídrica

Ministro de Minas e Energia descarta racionamento e diz trabalhar para evitar apagão

Com níveis alarmantes nas usinas hidrelétricas, até mesmo a volta do horário de verão é considerada por alguns membros do governo e indústria

Negócio da China?

SEC confirma pausa em IPOs de empresas chinesas; agência reguladora dos EUA fará novas orientações sobre riscos

Em meio à ofensiva regulatória de Pequim, a SEC busca novas orientações ao mercado sobre os riscos envolvidos em comprar ações de companhias do país asiático

Passo à frente

Rumo ao “outro patamar”: EQI, que trocou a XP pelo BTG, recebe autorização para abrir corretora

Depois de ser pivô de disputa entre os bancos, escritório de agentes autônomos dá um passo decisivo para ter “vida própria” no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies