Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-20T19:51:57-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

20 de janeiro de 2021
19:51
Bola de ferro
Imagem: Shutterstock

Os diretores do Banco Central arrancaram a bola de ferro que haviam amarrado aos próprios pés na reunião desta quarta-feira, na qual decidiram manter a taxa básica de juros (Selic) em 2% ao ano.

A bola de ferro atende pelo nome de “forward guidance”, a controversa sinalização de que os juros ficariam muito baixos por um longo período.

Leia também:

Esse instrumento de política monetária foi adotado com sucesso pelo Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos, no combate à crise financeira de 2008.

O forward guidance voltou à baila no ano passado como uma das armas para tentar reanimar a economia combalida pela pandemia da covid-19. O Fed já indicou que as taxas não devem subir nos EUA pelo menos até 2023.

Por aqui, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu importar o “forward guidance” em agosto do ano passado. Ao baixar a Selic para a mínima histórica de 2% ao ano, o BC sinalizou ao mercado que a taxa poderia se manter nesses níveis até meados de 2022.

Só que para o instrumento funcionar, é preciso combinar com os russos — no caso, o mercado financeiro. Em outras palavras, os investidores precisam acreditar na capacidade do BC de manter os juros baixos.

A manutenção do forward guidance dependia basicamente de duas variáveis que costumam ser traiçoeiras no Brasil: a inflação e a política fiscal.

Menos de um mês após o BC indicar que os juros não subiriam, o país passou por um choque nos preços de alimentos que começou a pressionar os índices de inflação. O resultado foi que o IPCA encerrou o ano em 4,52% — acima do centro da meta de 4%.

Ao mesmo tempo, o mercado começou a questionar a trajetória da dívida pública em meio aos gastos do governo para conter os danos da pandemia. Com isso, passou a cobrar mais juros do Tesouro para comprar os títulos do governo.

Essa distorção no mercado de juros provocou até uma inesperada queda no rendimento do Tesouro Selic, algo que não ocorria desde 2002.

O Copom aguentou o tranco e manteve o forward guidance até a reunião desta quarta-feira, mas ninguém mais comprava a ideia. Antes mesmo da morte precoce do instrumento, o mercado já projetava uma alta da Selic para 3,25% no fim de 2021, de acordo com o último boletim Focus.

Será que valeu a pena?

No final, a decisão do BC brasileiro de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada. Desta forma, o Copom terá liberdade tanto para apertar as taxas se o dragão da inflação continuar mostrando os dentes ou mesmo manter a Selic no caso de a economia seguir debilitada pelos efeitos da covid-19.

A grande questão que fica para os especialistas em política monetária é: a experiência do forward guidance mais ajudou ou atrapalhou a condução da economia em meio à crise?

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Clube do livro

Das tulipas ao bitcoin: conheça a história das crises financeiras de uma forma irreverente

O maior trunfo de “Crash”, de Alexandre Versignassi, é nos guiar pela história da economia mundial e brasileira traçando paralelos entre o passado e o presente

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies